Moda

Semana da Moda de Paris, o ninho do luxo

A Semana da Moda de Paris, que se realizou entre 23 de Setembro e 1 de Outubro, é sempre um dos pontos altos do calendário das marcas de luxo. Uma revisão do que esteve em destaque nos últimos dias.

Vivienne Westwood. A exuberância da britânica voltou a surpreender Paris e a indústria da moda Gonzalo Fuentes/Reuters
Fotogaleria
Vivienne Westwood. A exuberância da britânica voltou a surpreender Paris e a indústria da moda Gonzalo Fuentes/Reuters

Akris

Nos dez anos de aniversário da icónica bolsa criada por Albert Kriemler em forma trapezoidal, o criativo da Akris regressou a este formato, numa celebração da silhueta feminina e proporcionando uma fluidez de movimentos ao que não será alheio o uso de materiais leves. As malas, claro, não faltaram.

Balmain

Uma colecção que não deixou ninguém indiferente, com Olivier Rousteing a arriscar ainda mais do que é costume. Com cortes inspirados nas linhas das décadas de 1980 e 1990, sobressai o uso de cores em tonalidades expressivas, mas também o alinhamento monocromático de muitas propostas. De destacar ainda os conjuntos a preto e branco, em que Rousteing brinca com a dualidade dos dois tons para criar formas geométricas.

Celine

Desde o início do ano passado que Hedi Slimane, o antigo director da Saint Laurent, se passou para o conglomerado de luxo LVMH (Louis Vuitton Moët Hennessy) para criar a linha Celine. E o que se percebe nas propostas do francês, que iniciou a sua carreira na também prestigiante Dior, é que o corte com a YSL ainda não é claro. Na passerelle, houve um certo ambiente de nostalgia pelos anos da “paz e amor”, com calças de ganga de cintura subida e de bocas largas (Não, ainda não são sinos!), motivos florais e casacos pesados.

Chanel

Era a prova de fogo para Virginie Viard que, depois de mais de três décadas de trabalho ao lado de Karl Lagerfeld, assumiu a liderança da casa francesa após a sua morte. E, neste segundo desfile só seu (o primeiro foi em Julho), provou que o ADN da icónica marca lhe corre nas veias. Houve tailleurs de corte intemporal, as jaquetas bouclé cujo nome se confunde com o da marca e casacos longos. Mas também uma saia em balão, um casaquinho bordado ou uns curtos calções, menos vistos entre a linha Chanel.

Dior

A natureza conquistou relevo na apresentação de Maria Grazia Chiuri, que não deixou escapar a oportunidade para promover o debate sobre o impacte da indústria da moda no ambiente, ao mesmo tempo que traçou uma homenagem sincera à Primavera, inspirada nas gravuras dos séculos XVII e XVIII da botânica alemã Maria Sybilla Merian. Na passerelle vingaram as saias longas, calças largas, mas também peças utilitárias. Curiosidade: as tranças longas exibidas pelas modelos originaram rumores de que se trataria de uma referência à jovem activista sueca Greta Thunberg.

Givenchy

A britânica Clare Waight Keller é a primeira mulher a assinar a colecção da Givenchy (algo que faz com êxito desde 2017) e também a primeira criativa da casa fundada, em 1952, por Hubert de Givenchy a regressar ao passado para criar uma linha moderna. Explique-se: Keller recuperou calças de ganga de um armazém, onde estavam desde a década de 1990, e revitalizou-as. Já pelos vestidos, o mote floral distingue-se dos demais, assim como as propostas feitas de camadas sobrepostas. Curiosidade: a autoria do vestido de noiva de Megan Markle é de Keller.

Guy Laroche

Richard René parece ter andado às voltas com uma colecção que parece carecer de um fio condutor: houve vestidos brancos fluidos, pesadas camisas em camurça, macacões… Já nos estampados, o próprio designer explicou que as notas de 500 francos pretendem homenagear as profissionais do sexo dos anos 70 do século passado. Já a inspiração veio do cinema: Madame Claude (1977), do mesmo realizador de EmmanuelleJust Jaeckin.

Hermès

Assinada pela designer Nadège Vanhee-Cybulski, uma colecção que, seguindo as premissas de luxo da marca Hermès, se volta para a vontade de criar um armário de básicos que possam ser usados por qualquer mulher – desde que haja dinheiro à disposição… Nos materiais, Vanhee-Cybulski ousou cruzar o pesado couro com o ultraligeiro organdi.

