Obras na ala pediátrica do São João arrancam até ao final de 2019

Marta Temido, ministra da Saúde, acompanhou o Presidente numa longa visita por todos os serviços do Hospital de São João.

Marcelo com a ministra Marta Temido à chegada ao São João
Fotogaleria
Marcelo com a ministra Marta Temido à chegada ao São João LUSA/JOSÉ COELHO
Visita do Presidente durou quatro horas
Fotogaleria
Visita do Presidente durou quatro horas LUSA/JOSÉ COELHO
Marcelo visitou todos os serviços de pediatria
Fotogaleria
Marcelo visitou todos os serviços de pediatria LUSA/JOSÉ COELHO

O Presidente da República visitou esta terça-feira o Hospital de São João, no Porto, e ao fim de quatro horas saiu com uma boa notícia relacionada com a ala pediátrica, incluindo os serviços de oncologia e de cirurgia, que funcionavam há dez anos em instalações provisórias: "Há condições para a obra arrancar até ao fim do ano", disse Marcelo Rebelo de Sousa, falando ao lado da ministra da Saúde, Marta Temido, que o acompanhou durante toda a tarde.

"Visitei todos os serviços que têm a ver com pediatria. Queria sublinhar que estamos no início de uma nova fase que tem calendários muito precisos", afirmou o Presidente, antes de dizer que acredita haver "condições para obra arrancar até ao fim do ano" e de agradecer aos deputados "a ajuda fundamental" que deram, permitindo o ajuste directo sem concurso, a escolha da entidade contratante e a ausência de visto prévio do Tribunal de Contas. "Fico tranquilo", disse o chefe de Estado.

O calendário da solução para o São João foi apresentado pela ministra Marta Temido no final da visita. "As datas que temos em cima da mesa são: Abril, conclusão do projecto; depois um período que será de um mês a um mês e meio para a revisão do projecto; de seguida o ajuste directo para a realização da obra, esperando-se que seja possível avançar ainda este ano. O tempo para a conclusão da obra são, salvo erro, 24 meses", anunciou a governante. "Aquilo que estamos apostados em fazer é que esta obra aconteça", disse ainda Marta Temido.

Até Março, acrescentou António Oliveira e Silva, presidente do Conselho de Administração do São João, "estarão concluídas as obras internas que permitirão a transferência das crianças das instalações provisórias [contentores] para espaços do edifício central do hospital [entre outros] que, devidamente adaptados, receberão os casos prioritários" - entre eles os oncológicos e os cirúrgicos.

"A aposta do Ministério da Saúde, do Conselho de Administração e da Administração Regional de Saúde é a de tentar minimizar a condições em que as crianças vão estar a ser tratadas", disse Marta Temido. Perante a insistência dos jornalistas sobre o tempo que levou a ser desbloqueada uma solução para os serviços de pediatria, a ministra concluiu: "Gostaria que nos focássemos no futuro. A nós incumbe-nos fazer o futuro".

Um dos representantes dos pais de crianças pacientes do São João, que acompanhou a visita, assumiu que vê agora uma "luz ao fundo do túnel" e disse que, atendendo ao "dia simbólico, de Natal", acha que não será possível voltar atrás. "O Presidente veio verificar com os próprios olhos o que temos vindo a reclamar há anos. Veio dar força à nossa reivindicação", disse. Referindo-se ao calendário entretanto anunciado pela ministra e repetido pelo Presidente da República, o representante dos pais deixou um alerta: "Vamos ver se não derrapa no tempo".

Marcelo Rebelo de Sousa recordou que visitou as instalações provisórias do Hospital de São João em 2010, quando a causa estava no seu início. "Ser possível agora, em 2019, este passo em frente é uma razão de alegria para todos nós. É bom que neste dia de Natal, quando vivemos tempos em que normalmente há mais notícias más do que boas, haja uma notícia boa", disse ainda.