Opinião

Uma paella Magalhânica

A Primeira Volta ao Mundo, em exibição no Canal História, presta um mau serviço e é incapaz de conciliar o rigor histórico com as exigências da divulgação.

Estamos em plena temporada de comemorações da viagem de Fernão de Magalhães. O arranque ocorreu no passado dia 20, assinalando 500 anos da partida da armada que haveria de realizar a primeira circum-navegação do mundo. Na véspera, estreou-se nos cinemas portugueses Elcano & Magallanes (por cá chamado de Uma Aventura nos Mares), uma animação espanhola sobre a viagem, na qual Magalhães é gordo, bonacheirão e coxo e Elcano o jovem herói destemido por quem a princesa “indígena” se apaixona. O vilão é, naturalmente, o embaixador português. No dia seguinte, o Canal História passou os dois primeiros episódios de A Primeira Volta ao Mundo, uma série documental igualmente espanhola aguardada com alguma expectativa e que mereceu destaque na imprensa portuguesa.

Começo por dizer duas coisas: não tenho nada contra “produtos” e abordagens heterodoxas que escapam ao cânone erudito e académico na evocação destes eventos, porque sei que é preciso cativar o interesse do público leigo, e não defendo que Portugal deva gastar milhões em estratégias idênticas para defender o “nosso” Magalhães e mostrar a “nossa” versão do tema. Em poucas palavras, prefiro uma boa série espanhola a uma má série portuguesa; porque o que define a qualidade não é o polimento que o meu ego patriótico recebe mas sim a capacidade de conciliar o rigor histórico com as exigências da divulgação. A Primeira Volta ao Mundo presta um mau serviço, fundamentalmente, porque é incapaz dessa conciliação, subjugando aquele a esta última.

A série parte das duas premissas habituais da agenda espanhola: colocar em relevo a forma excecional, vanguardista e visionária como Carlos I e a sua corte acolheram e financiaram o projeto de Magalhães e destacar a figura e o papel de Sebastián Elcano em todo o processo. Para esse efeito, lança mão de um formato arrojado, traçando paralelos com a realidade dos nossos dias e misturando depoimentos atuais com os dos protagonistas da saga. Porém, o resultado é desastroso e confuso.

O primeiro episódio chama-se “Uma startup no século XVI”, na qual o rei é “Presidente da Empresa”, Magalhães, “Diretor Geral”, Juan de Cartagena, “Diretor Comercial e Diretor Financeiro”, e Elcano, “Diretor de Operações”, entre outros personagens. Tudo como deve ser (e foi, segundo a série) uma verdadeira startup de sucesso. Presumo que o cenário estaria completo se a Web Summit ocorresse em Sevilha em vez de Lisboa. Já o segundo episódio chama-se “Uma Nave Espacial de Madeira” e traça a estafada – além de ridícula e incongruente – comparação simplista e acrítica entre a viagem e a exploração espacial. Naus e caravelas são “as naves espaciais da época”, o arco que vai do Cabo de S. Vicente ao Guadalquivir é o “cosmódromo da modernidade”, o Cabo Canaveral ou o Baikonur daquela época. Um dos intervenientes chega mesmo a comparar a viagem com a ida a Marte.

Nada disto seria muito grave se fosse apenas uma questão de formato e do uso de palavras-choque. Afinal, é preciso seduzir o público e qualquer divulgador da História está consciente da importância de fazer passar a mensagem. Contudo, no seu afã de cativar os espetadores, o guião perde-se em afirmações bombásticas, como afirmar-se que o domínio do comércio das especiarias correspondia, na época, a “controlar o mundo da energia, do petróleo, das redes cibernéticas” de hoje. Há igualmente sérios erros e omissões. Três exemplos: 1. o motim que deflagrou em San Julián (na Patagónia) e que quase comprometeu a expedição é cuidadosamente omitido. Quem foi, na realidade, um dos principais revoltosos? Juan de Cartagena, o tal “Diretor Comercial e Diretor Financeiro” da pseudo-startup; quem aderiu ao motim? Dezenas de tripulantes, entre os quais… Sebastián Elcano, o “Diretor de Operações” da mesma e que a série eleva à categoria de herói impoluto da viagem. 2. A demanda das Molucas é apresentada como uma mera corrida entre Portugal e Espanha, na qual esta foi célere a “captar talentos” (seguindo a linguagem de startup) e a preparar uma expedição devidamente capacitada e financiada. É omitido o facto de os portugueses já lá estarem estabelecidos, de, à data da viagem, disporem de uma sólida – e invejada – base de apoio regional (Malaca) e de já terem procedido ao reconhecimento do mundo malaio-indonésio e das suas rotas e potencialidades, além de já terem alcançado a China, meia dúzia de anos antes. Em vez disso, afirma-se que a localização das Molucas era um “segredo que só Magalhães conhecia”. 3. A certa altura, a narrativa insere a navegação astronómica e a chegada ao hemisfério sul, com a consequente perda de visibilidade da Estrela Polar. De entre as várias omissões, nada é dito acerca do facto de o uso do astrolábio – havia vários exemplares na expedição colmatar esta lacuna. Em vez disso, e de forma a realçar o contraste cromático, fala-se de “terra plana”, de monstros marinhos e de superstições.