Saint Laurent

Com uma passerelle com vista para a Torre Eiffel e a supermodelo icónica Naomi Campbell a encerrar o desfile, as propostas de Anthony Vaccarello cintilaram na noite parisiense, quer com os calções curtíssimos ou as botas de cowboy, quer com os vestidos debruados a ouro, blusas em chiffon ou saias plissadas metalizadas.

Vivienne Westwood

A exuberância da britânica voltou a surpreender Paris e a indústria da moda, desta feita com um desfile, assinado pelo seu companheiro Andreas Kronthaler, em que mais do que propostas de roupa o designer se propôs a olhar seriamente para a sustentabilidade da mesma: a maior parte dos tecidos foram recuperados de stocks abandonados há muito, sem que tenham sido tingidos. O destaque foi para um chapéu gigante em forma de peixe, elaborado de despojos de lantejoulas que tinha no seu estúdio.

Vivienne Westwood. O desfile, assinado pelo companheiro de Westwood, Andreas Kronthaler, destacou-se pelo facto de o designer se propor a a olhar seriamente para a sustentabilidade da moda
Vivienne Westwood. O desfile, assinado pelo companheiro de Westwood, Andreas Kronthaler, destacou-se pelo facto de o designer se propor a a olhar seriamente para a sustentabilidade da moda Gonzalo Fuentes/Reuters
Vivienne Westwood. A maioria dos tecidos não foi tingido por opção de Kronthaler
Vivienne Westwood. A maioria dos tecidos não foi tingido por opção de Kronthaler Gonzalo Fuentes/Reuters
Vivienne Westwood. O destaque foi para um chapéu gigante em forma de peixe, elaborado de despojos de lantejoulas que tinha no seu estúdio
Vivienne Westwood. O destaque foi para um chapéu gigante em forma de peixe, elaborado de despojos de lantejoulas que tinha no seu estúdio Gonzalo Fuentes/Reuters
Vivienne Westwood. A maior parte dos tecidos foi recuperada de stocks abandonados há muito
Vivienne Westwood. A maior parte dos tecidos foi recuperada de stocks abandonados há muito Gonzalo Fuentes/Reuters
Akris. A icónica bolsa criada por Albert Kriemler em forma trapezoidal faz dez anos
Akris. A icónica bolsa criada por Albert Kriemler em forma trapezoidal faz dez anos Gonzalo Fuentes/Reuters
Akris. As formas proporcionaram a fluidez de movimentos
Akris. As formas proporcionaram a fluidez de movimentos Gonzalo Fuentes/Reuters
Akris. O uso de materiais leves foi uma constante
Akris. O uso de materiais leves foi uma constante Gonzalo Fuentes/Reuters
Akris. As malas, claro, não faltaram.
Akris. As malas, claro, não faltaram. Gonzalo Fuentes/Reuters
Akris. O criativo da Akris regressou ao trapézio, numa celebração da silhueta feminina
Akris. O criativo da Akris regressou ao trapézio, numa celebração da silhueta feminina Gonzalo Fuentes/Reuters
Balmain. Olivier Rousteing a arriscar ainda mais do que é costume
Balmain. Olivier Rousteing a arriscar ainda mais do que é costume Benoit Tessier/Reuters
Balmain. Uma colecção que não deixou ninguém indiferente
Balmain. Uma colecção que não deixou ninguém indiferente Benoit Tessier/Reuters
Balmain. O alinhamento monocromático destacou-se em muitas propostas
Balmain. O alinhamento monocromático destacou-se em muitas propostas Benoit Tessier/Reuters
Balmain. Com cortes inspirados nas linhas das décadas de 1980 e 1990, sobressai o uso de cores em tonalidades expressivas
Balmain. Com cortes inspirados nas linhas das décadas de 1980 e 1990, sobressai o uso de cores em tonalidades expressivas Benoit Tessier/Reuters
Balmain. De destacar os conjuntos a preto e branco, em que Rousteing brinca com a dualidade dos dois tons para criar formas geométricas
Balmain. De destacar os conjuntos a preto e branco, em que Rousteing brinca com a dualidade dos dois tons para criar formas geométricas Benoit Tessier/Reuters
Celine. Desde o início do ano passado que Hedi Slimane, o antigo director da Saint Laurent, se passou para o conglomerado de luxo LVMH (Louis Vuitton Moët Hennessy) para criar a linha Celine
