Celtejo obrigada a um corte de 52% na carga poluente para o Tejo

Agência Portuguesa de Ambiente fala num novo paradigma.

Até agora, a Celtejo estava obrigada a um corte de 30%
Foto
Até agora, a Celtejo estava obrigada a um corte de 30% Sebastião Almeida

A fábrica de papel Celtejo, de Vila Velha de Ródão, vai ser obrigada a reduzir em 52% a carga poluente que despeja no rio Tejo, segundo a Agência Portuguesa do Ambiente (APA). Num comunicado com data de sexta-feira, a APA revela que outras duas empresas também vão ter reduções na carga, mas não divulga quais nem a proporção da redução.

“Estas licenças de utilização dos recursos hídricos seguem um novo paradigma, que considera a necessidade dos operadores se adaptarem às consequências das alterações climáticas, em particular aos fenómenos de seca e ao seu impacto na qualidade das massas de água”, diz a APA.

A agência revela também que em todas estas licenças determina-se uma redução da carga poluente em relação às anteriores e a criação de um período excepcional, decretado pela APA “sempre que as condições meteorológicas ou as condições qualitativas e quantitativas do meio receptor – o rio Tejo – o exigirem”.

“No caso da Celtejo, responsável por 96% do efluente rejeitado, a licença determina uma redução de 52% da carga poluente e estabelece dois períodos: húmido (de 1 de Novembro a 30 de Abril) e estiagem (de 1 de Maio a 31 de Outubro). As condições estabelecidas para o período de estiagem são mais restritivas, obrigando a uma redução da carga poluente”, acrescenta.

Se declarado o período excepcional, e durante a sua vigência, a APA poderá impor uma redução ainda maior. Complementarmente, as novas licenças “determinam às três empresas novas e mais exigentes obrigações de monitorização e de reporte do estado do efluente e, à Celtejo, também do meio hídrico receptor”.

Para a emissão destas licenças foram tidos em conta os resultados do estudo realizado pela Universidade Nova de Lisboa, que permitiram determinar a capacidade real de carga do rio Tejo.

As empresas têm agora um prazo de dez dias para se pronunciarem sobre os termos das novas licenças.

A Celtejo está obrigada a reduzir as emissões poluentes desde final de Janeiro, quando foram detectados fenómenos de poluição no rio Tejo, junto à queda de água do açude insuflável de Abrantes, no distrito de Santarém. Um manto de espuma branca, com cerca de meio metro, cobriu o rio Tejo nesta zona a 24 de Janeiro, levando à recolha de amostras que detectaram a presença de elementos de celulose elevados.

Até agora, a Celtejo estava obrigada a um corte de 30%,percentagem que foi reduzida depois de o Ministério do Ambiente ter verificado melhorias nas condições de laboração na ETAR da empresa.

Um mês depois da espuma branca ter invadido o rio Tejo, o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, explicou que a operação de limpeza dos sedimentos precisaria de mais um mês para reunir todos os meios necessários e teria um custo entre 1 milhão e 1,2 milhões de euros.

A remoção dos 30 mil metros cúbicos de sedimentos no rio Tejo é um processo que "obriga a cuidados ambientais e demorará cerca de um mês" a ser possível reunir todos os equipamentos necessários, que não existiam nas entidades públicas, disse o ministro.

O Governo tomou entretanto posse administrativa de terreno em área protegida para depositar as lamas do Tejo, pagando uma indemnização de mais de 37 mil euros à proprietária do terreno, que contestou a sua ocupação. 

2018: Um começo de ano negro para o Tejo

24 de Janeiro
Uma das maiores manchas poluidoras dos últimos anos, de acordo com ambientalistas, foi detectada no rio Tejo na zona de Abrantes

21 de Fevereiro
Ministério do Ambiente informa que a operação de limpeza dos sedimentos no Tejo terá um custo entre 1 milhão e 1,2 milhões de euros e durará, pelo menos, um mês

5 de Março
Após verificar melhorias no funcionamento da ETAR, o Governo reduziu de 50 para 30% a limitação nos efluentes rejeitados pela Celtejo para o rio

29 de Março
A Celtejo recorreu de dois processos: num deles tinha sido aplicada uma coima de 12.500 euros, que foi reduzida a 6000 euros e que acabou substituída por uma admoestação