Opinião

Rebelião contra a Extinção

Não é de espantar que seja cada vez mais radicalizada a acção política para travar o colapso climático.

Nos radicais tempos em que vivemos, em que o Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas, reunindo milhares de cientistas de todo o mundo, nos informou que temos até 2030, 12 anos, para cortar as emissões de gases com efeito de estufa para metade, não é de estranhar o aparecimento de novos tipos de movimentos políticos. Depois de mais uma semana de acções directas pacíficas, que incluíram o corte de estradas em Londres, o bloqueio do Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial, o bloqueio da ponte de Westminster e de Downing Street, a residência oficial da primeira-ministra britânica, mais de 50 pessoas foram detidas. O dia 17 de Novembro, sábado passado, foi o "Dia da Rebelião”.

As acções foram organizada pelo Extinction Rebellion, grupo recentemente formado, que apresenta três reivindicações básicas:

  • Que os governos digam a verdade acerca da crise climática e da emergência ecológica em que vivemos, revertendo políticas inconsistentes, trabalhando com a imprensa para realmente comunicar com os cidadãos;
  • Que os governos implementem políticas sólidas para reduzir as emissões de carbono para net-zero (balanço zero entre emissores e sumidouros) até 2025, com uma redução de consumos;
  • Que seja criada uma Assembleia Cidadã para apoiar estas mudanças, como parte do processo de criação de uma democracia capaz.

O movimento, criado por activistas e académicos como Gail Bradbrook, professora de biofísica molecular e mãe de dois filhos, declarou no dia 31 de Outubro estar em rebelião contra o governo e as instituições "corruptas e inaptas", que ameaçam o futuro: “Declaramos que os laços do contrato social estão invalidados, pela falha contínua do governo de agir adequadamente [em relação à crise ambiental e climática]” e que, como tal, “agimos em paz, com amor feroz por estas terras nos nossos corações. Agimos pela vida”.

No “Dia da Rebelião”, cerca de seis mil activistas cortaram cinco pontes na cidade de Londres –? Southwark, Blackfriars, Waterloo, Westminster e Lambeth – criando um pandemónio na circulação da cidade, que levou à detenção de quase uma centena de pessoas.

A questão central deste novo tipo de movimento e este novo tipo de acção é a disponibilidade declarada de todos e cada um destes activistas de serem presos por causa das suas acções para travar as alterações climáticas e o colapso ecológico. Depois de décadas em que o diagnóstico está mais que feito, em que os governos estão mais que informados, apesar de acordos e protocolos internacionais, as emissões de gases com efeito de estufa não só não desceram como subiram, e este movimento não aceita mais a impotência a que as populações foram remetidas pelo conluio permanente entre governos e empresas petrolíferas e carboníferas, além dos sectores afins como a aviação, a navegação, os automóveis e a agro-indústria. Este tipo de acção e movimento pretende tirar das mãos dos governos e das instituições um dos maiores poderes que estes exercem sobre as populações: o poder da repressão. Se as pessoas estiverem disponíveis para sofrer as consequências legais que a acção política directa implica, pervertendo a capacidade dos governos de reprimi-las, o nível de empoderamento popular possível é alto – a exemplo de movimentos como o pela independência da Índia, pelos direitos civis nos Estados Unidos ou das sufragistas. Para lidar com uma crise sem precedentes e com a urgência temporal da crise climática, não é de espantar que seja cada vez mais radicalizada a necessidade da acção política consequente para travar o colapso climático, que não é mais do que o colapso da civilização humana.

Numa curiosa coincidência, ao mesmo tempo que a Rebelião contra a Extinção entrou em marcha no Reino Unido (e já se espalhou além de Londres), na Austrália vários alunos de escolas básicas entraram em greve contra a inacção do governo australiano de agir contra as alterações climáticas e, nos Estados Unidos, dezenas de jovens activistas climáticos ocuparam o gabinete de Nanci Pelosi, a nova líder da Câmara dos Representantes dos EUA, para exigir à nova maioria democrática do Congresso um “Green New Deal”, um gigantesco programa público de revolução energética, de transportes e agricultura para cortar massivamente gases com efeito de estufa. 

A luta pela justiça climática ainda agora começou. “Rebeldes pela vida”, dizem os activistas Extinction Rebellion, dos oito aos 80 anos. E, procurando replicar a onda dos movimentos dos Indignados e do Occupy, que virou o mundo do avesso entre 2011 e 2013, querem que 2019 seja o ano em que a rebelião pelo futuro se comece a espalhar pelo resto do mundo. Mas além da rebelião, o programa para atingir os radicais cortes de emissões tem de ser uma construção social que permita mobilizar milhões para resgatar o futuro.