Celine. Desde o início do ano passado que Hedi Slimane, o antigo director da Saint Laurent, se passou para o conglomerado de luxo LVMH (Louis Vuitton Moët Hennessy) para criar a linha Celine Benoit Tessier/Reuters
Celine. Nas propostas de Slimane percebe-se que o corte com a YSL ainda não é claro
Celine. Nas propostas de Slimane percebe-se que o corte com a YSL ainda não é claro Benoit Tessier/Reuters
Celine. Na passerelle, houve um certo ambiente de nostalgia pelos anos da “paz e amor”
Celine. Na passerelle, houve um certo ambiente de nostalgia pelos anos da “paz e amor” Benoit Tessier/Reuters
Celine. Houve calças de ganga de cintura subida e de bocas largas (Não, ainda não são sinos!), motivos florais
Celine. Houve calças de ganga de cintura subida e de bocas largas (Não, ainda não são sinos!), motivos florais Benoit Tessier/Reuters
Celine. Os casacos pesados foram uma constante
Celine. Os casacos pesados foram uma constante Benoit Tessier/Reuters
Chanel. A Semana da Moda de Paris era a prova de fogo para Virginie Viard que, depois de mais de três décadas de trabalho ao lado de Karl Lagerfeld, assumiu a liderança da casa francesa após a sua morte
Chanel. A Semana da Moda de Paris era a prova de fogo para Virginie Viard que, depois de mais de três décadas de trabalho ao lado de Karl Lagerfeld, assumiu a liderança da casa francesa após a sua morte Gonzalo Fuentes/Reuters
Chanel. Neste segundo desfile só seu (o primeiro foi em Julho), Viard  provou que o ADN da icónica marca lhe corre nas veias
Chanel. Neste segundo desfile só seu (o primeiro foi em Julho), Viard provou que o ADN da icónica marca lhe corre nas veias Gonzalo Fuentes/Reuters
Chanel. Houve tailleurs de corte intemporal, as jaquetas bouclé cujo nome se confunde com o da marca e casacos longos
Chanel. Houve tailleurs de corte intemporal, as jaquetas bouclé cujo nome se confunde com o da marca e casacos longos Gonzalo Fuentes/Reuters
Chanel. Aos tradicionais modelos, a criativa juntou saias em balão ou casaquinhos bordados
Chanel. Aos tradicionais modelos, a criativa juntou saias em balão ou casaquinhos bordados Gonzalo Fuentes/Reuters
Chanel. Destaque para os curtos calções
Chanel. Destaque para os curtos calções Gonzalo Fuentes/Reuters
Dior. A natureza conquistou relevo na apresentação de Maria Grazia Chiuri, que não deixou escapar a oportunidade para promover o debate sobre o impacte da indústria da moda no ambiente
Dior. A natureza conquistou relevo na apresentação de Maria Grazia Chiuri, que não deixou escapar a oportunidade para promover o debate sobre o impacte da indústria da moda no ambiente Benoit Tessier/Reuters
Dior. A designer traçou uma homenagem sincera à Primavera, inspirada nas gravuras dos séculos XVII e XVIII da botânica alemã Maria Sybilla Merian
Dior. A designer traçou uma homenagem sincera à Primavera, inspirada nas gravuras dos séculos XVII e XVIII da botânica alemã Maria Sybilla Merian Benoit Tessier/Reuters
Dior. Na passerelle vingaram as saias longas, calças largas, mas também peças utilitárias
Dior. Na passerelle vingaram as saias longas, calças largas, mas também peças utilitárias Benoit Tessier/Reuters
Dior. Curiosidade: as tranças longas exibidas pelas modelos originaram rumores de que se trataria de uma referência à jovem activista sueca Greta Thunberg
Dior. Curiosidade: as tranças longas exibidas pelas modelos originaram rumores de que se trataria de uma referência à jovem activista sueca Greta Thunberg Benoit Tessier/Reuters
Givenchy. A britânica Clare Waight Keller é a primeira mulher a assinar a colecção da Givenchy (algo que faz com êxito desde 2017)
Givenchy. A britânica Clare Waight Keller é a primeira mulher a assinar a colecção da Givenchy (algo que faz com êxito desde 2017) Gonzalo Fuentes/Reuters
Givenchy. Pelos vestidos, o mote floral distingue-se dos demais
