Enfermeiros avisam que não vão desistir de lutar pelas suas exigências

A manifestação desta sexta-feira foi o culminar de seis dias, não consecutivos, de uma greve dos enfermeiros.

Fotogaleria
RODRIGO ANTUNES/LUSA
Fotogaleria
RODRIGO ANTUNES/LUSA
Fotogaleria
RODRIGO ANTUNES/LUSA
Fotogaleria
RODRIGO ANTUNES/LUSA

Os sindicatos dos enfermeiros avisaram nesta sexta-feira o Governo que "não vão arredar pé" nem desistir de lutar pelas reivindicações para a valorização da enfermagem, no final de uma manifestação em Lisboa, que dizem ter juntado 7500 pessoas.

No discurso final da manifestação, que começou no Campo Pequeno e terminou junto ao Ministério da Saúde, José Carlos Martins, presidente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), avisou que os enfermeiros não vão deixar as formas de luta até conseguirem uma revisão das suas carreiras e anunciou que a nova ministra da Saúde agendou uma reunião negocial para dia 31 de Outubro.

A manifestação desta sexta-feira foi o culminar de seis dias, não consecutivos, de uma greve dos enfermeiros.

Após a manifestação, os representantes dos sindicatos entregaram no Ministério da Saúde uma moção em que consideram inadmissível que o Governo não resolva o descongelamento das progressões, a carência de enfermeiros e o pagamento do suplemento remuneratório dos especialistas.

Os sindicatos exigem uma carreira de enfermagem e uma "justa e correcta contagem dos pontos para o efeito do descongelamento das progressões" a todos os enfermeiros, além da admissão de mais profissionais para o Serviço Nacional de Saúde.

Da parte dos partidos, PCP e Bloco de Esquerda quiseram associar-se ao protesto dos enfermeiros, vincando que as reivindicações dos profissionais são justas.

Pelo PCP, o eurodeputado João Ferreira considerou como "justas e pertinentes" as exigências, sublinhando que "há muito que é necessária uma valorização" destes profissionais.

"Pese embora os passos positivos que foram dados nos últimos anos, há muito que ainda está por fazer e há um processo de degradação do SNS que não foi ainda invertido. Isso exige outra postura e outra resposta da parte do Governo", comentou João Ferreira, que esteve presente na manifestação, bem como a deputada do PCP Carla Cruz, que no parlamento acompanha de perto os temas da saúde.

Também o Bloco de Esquerda sublinhou que as reivindicações dos enfermeiros são "pertinentes e justas" e que deveriam "merecer o apoio de toda a população".

Moisés Ferreira, deputado bloquista, entende que uma remodelação governamental não pode "servir de desculpa" para suspender ou adiar processos de negociação que deviam estar em curso.

"A nova ministra da Saúde deve apresentar o mais rapidamente possível uma proposta verosímil aos profissionais de enfermagem para negociar a nova carreira", apelou Moisés Ferreira.

O Bloco alerta ainda que muitos hospitais do país não estão a contabilizar todos os anos de serviço para a progressão de carreira dos enfermeiros, indicando que o Ministério da Saúde deve intervir para corrigir esta situação.

A manifestação contou ainda com o apoio da bastonária da Ordem dos Enfermeiros. Ana Rita Cavaco frisa que os profissionais reclamam uma carreira, um "vencimento base digno, uma reforma com uma idade digna e uma valorização profissional".

"A Ordem está sempre ao lado dos enfermeiros e não faria sentido não estarmos aqui hoje", disse.

Sobre a nova ministra da Saúde, a bastonária disse ter uma "boa expectativa", considerando que Marta Temido conhece as negociações e as reivindicações dos enfermeiros: "Penso que tem condições para fazer um bom trabalho assim lhe sejam dados meios para fazer".

Marta Temido tomou posse na segunda-feira como ministra da Saúde, substituindo Adalberto Campos Fernandes, e já no meio da greve de seis dias (não consecutivos) dos enfermeiros.

Sugerir correcção