Camarinhas, as pérolas do Atlântico que dão sabor e saúde

As camarinheiras são como os animais: as fêmeas reproduzem-se e os machos polinizam, mas as camarinhas já quase só existem na memória dos mais velhos. Pelo prazer e sabor que proporcionam, mas também pelas suas qualidades saudáveis e nutritivas, há uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra apostada em recuperá-las.

Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
DR

Já poucos se recordam das pequenas bagas brancas que eram vendidas junto às praias da zona Centro e se comiam frescas, a par de tremoços ou pevides. O costume de fazer compota ou geleia esteve também muito enraizado em algumas zonas costeiras, onde eram usadas em sobremesas e refrescos — e há até registo de receitas culinárias. As camarinhas já quase só subsistem na memória dos mais velhos, há muito que deixaram de ser colhidas e estar à venda, mas há um grupo de investigadores da Universidade de Coimbra que as quer resgatar. Pelo sabor e para bem da nossa saúde.

A espécie selvagem está em vias de extinção e os estudos preliminares confirmam as propriedades antioxidantes que lhes eram atribuídas, mas a ideia é ir mais além e potenciar a camarinha como alimento saudável e nutritivo. “Estamos a iniciar pesquisas por outros compostos bioactivos que apresentem benefícios para a saúde e tudo aponta para que mantenham todas essas qualidades, mesmo que cozinhados ou processados”, revela Aida Moreira da Silva, a investigadora do Departamento de Química da Universidade de Coimbra responsável pelo projecto científico, que dirige na companhia da colega Maria João Barroca.

A busca de novos ingredientes alimentares de plantas marítimas dá mesmo o nome ao projecto, e como estão também ligadas à licenciatura em Gastronomia que é ministrada pelo Politécnico e Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra (a única no país), a ideia é desafiar também os alunos a desenvolverem novos produtos gastronómicos com base nas camarinhas.

PÚBLICO -
Foto
Adriano Miranda

A par da Unidade de Investigação em Química-Física Molecular da Universidade de Coimbra, o projecto envolve também a rede Requinte — que junta investigadores da Universidade do Porto e da Nova de Lisboa — e o Instituto Superior de Agronomia. A ideia é detectar e identificar nas camarinhas propriedades ou características benéficas para a saúde que se possam incorporar nos alimentos ou chegar a novos produtos alimentares que as incorporem.

“O projecto foi aprovado no final de Julho e começámos logo a meter mãos à obra. Estamos ainda a repetir testes, mas as primeiras experiências in vitro com extracto de folhas da camarinheira e células cancerígenas de um cancro do cólon, mostraram um efeito anti-proliferativo, ou seja, sustiveram o avanço do cancro”, revela a coordenadora do projecto. Aida Moreira da Silva aponta também para um potencial de aproveitamento clínico, eventualmente em fármacos, mas o foco do trabalho “é estudar infusões e outros usos culinários”.

Com gratas recordações das camarinhas nos Verões da infância nas praias de Mira e da Figueira da Foz, a docente foi confrontada há coisa de três anos com essas memórias numa viagem de trabalho à Finlândia, onde colegas da universidade local apresentaram uma baga idêntica, mas de cor roxa. Eram de uma outra variedade e a invocação do valor nutritivo fê-la pensar em estudar as que por cá ainda resistem. Avançou com o projecto e candidatura à FCT – Fundação para a Ciência e Tecnologia, que o aprovou este ano.

A camarinheira é uma espécie selvagem que cresce nos sistemas dunares e só existe na costa atlântica da Península Ibérica. Ou seja, apenas em Portugal e na Galiza. Caracteriza-se pela cor branca das pequenas bagas de forma perfeita — a lembrar pérolas — que se apresentam maduras em finais de Agosto e Setembro. É a Corema album, diferente da Corema conradi — a que viu na Finlândia —, que é de cor roxa e existe no leste dos EUA.

O arbusto, que tem parecenças com o alecrim, tem também uma fragrância muito particular que o identifica, fazendo lembrar o mel. “Vamos também iniciar agora os estudos e análises sobre os compostos voláteis”, diz Aida Moreira da Silva a este respeito. 

Em vias de extinção

Além do aspecto, as bagas têm um sabor adocicado que as torna particularmente saborosas em combinação com a polpa resistente e a componente ácida que também revela quando rebenta na boca. Fazem lembrar as uvas de bago pequeno e polpa mais dura, e pela combinação de sumo, açúcares e acidez reúnem as características de equilíbrio mais procuradas para fazer um bom vinho.

Pelo sabor atractivo e valor nutritivo, tem havido já notícias de estudos e esforços no sentido de promover o cultivo intensivo da camarinheira. A questão é que não é ainda conhecida a sua estrutura genética e desconhece-se se isso será possível fora do seu habitat natural — e por enquanto exclusivo — dos cordões dunares da costa atlântica da Península.

PÚBLICO -
Foto
Adriano Miranda

Outra das características muito particulares é a de que este arbusto apresenta sexos separados e só as fêmeas é que têm capacidade para produzir as bagas. Aos machos está reservada a função polinizadora. A produção pequena, de poucos bagos por haste, é outro dos obstáculos que ainda se apresentam com vista ao seu cultivo como fruto silvestre.

E, mesmo não fazendo parte dos objectivos do estudo, a equipa da Universidade de Coimbra está a experimentar também a sua plantação em terrenos afastados do Atlântico. “Plantaram-se alguns na zona nascente de Coimbra, num terreno elevado, e para já o que observamos é que a planta resiste, embora com menos vigor e ainda sem dar fruto”, expõe a coordenadora do projecto.

As bagas com que os investigadores têm estado a trabalhar, e que guardam como verdadeira pérolas nas câmaras frigoríficas da unidade de investigação, foram colhidas este Verão na zona da praia de Mira. É que, além de a planta estar em vias de extinção, uma das zonas de maior implantação é o litoral de Leiria, que foi fortemente afectado pelos incêndios no ano passado.

“O que se nota é que as plantas estão a renascer em força e primeiro que a restante vegetação, o que mostra ser uma planta de grande vigor”, explica a coordenadora, adiantando que para a prossecução dos estudos lhes foi disponibilizada uma área bastante povoada. Um campo de estudo com cerca de dois hectares na zona da praia dos Palheiros, na Tocha, que o proprietário pôs à disposição da equipa.

Financiado pela Fundação Ciência e Tecnologia como Projecto de Investigação Científica e Desenvolvimento Tecnológico, o estudo das camarinhas tem como objectivo explorar as suas qualidades nutritivas para o desenvolvimento de novos ingredientes alimentares funcionais. No âmbito da procura de novos ingredientes alimentares de plantas marítimas, a mesma equipa realizou já estudos idênticos com a salicórnia, que conduziram à produção de pão e bolachas que dispensam a utilização do sal.