Música

O Tremor em crescendo até ao êxtase no sábado

O festival Tremor teve início esta terça-feira, indo de surpresa em surpresa, até ao desenlace final no sábado, com uma rede de concertos em Ponta Delgada, com Boogarins, Liima, Baby Dee ou Dead Combo.
Foto
Os brasileiros Boogarins que tocarão no sábado enric vives-rubio

Concertos no meio da floresta, em campos de futebol, em piscinas de água quente, em estufas de ananases, em quartos de hotel ou em pistas de aviões: estes são alguns dos locais por onde já passou, ao longo das suas primeiras quatro edições, o festival Tremor, uma produção a cargo do performer e produtor António Pedro Lopes, da publicação Yuzin e da editora e promotora Lovers & Lollypops. Mas nesta quinta edição que teve início nesta terça-feira a fasquia está a ser colocada mais alto, projectando-se um evento de 14 horas reservado apenas a 40 pessoas, que se mantém misterioso.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

As experiências e os locais exóticos, com viagens diárias de autocarro até um local mantido em segredo para se assistir a um concerto-surpresa, já fazem parte da identidade de um festival que se tornou indissociável da descoberta da ilha de São Miguel e também da renovação da zona histórica da cidade de Ponta Delgada. Em parte, esse efeito deveu-se à propagação dos voos de baixo custo e à consequente maior oferta turística. Mas de alguma forma, o Tremor (e antes dele, o festival Walk&Talk) antecipou e manteve-se no centro desse renovado olhar sobre uma ilha que parecia perdida, não só no meio do oceano como no tempo.

Uma nova geração percebeu que a condição periférica da ilha, em vez de constituir um obstáculo, devia ser encarada como mais-valia, e aí está o resultado. Uma raridade. Um festival de escala humana, capaz de criar as condições para que os que estão e os que vêem se maravilhem mutuamente pelas descobertas que se podem desenvolver em conjunto.

Foto
Dos Estados Unidos eis Mykki Blanco que tem estado em residência artística em São Miguel

Mais uma vez, e até sexta-feira, é o território da ilha que está em evidência, num convite à sua descoberta, com concertos em lugares-mistério. No capítulo dos espaços mais convencionais, este ano a Ribeira Grande torna-se mais presente, com espectáculos no Centro de Artes Arquipélago e no Teatro Ribeiragrandense. Depois, no sábado, até às primeiras horas de domingo, é em Ponta Delgada que tudo sucede. Quarenta e um concertos, nove residências artísticas, exposições (com destaque para a inauguração, esta quinta-feira, de O Narcisismo das Pequenas Diferenças, de Pauliana Valente Pimentel), filmes, conversas e uma mão-cheia de experiências com a ilha a dialogar com a cultura é o que está prometido. 

O festival começou esta terça-feira, com a estreia do vídeo musicado Levantados do Chão, do fotógrafo e realizador Daniel Blaufuks com a Banda Lira Sete Cidades, ou com o concerto dos Três Tristes Tigres. O hip-hop exploratório do americano Mykki Blanco, o som festivo e hipnótico da The Mauskovic Dance Band, as desconstruções electrónicas da portuguesa BLEID ou o espectáculo multidimensional da produtora e compositora Aïsha Dev com Emile Barret, em que música e imagem se encontram, são apenas alguns dos destaques, antes da orgia de espectáculos no sábado.

Nesse dia a cidade vai tremer com uma rede de concertos que se espalham por ruas, cafés e diversas salas, num cardápio extenso e de escolhas difíceis, entre o psicadelismo dos brasileiros Boogarins, os sons errantes do tuaregue Mdou Moctar, a pop electrónica dos dinamarqueses Liima, o punk segundo os portugueses The Parkinsons, a electrónica soturna dos Ermo, a teatralidade de Baby Dee, ou a dupla Dead Combo, que provavelmente revelará temas do seu novo álbum a editar em breve.

Alguns podem olhar para o Tremor como um festival exclusivo, mas não. A relação com a comunidade, o rasto e o impacto que deixa na mesma, é uma atenção primordial. Daí as residências artísticas e uma atenção também aos mais novos ou à família. No sábado, por exemplo, há duas propostas colaborativas: Acalanto, que aposta na criação de um espaço de redescoberta das memórias colectivas, e Impromptu, uma performance improvisada que transforma a audiência numa orquestra. Em São Miguel, por estes dias, o que parece impossível acontece mesmo. Preparem-se.