Em São Lourenço do Barrocal, “está tudo diferente, está tudo igual”

No dia em que Souto de Moura recebeu o Leão de Ouro na Bienal de Veneza, celebrou-se na herdade de São Lourenço do Barrocal.

Casa, propriedade, arquitetura
Fotogaleria
Nelson Garrido
Casa, janela, arquitetura
Fotogaleria
Nelson Garrido
São Lourenço do Barrocal, Arquitetura, Hotel
Fotogaleria
Nelson Garrido
São Lourenço do Barrocal, Alentejo, Hotel
Fotogaleria
Nelson Garrido
São Lourenço do Barrocal, Hotel
Fotogaleria
Nelson Garrido
São Lourenço do Barrocal, Alentejo - NUTSII, Barragem do Alqueva, Hotel
Fotogaleria
São Lourenço do Barrocal, Alentejo, Algarve, Hotel
Fotogaleria
Nelson Garrido
São Lourenço do Barrocal, São Lourenço
Fotogaleria
Nelson Garrido
São Lourenço do Barrocal
Fotogaleria
Nelson Garrido
São Lourenço do Barrocal, Hotel
Fotogaleria
Nelson Garrido
Museu de arte, exposição de arte
Fotogaleria
Nelson Garrido
São Lourenço do Barrocal, Alentejo - NUTSII
Fotogaleria
Nelson Garrido
,
Fotogaleria
Nelson Garrido

Sábado, no complexo turístico de São Lourenço do Barrocal, nos arredores de Monsaraz, foi dia de celebração. Foi com surpresa e pela leitura dos jornais que José António Sousa Uva soube que o Leão de Ouro da Bienal de Arquitectura de Veneza tinha sido nessa manhã atribuído a Eduardo Souto de Moura pelo projecto de recuperação do grande monte alentejano que está na sua família há muitas décadas e pela sua transformação num hotel de 5 estrelas.

O arquitecto português optou por mostrar na bienal italiana apenas duas grandes fotografias aéreas, tiradas antes e depois da intervenção, e os visitantes encontram-nas no espaço expositivo do Arsenal, enquadradas pela luz natural de uma das janelas. O júri que atribuiu o prémio referiu que ficaram impressionados com “a simplicidade da apresentação e com a elegância da representação”, tal como contava o PÚBLICO.

PÚBLICO -
Foto
O projecto premiado de Souto de Moura em Veneza Francesco Galli/cortesia da Bienal de Veneza

Além de estar ansioso por dar os parabéns a Eduardo Souto de Moura, José António Sousa Uva só lhe pode agradecer por ele ter seleccionado o Barrocal para levar à bienal. Quando leu a reportagem da jornalista do PÚBLICO em Veneza, o empreendedor alentejano achou muito interessante que se falasse de um gesto de uma “simplicidade radical”, pois considera que o conceito está muito presente nos 16 anos de trabalho que já leva no Barrocal.

Desde o momento que regressou do estrangeiro aos 26 anos, onde se formou em Gestão na Escola de Comércio de Paris, a ESCP, até ao momento em que abriram ao público em 2016 e ele tinha 40 anos, passaram-se 14 anos, oito dos quais a trabalhar com o arquitecto Souto de Moura e com a equipa dele. “Foi um processo de valorização da arquitectura popular e dessa sensibilidade referida no texto do PÚBLICO que está muito assente no princípio da auto-suficiência”, explica José António Uva durante uma conversa telefónica.

“Todo o processo de reabilitação do Barrocal foi bastante complexo”, conta. “Essa complexidade teve que ver também com a necessidade de se encontrar os materiais que deram origem à construção dos edifícios em 1820 e que são exactamente os mesmos materiais que se usaram na reabilitação: o tijolo-burro, a cal, a pedra. E é surpreendente que num evento como a Bienal de Veneza, onde a contemporaneidade é muitas vezes futurista, se veja a valorização e quase que uma homenagem aos ofícios e à auto-suficiência do campo.”

PÚBLICO -
Foto
Nelson Garrido

Na primeira visita que Eduardo Souto de Moura fez ao Barrocal, conta José António Uva, o arquitecto disse-lhe uma frase que considerou muito bonita e que considera ser o reflexo dos oito anos que trabalharam em conjunto. “Se eu começar a redesenhar estes edifícios, nunca mais acabo e vou acabar por descaracterizá-los. Os edifícios são estes, os materiais são estes e é com isto que vamos adequar.”

Num dos vídeos que estão disponíveis na página oficial de São Lourenço do Barrocal, Souto de Moura lembra um professor que teve e de quem gostava muito, o arquitecto Fernando Távora, que lhe dizia que, quando as coisas são muito complicadas, há que as pôr simples, para se resolverem os problemas pela simplicidade: “Se é de mais, isto estraga-se, se é de menos, não resiste.”

Foi esse o trabalho que o arquitecto, os engenheiros e todas as equipas que estiveram envolvidas no projecto tentaram fazer. “Os volumes são exactamente os mesmos, as volumetrias não foram alteradas. A simplicidade é tal que é muito difícil perceber quais são os vãos que foram abertos e aqueles que lá estavam, quais são os alçados originais e aqueles que tiveram de ser reabilitados. Isso é que foi fascinante nesta obra toda”, diz o empreendedor.

 “Tudo aconteceu num momento muito particular. Este é um projecto muito especial para mim, seguramente, dediquei a minha vida recente a ele, mas também para a equipa de Eduardo Souto de Moura, mesmo para o empreiteiro, para os arquitectos paisagistas e os engenheiros. Era um momento muito particular da economia portuguesa, estávamos a atravessar uma crise, mas não foi por isso que deixámos de acreditar no trabalho e na forma.”

PÚBLICO -
Foto
Nelson Garrido

Hoje, diz José António, são essencialmente uma empresa agrícola e uma empresa turística e nas duas actividades existem mais de 100 pessoas a trabalhar actualmente na herdade com 780 hectares. “Numa herdade que estava, literalmente, ao abandono”, acrescenta. Tal como no passado regem-se pelo princípio da auto-suficiência. Têm um modelo agrícola completamente diferente do de outros tempos, estão ligados ao turismo e à cultura de serviço, “que é uma coisa bastante recente no Alentejo”, afirma Sousa Uva. Têm a horta, fazem vinho, azeite, cultivam legumes, fruta, cereais e fazem o pão. “Sendo tempos diferentes, há uma certa continuidade. É engraçado que o que aconteceu quanto à arquitectura também acontece relativamente à vivência: estando tudo diferente, está tudo igual.”