Galeria portuguesa Nuno Centeno premiada como melhor espaço da feira Frieze New York

Evento termina este domingo em Nova Iorque. Espaço mostra obras de Adriano Amaral, Adriano Costa, Ana Cardoso, Dan Rees e Gabriel Lima.

Fotogaleria
Cortesia Galeria Nuno Centeno
Fotogaleria
Cortesia Galeria Nuno Centeno
Fotogaleria
Cortesia Galeria Nuno Centeno
Fotogaleria
Cortesia Galeria Nuno Centeno
Fotogaleria
Cortesia Galeria Nuno Centeno
Fotogaleria
Cortesia Galeria Nuno Centeno

A galeria portuguesa Nuno Centeno recebeu o prémio de melhor stand desta edição da Frieze New York, uma das mais importantes feiras de arte contemporânea do mundo, informou a galeria portuense. O seu espaço foi premiado ex-aequo com o stand da galeria indiana Jhaveri Contemporary. Com obras de Adriano Amaral, Adriano Costa, Ana Cardoso, Dan Rees e Gabriel Lima, a Nuno Centeno encontra-se até este domingo em Nova Iorque.

O prémio representa um valor pecuniário de 7500 euros, escreve o jornal especializado The Art Newspaper, e é atribuído anualmente pela Frieze, uma empresa de média e eventos que além da revista britânica homónima organiza feiras de arte contemporânea desde 2003 em Londres, expandindo-se para Nova Iorque em 2012 e preparando-se para realizar também a Frieze Los Angeles em 2019.

Com o espaço D32 em Randall's Island Park, a galeria Nuno Centeno está desde quinta-feira e até este domingo em Nova Iorque na secção Focus – uma das quatro secções curatoriais da feira e que é dedicada às “jovens galerias”, ou espaços com menos de 12 anos de existência. Segundo o site da Frieze New York, é a única galeria portuguesa representada nesta edição, agora distinguida com o prémio atribuído por um júri de peritos de vários museus e que inclui a ex-directora do Museu de Serralves Suzanne Cotter, agora directora do MUDAM Luxembourg — Musée d’Art Moderne Grand-Duc Jean.

Segundo o Art Newspaper, o júri considerou a disposição das obras presentes “arrojada” e de uma “frescura equilibrada”, produzindo um “diálogo interessante” entre os diferentes artistas. Ao jornal, Centeno disse-se orgulhoso: “Estar em feiras de arte é um grande esforço e despesa para galerias da minha geração”.

O prémio representa um valor pecuniário de 7500 euros, escreve o jornal especializado The Art Newspaper, e é atribuído anualmente pela Frieze, uma empresa de media e eventos que além da revista britânica homónima organiza feiras de arte contemporânea desde 2003 em Londres, expandindo-se para Nova Iorque em 2012 e preparando-se para realizar também a Frieze Los Angeles em 2019.

A Galeria Nuno Centeno sucede à Reflexus/Nuno Centeno (2007-2011) e em 2014 Bruno Múrias (ex-Filomena Soares, uma das mais importantes galerias portuguesas) juntou-se à galeria tendo-se rebaptizado como Galeria Múrias Centeno. Os caminhos separaram-se no final de 2017 e em Janeiro de 2018 o espaço voltou à designação Galeria Nuno Centeno.