Não há historiadores portugueses na série. Esta lacuna não é irrelevante porque os convidados parecem não estar habilitados a transmitir conhecimentos atualizados sobre a situação de Portugal e da Ásia. Sugere-se que o cravo-da-índia chegava à Europa pela Rota da Seda, exibindo-se um mapa assinalando uma ligação terrestre entre a China e a Ásia Menor; na realidade, o cravo passava por Malaca, daí para a Índia e o Mar Vermelho, sempre por via marítima, e chegava à Europa via Cairo e Veneza. Afirma-se que as ilhas eram apenas “conhecidas pelos nativos” e que eram frequentadas por mercadores chineses. Na verdade, a China não importava cravo; o principal mercado consumidor era a Índia e os mercadores que o lá iam buscar eram guzerates, malaios, javaneses. Por fim, para que servia o cravo (e outras especiarias)?, pergunta-se. A resposta, repetida em vários depoimentos, é a de que se tratava de um conservante, que se usava para disfarçar o mau sabor e a decomposição da carne, que “era como ter um frigorífico” e que “permitia que os alimentos estivessem disponíveis no inverno” “para controle da fome”. Além de errada (apesar de se tratar de uma ideia muito difundida), convenhamos que seria muito pouco racional conservar a carne com algo tão caro, havendo sal e vinagre à disposição em abundância na Europa.

O rol de erros e incorreções prossegue: afirma-se que Magalhães dirigir-se a Carlos I era algo “inimaginável à época” (o que é inexato), diz-se que a principal característica das caravelas era terem “um leme mais baixo e mais robusto” (sem referência à vela triangular e à capacidade de bolinar), declara-se que a documentação sobre navegação era escrita em “castelhano antigo” (ao contrário de outra, em latim) para dificultar a compreensão pelos rivais portugueses, que Magalhães se ofendeu com D. Manuel porque este não o deixou ficar no palácio onde estava e onde os navegantes costumavam ficar, que o tratado de Tordesilhas concedeu “o que se conhecia para Portugal; para Castela, o desconhecido, o vazio”, sem contexto nem explicação. Há uma afirmação particularmente perturbante, proferida por José Manuel Nuñez de la Fuente: a de que os portugueses adquiriram conhecimentos náuticos (especificamente o astrolábio e o quadrante) por contacto com os chineses, nomeadamente via expedições de Zheng He. Concluo que as teses de Gavin Menzies, apesar de completamente desacreditadas pela comunidade científica, continuam a proliferar e a ser difundidas pelas vozes mais insuspeitas. Por fim, dois pormenores: um retrato de Carlos V é repetidamente atribuído a Rui Faleiro e a tradução é deficiente, entre “quintáis”, “descorbridores”, “atuáis”, “factoria”, “marino”, “Canarias” ou “bahia”.

Até ao momento, A Primeira Volta ao Mundo revela um enorme contraste entre intenções e resultados, agravado pela pressão da agenda oficial espanhola e por um guião confuso, falta de coordenação científica adequada e deficiências no cuidado narrativo e no rigor factual. Afirma fornecer uma ementa dinâmica e diversificada de conhecimento interessante, atraente e atual, mas não passa de uma paella salobra e pretensiosa, nutricionalmente pobre e com sabor confuso e disfarçado por doses excessivas de açafrão, que apenas lhe concedem aroma intrigante e cor exótica.

O autor escreve segundo o novo Acordo Ortográfico