Incêndios florestais

Eurodeputado do PSD acusa Governo de violar regras do Fundo de Solidariedade da UE

José Manuel Fernandes enviou perguntas para a Comissão Europeia a questionar distribuição de verbas do fundo, do qual cerca de metade dos 50,6 milhões de euros vai para instituições do Estado.
Foto
Paulo Pimenta

José Manuel Fernandes, eurodeputado do PSD, considera que o regulamento do Fundo de Solidariedade da União Europeia “está a ser violado” pelo facto de o Governo tencionar aplicar 26,5 milhões de euros, dos 50,6 recebidos deste fundo, em entidades do próprio Estado.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

O eurodeputado considera mesmo esta decisão do Governo “imoral e injusta” e defende “que as despesas elegíveis são unicamente para fazer face aos danos decorrentes de catástrofes naturais”.

Neste sentido, José Manuel Fernandes enviou nesta terça-feira duas questões para a Comissão Europeia (CE). Quer saber se a CE considera que o regulamento do Fundo de Solidariedade e o “seu espírito está a ser respeitado” e que medidas vai tomar a CE se chegar à conclusão que o regulamento não está a ser respeitado.

O eurodeputado lembra que o Parlamento Europeu “insta os Estados-membros a utilizarem a contribuição financeira do Fundo de Solidariedade de forma transparente, assegurando uma distribuição equitativa por todas as regiões afectadas. Recorde-se, que só vão receber parte desta verba os concelhos afectados pelos incêndios de Outubro.

“Esta atitude do Governo é vergonhosa, egoísta e mostra desprezo pelas pessoas atingidas pelos incêndios. O Governo, em vez de repartir o montante pelo território, reserva mais de metade para si próprio. Moralmente é inaceitável”, afirma o eurodeputado social-democrata.

Através do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, o executivo já veio afirmar que “o fundo é destinado quer à recuperação de zonas atingidas pelos incêndios do ano passado, quer também àquilo que é um grande objectivo nacional: garantir que estamos melhor preparados". Assegurou ainda que a totalidade dos 50,6 milhões do fundo vai ser usada para colmatar os prejuízos dos incêndios.

Tal como o PÚBLICO noticiou nesta terça-feira, cerca de metade da verba dada a Portugal pela UE vai para instituições como GNR, o ICNF, o Exército, a Marinha, a Autoridade Nacional de Protecção Civil, o Fundo Florestal Permanente e a Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna.

Também muitos dos concelhos afectados pelos incêndios do ano passado ficaram de fora deste apoio a 100% para os prejuízos.