Arquitectura

Alcácer do Sal: uma “casa do Monopólio” em ponto grande

João Guimarães - JG Photography
Fotogaleria
João Guimarães - JG Photography

A Casa 3000, com projecto do arquitecto Luís Rebelo de Andrade, foi um dos projectos distinguidos nos prémios de arquitectura da plataforma internacional online Architizer A+, na categoria Conceitos – Plus – Arquitetura + Cor. Situada numa extensão de terreno árido com 500 hectares, esta casa em Álcacer do Sal é um marco distintivo numa paisagem uniforme. Numa das primeiras visitas à propriedade, o arquitecto chegou mesmo a perder a localização do jipe que havia levado, uma vez que a Herdade da Considerada não tinha pontos de referência. Assim nasceu a ideia do projecto de construção da Casa 3000, que acaba por funcionar "como marco geodésico". Face à dificuldade em alcançar água e corrente eléctrica, a casa e o armazém agrícola foram concebidos para minimizar o tempo e o custo de construção e privilegiar a sustentabilidade energética.

A casa de 400 metros quadrados "tem um desenho de uma simplicidade extrema, em que a cor é a grande diferença”, explica Rebelo de Andrade, que optou por usar o vermelho na chapa por oposição ao verde circundante. Mas lá por ser uma casa aparentemente simples, tal não significa que esta deva ser desvalorizada. Sendo a casa avessa a desperdícios de energia, ao lado da mesma, no armazém agrícola que serve de alojamento às alfaias e máquinas agrícolas, encontram-se painéis fotovoltaicos e aquecedores solares, o que possibilita um maior aproveitamento da luz natural. Apesar de Luís Rebelo de Andrade apostar, normalmente, na “discrição”, esta casa “é totalmente o oposto”. Isto porque a abordagem do projecto reflecte a natureza do local. “Em termos de sustentabilidade, eu diria que é uma casa quase perfeita”, crê o arquitecto, que fez questão de construir uma casa auto-suficiente, cujo projecto contou com a colaboração do Departamento de Engenharia Civil da Universidade de Aveiro.

No interior — como mostram as fotografias de João Guimarães — a casa é luminosa, com uma escadaria central revestida de madeira — que “constitui alguma inovação no panorama da construção em Portugal”, entende Rebelo de Andrade. A cozinha é linear, com armários brancos brilhantes e janelas que percorrem toda a divisão e permitem um olhar para as árvores do jardim. Na outra extremidade da casa encontra-se a sala de estar, que pode ser fechada graças a uma parede de madeira deslizante. Há toda uma paleta de cores suaves que contrasta com o exterior, revestido a aço corrugado (enrugado) vermelho brilhante. É essa cor que dá nome à casa — a designação oficial da cor é RAL 3000 ou Flame Red —, cujo formato se assemelha ao das minúsculas casas do Monopólio.

João Guimarães - JG Photography
João Guimarães - JG Photography
João Guimarães - JG Photography
João Guimarães - JG Photography
João Guimarães - JG Photography
João Guimarães - JG Photography
João Guimarães - JG Photography
João Guimarães - JG Photography
João Guimarães - JG Photography
João Guimarães - JG Photography
João Guimarães - JG Photography
João Guimarães - JG Photography
João Guimarães - JG Photography
João Guimarães - JG Photography
João Guimarães - JG Photography
João Guimarães - JG Photography
João Guimarães - JG Photography
João Guimarães - JG Photography
João Guimarães - JG Photography
João Guimarães - JG Photography
Sugerir correcção