Tragédia anunciada em Borba faz dois mortos e quatro desaparecidos

Veículos caíram para interior de uma pedreira. As operações continuam na manhã de terça-feira "durante as primeiras horas".

Fotogaleria
António Moizão/Facebook
Fotogaleria
LUSA/NUNO VEIGA
Fotogaleria
LUSA/NUNO VEIGA
Fotogaleria
António Moizão/Facebook
Fotogaleria
António Moizão/Facebook
Fotogaleria
LUSA/NUNO VEIGA
Fotogaleria
LUSA/NUNO VEIGA
Fotogaleria
LUSA/NUNO VEIGA
Fotogaleria
LUSA/NUNO VEIGA

Uma retroescavadora e dois automóveis foram arrastados para o interior de uma pedreira, na zona de Borba, no distrito de Évora, devido a um aluimento de terras. Numa declaração feita às 20h45, a Protecção Civil avançou que existem pelo menos duas vítimas mortais e quatro desaparecidos. Numa primeira informação ao PÚBLICO, fonte da Protecção Civil admitiu que poderiam ser “quatro a cinco vítimas” que estão “submersas” na pedreira que terá cerca de 50 metros de profundidade.

O comandante operacional da Protecção Civil diz que as operações de socorro "são muito difíceis, extremamente morosas e complexas" e "exigem muita paciência e ponderação". Também o secretário de Estado da Protecção Civil, José Artur Neves, sublinha a "grande complexidade" e à exigência de uma operação cuidada que continuará "às primeiras horas" de amanhã de manhã. "As causas, naturalmente, serão investigadas" e "averiguadas", afirmou o governante. "Este é o momento do socorro e é isso que nós estamos aqui" a fazer, "a mobilizar os meios necessários para isso", respondeu aos jornalistas.

António Anselmo, presidente da Câmara Municipal de Borba garante que as equipas de socorro foram rápidas. "Queremos sobretudo que aqueles que estão vivos e vão resgatar quem lá está com toda a segurança. Já basta os que já morreram, que foram pelo menos dois", disse. O autarca diz estar de "consciência tranquila" e, apesar dos testemunhos que davam conta da fragilidade da estrada, António Anselmo garante que a situação estava "perfeitamente segura". 

Numa notícia de 2014, a Rádio Campanário dava conta da falta de segurança da estrada há pelo menos quatro anos. No entanto, o autarca diz agora que falou com a Direcção Regional de Economia "as coisas estavam encaminhadas no sentido de ser seguro", mas que não sabia "de nada em concreto".

De acordo com o INEM, o alerta foi recebido às 15h45. Ao que o PÚBLICO apurou, a antiga Estrada Nacional 255, que passa no meio de duas pedreiras, desabou numa extensão entre os 150 e os 200 metros.

Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Évora estarão soterradas uma viatura ligeira e uma máquina na pedreira que está em exploração, onde poderiam estar a trabalhar duas pessoas. A outra pedreira que está desactivada pertence à empresa Plácido José Simões S.A.

O CDOS admite que o desabamento possa ter provocado quatro ou cinco vítimas mortais. As operações de resgate ainda não começaram porque continua a verificar-se movimento de terras.

Foram chamados ao local bombeiros, GNR, Protecção Civil, EDP e Infra-estruturas de Portugal (IP). As operações estão a mobilizar 13 veículos, 37 operacionais e um helicóptero.

Fonte do INEM adiantou ao PÚBLICO que o aluimento da estrada provocou a queda de dois veículos, um ligeiro e uma carrinha de caixa aberta, para uma zona dentro da pedreira que tem 50 metros de profundidade.

A terra e a água da pedreira, adiantou a mesma fonte, arrastaram uma retroescavadora, onde estavam duas pessoas: o maquinista e um auxiliar. As autoridades conseguem visualizar a retroescavadores e uma das vítimas, mas por dificuldades no acesso não conseguem chegar ao local para determinar a situação clínica da pessoa.

A IP diz que foi ao local para apoiar as outras entidades. “Quando estes acidentes acontecem, colaboramos todos”, diz fonte oficial da IP ao PÚBLICO. O troço em que aconteceu o incidente foi da responsabilidade da Infra-estruturas de Portugal até 2005, altura em que foi municipalizada. “Já não integra a rede nacional e já não é a 255”, diz a fonte da IP.

Estrada já teria sido sinalizada

Em declarações ao PÚBLICO, Vera Calado, habitante de Borba, conta que a estrada já estava sinalizada. "Não consigo precisar há quanto tempo, mas já tinham saído notícias nos jornais locais de que aquela estrada iria ter a circulação restrita apenas aos trabalhadores das pedreiras devido a problemas de segurança", conta a habitante. 

"Já andava a evitar passar por esta zona justamente pela falta de condições de segurança, mas hoje acabei por fazê-lo", acrescenta Vera Calado, que seguia num carro quando se deu a queda do troço. "O carro à minha frente fez sinal e percebemos que a estrada tinha ruído e já não avançámos mais."

Numa notícia de 2014, a Rádio Campanário refere que estava a ser equacionado o encerramento da estrada. “A Direcção Regional da Economia tem acompanhado em questões de segurança as pedreiras devido à fracturação existente no anticlinal desta zona da estrada e por uma questão de segurança está equacionada essa hipótese”, de extinção, afirmou Luís Sotto Mayor, administrador da Marmetal. E acrescentava: "Há uma série de estudos que metem em perigo a estrada."

Habitantes contactados pelo PÚBLICO dizem que a estrada estava interdita ao trânsito pesado e que terá sido mesmo alvo de uma inspecção, pela Câmara de Borba.

Ilídio Gila, primo de um trabalhador da pedreira, confirma que “há anos se fala da insegurança da estrada” onde ocorreu a derrocada e que continuavam a circular por ela “muitas viaturas pesadas”, apesar dos alertas de que era uma estrada muito insegura. “Passava lá tudo”, acrescenta. Se a derrocada tivesse ocorrido depois das 17h, “haveria muito mais mortes” por ser um local onde circulava muita gente junto da estrada. com Carlos Dias