Givenchy. Pelos vestidos, o mote floral distingue-se dos demais Gonzalo Fuentes/Reuters
Givenchy. Há propostas feitas de camadas sobrepostas
Givenchy. Há propostas feitas de camadas sobrepostas Gonzalo Fuentes/Reuters
Givenchy. Keller é também a primeira criativa da casa fundada, em 1952, por Hubert de Givenchy a regressar ao passado para criar uma linha moderna
Givenchy. Keller é também a primeira criativa da casa fundada, em 1952, por Hubert de Givenchy a regressar ao passado para criar uma linha moderna Gonzalo Fuentes/Reuters
Givenchy. A estilista recuperou calças de ganga de um armazém, onde estavam desde a década de 1990, e revitalizou-as.
Givenchy. A estilista recuperou calças de ganga de um armazém, onde estavam desde a década de 1990, e revitalizou-as. Gonzalo Fuentes/Reuters
Guy Laroche. Uma colecção, de Richard René, que parece carecer de um fio condutor,Guy Laroche. Uma colecção, de Richard René, que parece carecer de um fio condutor
Guy Laroche. Uma colecção, de Richard René, que parece carecer de um fio condutor,Guy Laroche. Uma colecção, de Richard René, que parece carecer de um fio condutor Gonzalo Fuentes/Reuters
Guy Laroche. Houve vestidos brancos fluidos, pesadas camisas em camurça, macacões… ,Guy Laroche. Houve vestidos brancos fluidos, pesadas camisas em camurça, macacões…
Guy Laroche. Houve vestidos brancos fluidos, pesadas camisas em camurça, macacões… ,Guy Laroche. Houve vestidos brancos fluidos, pesadas camisas em camurça, macacões… Gonzalo Fuentes/Reuters
As propostas de Richard René para a colecção Primavera/Verão 2020 da Guy Laroche
As propostas de Richard René para a colecção Primavera/Verão 2020 da Guy Laroche Gonzalo Fuentes/Reuters
Guy Laroche. A inspiração veio do cinema: "Madame Claude" (1977), do mesmo realizador de "Emmanuelle", Just Jaeckin
Guy Laroche. A inspiração veio do cinema: "Madame Claude" (1977), do mesmo realizador de "Emmanuelle", Just Jaeckin Gonzalo Fuentes/Reuters
Hermès. Assinada pela designer Nadège Vanhee-Cybulski, uma colecção segue as premissas de luxo da marca
Hermès. Assinada pela designer Nadège Vanhee-Cybulski, uma colecção segue as premissas de luxo da marca Gonzalo Fuentes/Reuters
Hermès. Nota-se a vontade de criar um armário de básicos
Hermès. Nota-se a vontade de criar um armário de básicos Gonzalo Fuentes/Reuters
Hermès. As peças de Vanhee-Cybulski podem ser usadas por qualquer mulher – desde que haja dinheiro à disposição…
Hermès. As peças de Vanhee-Cybulski podem ser usadas por qualquer mulher – desde que haja dinheiro à disposição… Gonzalo Fuentes/Reuters
Hermès. Nos materiais, Vanhee-Cybulski ousou cruzar o pesado couro com o ultraligeiro organdi
Hermès. Nos materiais, Vanhee-Cybulski ousou cruzar o pesado couro com o ultraligeiro organdi Gonzalo Fuentes/Reuters
Uma proposta de Nadège Vanhee-Cybulski para a colecção Primavera/Verão 2020 da Hermès
Uma proposta de Nadège Vanhee-Cybulski para a colecção Primavera/Verão 2020 da Hermès Gonzalo Fuentes/Reuters
Saint Laurent. As propostas de Anthony Vaccarello cintilaram na noite parisiense
Saint Laurent. As propostas de Anthony Vaccarello cintilaram na noite parisiense Gonzalo Fuentes/Reuters
Saint Laurent. Houve calções curtíssimos ou botas de cowboy
Saint Laurent. Houve calções curtíssimos ou botas de cowboy Gonzalo Fuentes/Reuters
Saint Laurent. Destaque ainda para vestidos debruados a ouro, blusas em chiffon ou saias plissadas metalizadas
Saint Laurent. Destaque ainda para vestidos debruados a ouro, blusas em chiffon ou saias plissadas metalizadas Gonzalo Fuentes/Reuters
Saint Laurent. A icónica supermodelo Naomi Campbell encerrou o desfile
Saint Laurent. A icónica supermodelo Naomi Campbell encerrou o desfile Gonzalo Fuentes/Reuters
Saint Laurent. A passerelle tinha vista para a Torre Eiffel
Saint Laurent. A passerelle tinha vista para a Torre Eiffel Gonzalo Fuentes/Reuters
Sugerir correcção