Bernard-Henri Lévy pede Nobel da Literatura para António Lobo Antunes

O filósofo francês Bernard-Henri Lévy questionou este sábado de manhã, na abertura do colóquio dedicado aos 40 anos de vida literária de António Lobo Antunes, a decorrer na Gulbenkian, como é possível o Nobel tardar tanto para este escritor português.

António Lobo Antunes
Foto
Miguel Manso

O escritor e filósofo francês Bernard-Henri Lévy, que neste sábado de manhã fez a conferência de abertura do colóquio António Lobo Antunes: 40 Anos de Vida Literária, que decorre durante todo o dia na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, congratulou-se por o seu país ter permitido à obra do escritor português a entrada na Biblioteca La Pléiade, considerada a colecção de referência da literatura mundial (o anúncio foi feito no ano passado e a inclusão da obra do autor está a ser preparada, o processo costuma durar dois anos). “Há poucos autores vivos a terem esse privilégio”, lembrou o intelectual francês.

“Mas há um gesto que se impunha, há uma recompensa que se impunha, há uma recompensa que ele merece há tantos anos e que nos faz perguntar : como é possível que tarde tanto? A recompensa que eu peço esta manhã para António Lobo Antunes é naturalmente o Prémio Nobel da Literatura”, afirmou o autor de Barbárie com Rosto Humano, e imediatamente se fizeram ouvir palmas entusiásticas no auditório, cuja plateia se encheu esta manhã para assistir ao colóquio que celebra a publicação dos dois primeiros romances de António Lobo Antunes, Os Cus de Judas e Memória de Elefante, ambos publicados em 1979.

Bernard-Henri Lévy considerou António Lobo Antunes “um dos escritores maiores do nosso tempo, todas as línguas incluídas”, e afirmou que há poucos escritores vivos que ele coloque tão alto. E durante uma hora analisou a obra do português, dando algumas recomendações para os leitores: leiam-no pensando que se trata de um músico, pensando no seu trabalho de escrita e deixando de lado todos os preconceitos de que se armaram antes de começar a leitura.

O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa irá encerrar a cerimónia às 17h30 ao lado do homenageado que lerá também excertos destas suas primeiras obras. O colóquio é de entrada livre e a frase “apenas me preocupa atingir o coração do coração e iluminar tudo”, retirada da Crónica com um sorriso no fim, é o seu mote.