Programa do Livre dá prioridade ao combate às alterações climáticas e justiça social

Partido definiu em congresso as prioridades do programa a apresentar às legislativas de 6 de Outubro.

Rui Tavares, líder do Livre
Foto
Rui Tavares, líder do Livre LUSA/PAULO NOVAIS

O Livre definiu, este domingo, em congresso, a justiça social, a habitação e o combate às alterações climáticas como prioridades do programa a apresentar às legislativas de Outubro, disse à Lusa o dirigente Carlos Teixeira.

“O Livre é um partido ecologista, mas como partido de esquerda pensamos a ecologia numa perspectiva de justiça social, de não deixar ninguém para trás”, sublinhou o dirigente, que será o número dois na lista por Lisboa.

Carlos Teixeira, biólogo e ex-dirigente da Liga para a Protecção da Natureza, defendeu que o desenvolvimento do país deve ser avaliado “numa perspectiva de desenvolvimento sustentável, indo para além do indicador Produto Interno Bruto, adoptando o PIB verde e pondo o enfoque nas questões ambientais”.

A luta contra o racismo na sociedade e pelo aumento da representação das minorias em cargos públicos é outra bandeira do Livre para as legislativas de Outubro, sublinhou, destacando que o partido indicou como número um pelo círculo de Lisboa Joacine Katar Moreira, “a primeira mulher negra da lista ao círculo da capital”.

A habitação surge como prioridade no programa eleitoral, disse, com uma proposta para “tentar alcançar 10% de habitação pública no contexto nacional” e outra para “promover o acesso dos cidadãos à habitação nos centros urbanos, através da reabilitação de imóveis devolutos para fins de arrendamento acessível.

A criação do “balcão da habitação”, o apoio público às “cooperativas habitacionais e à autoconstrução” são outras medidas previstas no programa, adiantou Carlos Teixeira.

“Nós sabemos que representamos uma esquerda socialmente consciente mas muito convicta na relação que tem de ter com a Europa e na necessidade de articular os diferentes combates, as alterações climáticas, os problemas sociais, o problema das migrações e refugiados e sentimos que no parlamento português não existe ainda um grupo parlamentar com esse perfil”, declarou.

Quanto a metas eleitorais, Carlos Teixeira considerou que seria “uma vitória histórica” a eleição de Joacine Katar Moreira, natural da Guiné-Bissau, licenciada em História Moderna e Contemporânea, porque representaria para “os jovens em especial um sinal de que em Portugal é possível, independentemente da cor e da etnia” aceder aos mais altos cargos e participar de forma plena na sociedade, disse.

Os programas eleitorais do Livre bem como as listas de candidatos têm de ser aprovadas em congresso, como prevêem as normas internas do partido.

Nas legislativas de 2015, o Livre obteve 0,73% dos votos (39.340).