Kari Shea/Unsplash
Foto
Kari Shea/Unsplash

Megafone

Os millennials não vão sozinhos a lado nenhum

Mesmo quando a vida se encarreira, os millennials não estão satisfeitos, nem habilitados, a lidar com tarefas de alto esforço e de baixa recompensa, com gratificações adiadas ou funções repetitivas.

Os millennials encaram a idade adulta com demasiada dificuldade e são uma das gerações menos preparadas para ser independente. Ser adulto dá trabalho e é exigente, todos temos desafios constantes. Contudo, esta geração está mal equipada para lidar com sentimentos negativos incontornáveis, como frustração ou fracasso. Isso leva à sensação de inadequação na fase adulta, salvo excepções com quem tenho o prazer de também me cruzar. Os pais suportam os filhos de modo excessivamente presente e até demasiado tarde, não lhes dando espaço para lidarem sozinhos com adversidades.

Mesmo quando a vida se encarreira, não estão satisfeitos, nem habilitados, a lidar com tarefas de alto esforço e de baixa recompensa, com gratificações adiadas ou funções repetitivas. São estimulados a acreditar que são especiais e marcarão a diferença no mundo, em tempo recorde e apenas com o seu “talento” natural. Imersos em expectativas, chocam de frente com um quotidiano sem piedade. Em consulta, onde esta geração se contabiliza mais presente do que nunca, ouço expressões angustiadas e deprimidas como “Já tenho 23 anos, estou a passar do prazo para fazer algo relevante com a vida” — ainda assim é seguro dizer que me deixa mais abatida a mim do que a eles próprios.

Atrás de uma fatia significativa dos vários millennials que surgem a fazer terapia, acompanham-nos pais esfuziantemente preocupados. Muitas vezes trazem os filhos às consultas, outras tantas insistem em estar presentes nas mesmas. Frequentemente, são os próprios pais que agendam consulta para os filhos. Explicam que os mesmos têm todo o interesse em fazer terapia, mas que acharam melhor ser eles a explicar a situação destes homens e mulheres, entre os 20 e poucos e os 30 e muitos anos. Estes jovens, que cresceram habituados a uma vida micro-gerida, chegam a aceitar que os pais os acompanhem a entrevistas de emprego ou tentem negociar condições de trabalho com os possíveis empregadores, em nome deles. A Google e a LinkedIn viram a pertinência em criar o “Dia de Trazer os Pais para o Trabalho”. Será que devíamos apoiar este comportamento ou reflectir sobre o impacto do mesmo?

Os millennials não sabem lidar com conflito, pelo que não batalham pela sua autonomia, que anda de braço dado com o mesmo, e os pais parecem pouco investidos em ajudá-los neste passo. Por mais desestabilizador que possa parecer, este tipo de conflito é essencial, além de inevitável, para que o jovem avance na construção da sua identidade, adquirindo autonomia e independência parental.

O não avançar nesta etapa leva a que sintam os obstáculos do quotidiano como intransponíveis, o que resulta numa geração com níveis muito agudos de depressão e de ansiedade generalizada, aumentando o risco de situações severas de falta de saúde mental. Isto traduz-se num aumento da procura de apoio psicológico e, por vezes, psiquiátrico, o que ainda é o melhor cenário, se formos sensíveis ao facto de que a ideação suicida está assustadoramente presente nesta camada jovem.

Procurar apoio quando não estamos emocionalmente aptos a lidar com momentos difíceis é uma ferramenta crucial; contudo, devemos investir na prevenção. Urge alertar os pais para o impacto de uma parentalidade sobre-protectora, bem como responsabilizar os jovens pelo seu próprio comportamento, capacitando-os também nas adversidades. A vida pode ser rigorosa, mas todos estamos aptos a geri-la bem, desde que tenhamos clareza e confiança nesta realidade.