DR
Foto
DR

Melhor tese de doutoramento em óptica e fotónica atribuída a ex-aluna da U.Porto

Ana Rita Ribeiro, antiga estudante da FCUP, desenvolveu uma ferramenta, baseada em fibras ópticas, que possibilita "retirar células e analisá-las".

A melhor tese de doutoramento na área da óptica e da fotónica do ano de 2017 em Portugal foi atribuída a uma antiga estudante da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto que desenvolveu "uma ferramenta que abre novas portas na investigação".

Em declarações à Lusa, Ana Rita Ribeiro, antiga aluna da Universidade do Porto e antiga investigadora do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), contou que a ferramenta que desenvolveu, baseada em fibras ópticas, possibilita "retirar células e analisá-las, abrindo portas para a investigação de novas doenças, ou até de doenças que já se conhecem mas que não estão aprofundadas".

A tese, que tem como título Optical fiber tools for single cell trapping and manipulation, teve como principal objectivo criar um dispositivo que substituísse o microscópio e onde fosse possível imobilizar as células tempo suficiente para conseguir identificar as suas características.

"Normalmente este método é feito com recurso a um microscópio, mas estes dispositivos são, por si só, caros e muito grandes. Precisávamos de um dispositivo pequeno que permitisse imobilizar a célula e medir as suas características", salientou Ana Rita Ribeiro. Segundo a investigadora, foi através da fibra óptica e do recurso a diferentes tipos de lentes que conseguiu "focar luz na célula e assim mobilizá-la e manipulá-la".

"Ao utilizarmos a fibra óptica com uma lente especial na ponta, conseguimos que a luz passe, através da fibra e da lente, incidindo sobre a célula e permitindo-nos movimentá-la. Basicamente, as fibras ópticas estão a substituir o microscópio na parte da captação, da imobilização e da manipulação das células", explicou.

"Reconhecimento do trabalho de quatro anos"

Para Ana Rita Ribeiro, que actualmente trabalha numa startup na área da biotecnologia em Paris, a 4Dcell, esta distinção, para além de ser o "reconhecimento do esforço e trabalho de quatro anos", é também sinónimo de "continuidade". "Saber que o que desenvolvi é importante para a comunidade científica deixa-me muito grata. Alem disso, é também gratificante saber que há pessoas, todos os dias, no laboratório a dar continuidade ao trabalho que fiz", acrescentou.

No laboratório do INESC TEC, segundo a investigadora, duas colegas estão a melhorar a ferramenta, a optimizá-la e a aplicá-la na diferenciação de células tumorais e células normais que circulam na corrente sanguínea, o que pode contribuir para o diagnóstico de doenças como o cancro, mas também doenças neurodegenerativas.

A distinção, promovida pela Sociedade Portuguesa para a Investigação em Óptica e Fotónica (SPOF) vai ser entregue durante a conferência AOP 2019 - IV Internacional Conference on Applications in Optics and Photonics, que decorre em Lisboa, entre os dias 31 de Maio e 4 de Junho.