Este fotógrafo vê Marrocos de uma forma minimal

Nuno Serrão percorreu 2200 quilómetros em oito dias. "O seu interior e o seu povo são uma ode à resiliência e ao minimalismo".

Fotogaleria
Nuno Serrão
Fotogaleria
Nuno Serrão
Fotogaleria
Nuno Serrão
Fotogaleria
Nuno Serrão
Fotogaleria
Nuno Serrão
Fotogaleria
Nuno Serrão
Fotogaleria
Nuno Serrão
Fotogaleria
Nuno Serrão
Fotogaleria
Nuno Serrão
Fotogaleria
Nuno Serrão
Fotogaleria
Nuno Serrão
Fotogaleria
Nuno Serrão
Fotogaleria
Nuno Serrão
Fotogaleria
Nuno Serrão

As rectas e a linha do horizonte, o leito dos rios que serpenteia entre os vales e a ausência de ruído. Este é o Marrocos das fotografias de Nuno Serrão, director criativo, fotógrafo e realizador na agência de marketing Urbanistas. "Para alguém que se sinta mais confortável com o minimalismo e o isolamento, seja como conceito estético ou estilo de vida, encontrará um destino especial no interior deste país", descreveu à Fugas este explorador visual que percorreu 2200 quilómetros num Citroën Cactus em oito dias.

"Não me chamaria um viajante. A viagem acaba por ser um veículo para preencher o que despertou a curiosidade. Mas gosto imenso de conduzir, o que ajuda, poucas coisas me trazem tanta paz como conduzir numa estrada desconhecida sem fim à vista", conta Nuno Serrão, equipado com uma Canon 5DMkIII (e com as objectivas 16-35 e 70-200).

"Marrocos", repete, "é um país lindíssimo". "O seu interior e o seu povo são uma ode à resiliência e ao minimalismo", descreve Nuno, que já tinha perseguido Perseidas. A série de fotografias que nos apresenta foge naturalmente à tradicional explosão de cores e à paleta de cheiros dos ambientes citadinos, confunde-se com a "viagem fora-de-estrada", com o deserto que encontrou pela frente e com esse silêncio contagiante.

PÚBLICO -
Foto
Nuno Serrão

A melhor noite que passou em Marrocos foi a primeira — depois de várias horas de estrada, de atravessar a Cordilheira do Atlas e de se ver "completamente rodeado de montanhas" (cenas desses e de outros capítulos na sua conta de Instagram). "Ali o horizonte começa a ficar mais distante e apercebemo-nos que estamos a entrar num cenário diferente. O objectivo parecia mais perto: fugir da confusão e passar a noite em Ait-Ben-Haddou, património da UNESCO. A recompensa de chegar às 23h após atravessar montanhas, vales e o leito de um rio, foi ver o ksar, a cidade fortificada, iluminada pela lua. Dormir na casa de locais, dentro do ksar, foi indiscritível: a arquitectura, a história, a ausência de electricidade, a iluminação das velas e, acima de tudo, a ausência de ruído, nem o mais pequeno zumbido eléctrico."

PÚBLICO -
Foto
Nuno Serrão

Entre "estradas sinuosas" e "bloqueios policiais", Nuno Serrão visitou os estúdios de cinema CLA em Ouarzazate, o Vale de Dades e a aldeia berbere de Merzouga. "Após dois dias e duas noites no Sara, posso dizer que, apesar de toda a beleza, a impressão mais forte que fica é de um sentimento de admiração pelos berberes que tivemos oportunidade de conhecer. Em Marrocos, a dicotomia entre civilizações berberes e árabes não é tão visível à superfície como noutros casos, mas está lá. Nunca encontrámos um berbere que não fosse simpático e prestável."

PÚBLICO -
Foto
Nuno Serrão

Com o Sara pelas costas, Nuno seguiu em direcção a Errachidia ("Tem pouco para contar: é uma cidade grande, industrial e militarizada; quanto mais perto da Argélia, maior a frequência de colunas militares") e ao que resta de "um lago que reflecte um grande problema em Marrocos, a seca". E explorou o interior, "sempre com estradas que rasgam a paisagem imaculada" antes de se aproximar do Norte e "inevitavelmente das cidades maiores e mais confusas". "Estivemos uma noite em Marraquexe. Saímos para explorar a cidade a pé e sem planear. Em poucas horas, tínhamos visto tudo o que de mau se lê sobre o país: o caos, a sujidade e o crime."

PÚBLICO -
Foto
Nuno Serrão