Página do Governo da Madeira alvo de ataque hacker

O ataque, reivindicado no Twitter, substituiu a página inicial do governo madeirense por uma outra onde uma imagem apelava à revolta contra as autoridades. Governo regional já reagiu.

Foto
A imagem publicada no site DR

A página oficial do governo regional da Madeira foi alvo na tarde desta sexta-feira de um ataque informático.

O ataque, reivindicado no Twitter por um hacker denominado VandaTheGod, direccionou (ou substituiu) a página inicial do governo madeirense para uma outra, onde uma imagem apelava à revolta contra as autoridades.

Na imagem, um manifestante desconhecido com a cara tapada por uma máscara tradicionalmente usada pelo grupo Anonymous, empunha um cartaz onde em inglês lê-se: “Junta-te à revolução. Diz ao teu governo corrupto que se foda”. No rodapé da fotografia, nova mensagem em inglês: “A corrupção tornou-se cultura política. Que se fodam os governos. Queremos mais empregos e hospitais. Que se foda a polícia.”

Com o hashtag #AntiGov, a imagem remete para o contacto do alegado atacante, onde são reivindicados mais ataques semelhantes, muitos utilizando a mesma imagem, a maioria visando sites governamentais brasileiros. Existem também registos de ataques a páginas mexicanas e norte-americanas.

A imagem foi já retirada da página inicial executivo da região autónoma, sendo substituída por uma mensagem de “Em Manutenção”. Ao PÚBLICO, a Direcção Regional do Património e Informática (DRPI) confirmou o ataque informático, mas não se alongou pormenores. “Estamos a trabalhar para resolver a situação, que será normalizada rapidamente”, disse fonte daquela direcção regional.

A técnica usada nesta ataque informático é conhecida como DNS hijacking e consiste no redireccionamento do domínio (endereço) original de uma página para outra criada pelo hacker.

Governo regional confirma o incidente

Ao final da tarde, através da vice-presidência, o executivo madeirense confirmou oficialmente o incidente. “O portal madeira.gov.pt, foi alvo de um ciberataque na forma de acesso ilegítimo e sabotagem, resultando na publicação de conteúdos não autorizados e impedindo a utilização dos serviços digitais acessíveis por esta via”, disse o governo em comunicado, acrescentando que o ataque não foi dirigido à região autónoma. ”Integra, sim, um ciberataque alargado, tendo como alvo diversos sites governamentais de Portugal e de vários países do mundo.”

 A situação, continua o comunicado da vice-presidência do governo insular, foi detectada pelas 15h05, altura em que os serviços técnicos da DRPI iniciaram uma investigação, com a preocupação de preservar a prova forense.

O ataque foi comunicado ao Centro Nacional de Cibersegurança e a DRPI irá formalizar uma queixa junto da Polícia Judiciária. Neste momento, acrescenta o governo madeirense, não existem indicadores que outros sistemas ou serviços da administração pública regional tivessem sido afectados. 

Foram “adoptadas medidas adicionais de monitorização, com o objectivo de prevenir e minimizar o impacto nos funcionários, cidadãos e organizações que utilizam os serviços digitais do governo regional”, diz ainda a nota.