O nacionalismo é uma doença infecciosa

O episódio do FPO, na Áustria, ajuda-nos a lembrar o que verdadeiramente está em causa nestas europeias: o avanço dos partidos nacionalistas e populistas.

Foto
REUTERS/Leonhard Foeger

1. Neste sábado, o vice-chanceler da Áustria e líder do partido de extrema-direita (FPO) que governa em coligação com os conservadores de Sebastian Kurz, viu-se obrigado a pedir a demissão porque se viu envolvido num escândalo de dimensões indesculpáveis. A história não poderia ser mais escabrosa. Envolve negócios com a nebulosa político-económica de Putin mais a tentativa de controlar a imprensa por essa via. Heinz-Christian Strache, o líder do FPO, considerou-se vítima de uma cabala destinada a derrubar coligação. Fez uma pequena concessão: reconheceu que tinha agido como “um adolescente”. O vídeo fatal data de Julho de 2017 e foi feito com uma câmara escondida numa luxuosa moradia em Ibiza poucos meses antes das eleições que levaram os conservadores de Kurz a formar uma coligação com a extrema-direita.

Os leitores são a força e a vida do jornal

O contributo do PÚBLICO para a vida democrática e cívica do país reside na força da relação que estabelece com os seus leitores.Para continuar a ler este artigo assine o PÚBLICO.Ligue - nos através do 808 200 095 ou envie-nos um email para assinaturas.online@publico.pt.
Sugerir correcção
Ler 40 comentários