“Se isto não mudar no Tejo, tudo vai morrer, tudo”

O Tejo está a morrer em Espanha, dizem activistas de defesa do rio, especialistas e autarcas. A seca é apenas mal menor. Os 600 mil milhões de litros de água transvasados para regar os campos agrícolas de Múrcia e a elevada contaminação são o mal maior. Se morre onde nasce, não chegará onde desagua.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

A construção, em 1958, da Barragem de Entrepeñas, na província espanhola de Cuenca a cerca de 100 quilómetros a sudoeste de Madrid, deu à pequena vila de Sacedón uma magnífica praia fluvial. Os cerca de três quilómetros de água mais afastados do paredão da barragem percorriam todo o lugarejo, com as águas limpas do rio Tejo a quase tocarem a primeira linha de casario e estendendo-se muito para lá dele. O lugar ganhou fama e gente, que ali começou a ir de férias ou passeio. Chamaram-lhe então “mar de Castela”.

Cresceu a vila, cresceram as casas de veraneio, abriram hotéis, quartos para alugar, restaurantes, negócios ligados aos desportos náuticos. Fotos dos finais dos anos de 1970 mostram a praia cheia de gente e autocarros de turismo nas estradas junto à água.

Mas, a partir daí, ano após ano, o volume de água começou a baixar e a afastar-se de Sacedón. Em 1995, num período de grande seca, já não havia qualquer praia no lugar. Restava uma linha de água que ligava a antiga zona balnear à albufeira da barragem. As chuvas de Inverno recuperam algum do volume do rio, mas nunca a praia.

Este ano, há cerca de quatro meses, desapareceu pela primeira vez toda a água da antiga zona balnear. Resta uma poça junto à albufeira, também ela em níveis mínimos. Resta igualmente, em jeito de monumento anedótico à tragédia, um ancoradouro onde se mantém um barco amarrado.

O resto são terras gretadas pelo calor, quase sem vida animal no solo, lixo, conchas secas dos moluscos que por ali existiram, num deserto que revela os antigos caminhos de terra antes da construção da barragem e que se estende por cerca de três quilómetros de comprimento e cerca e 1,5 de largura. Ao “mar de Castela” os locais chamam agora simplesmente “pântano”. E da sua margem desapareceram pessoas, especialmente jovens, fecharam hotéis, restaurantes, comércio, desportos náuticos e é proibido tomar banho e pescar onde ainda existe água na albufeira da Barragem de Entrepreñas – uma proibição que se estende a quase todos os locais onde em Espanha corre 68% da extensão total dos 81.477 metros quadrados do Tejo.

Transvase polémico

Como se chegou aqui? Os períodos de seca nas últimas décadas, nomeadamente as mais recentes, como a deste ano, pesaram para a diminuição significativa do caudal do rio – no século XX, segundo vários estudos espanhóis, a diminuição do caudal na zona cabeceira do rio foi de 47%. Mas a seca é, para as populações locais, uma gota de água na tragédia. O principal problema chama-se Tejo-Segura, um sofisticado projecto de engenharia hidráulica de barragens, estações elevatórias de água, tubagens e canais que começou a funcionar em 1981 (ver texto nestas páginas), desviando a água do Tejo desde as províncias de Cuenca e Guadalajara, na região Autonómica de Castela-La Mancha, até uma das barragens do rio Segura, na região de Múrcia, por um percurso de quase 300 quilómetros.

Esse transvase pode levar por ano até 600 hectómetros cúbicos (hm3) desde as barragens do médio Tejo espanhol em direcção a uma das represas do rio Segura, mas já chegou a levar 1000 hm3 num passado recente. Os 600 hm3 são mais do que duas cidades de Lisboa consomem.

Quando o transvase está a funcionar na sua máxima força, suga 33 mil metros cúbicos de água por segundo que é ejectada com uma pressão tal que, por vezes, bate na turbina e é projectada de volta. A água do Tejo transformou Múrcia, onde antes do projecto a água escasseava, na chamada “horta de Espanha” e num dos maiores produtores agrícolas da União Europeia.

A revolta contra o Tejo-Segura é visível nas varandas das casas de várias cidades, grandes e pequenas, nos edifícios de algumas autarquias, nos autocolantes em viaturas e em graffiti nas paredes que onde se lêem frases como “Não nos roubem a água”, “A água é nossa” ou “Tejo-Segura nem uma gota mais”.

“A máfia da água”

J., um activista da associação Rio Tejo Vivo, marca encontro no Miradouro do Alto de San Julian, à entrada de Sacedón (com cerca de 1500 habitantes) e com vista privilegiada para o “pântano”. Aceita falar sobre a sua associação, se lhe garantirmos o anonimato. “A máfia da água persegue todos os que a denunciam. Tentam identificar-me a mim e aos meus colegas. Se descobrirem quem somos, vão chover processos em tribunal. Se estiveres empregado, vais perder o emprego. Já fizeram a vida negra a muita gente e vão continuar a fazer”, justifica o homem com pouco mais de 30 anos.

A Rio Tejo Vivo actua através de uma página no Facebook onde denunciam “transvases ilegais” e “descargas de todo o tipo de lixo no rio”. Na página há vídeos feitos na parte portuguesa do Tejo. A “máfia da água”, ou os “murcianos do transvase” são, segundo J., “os poderosos que lucram com a água que é do povo”, os que “estão a matar o rio para encherem os bolsos, os políticos corruptos”.

“Estão a matar o rio e eles sabem que o estão a fazer, mas enquanto houver água no Tejo vão sugá-la, transformá-la em euros e têm poder suficiente para mandar abaixo todos os que se atravessarem no caminho”, afirma.

PÚBLICO -
Aumentar

J. aponta para o “pântano”. “Aqui já houve um mar de água, mas a seca e, principalmente, roubo da água deixaram isto. Já tinha havido uma situação idêntica em 1995, mas depois choveu e com ela voltou alguma água, embora nunca como quando havia uma praia, muito longe disso. Agora foi toda.”

A guerra da água

A cidade de Aranjuez, com cerca de 65 mil habitantes e desde 2001 Património de Humanidade da UNESCO, é uma das mais afectadas pela falta de água e carro da frente pelo fim do Tejo-Segura.

Patrícia Moreno, a socialista que preside à camara da cidade, recebe-nos no seu gabinete com um sorriso largo e de braços abertos. “Bem-vindos, bem-vindos, é bom que Portugal saiba o que se está a passar.”

“O principal problema do Tejo na nossa região é só um: não há água”, afirma logo no início da conversa. Para a autarca, o transvase Tejo-Segura “está a matar definitivamente o rio” e “está a matar a paisagem [de Aranjuez] que é protegida pela UNESCO”.

“Sem rio não existe vida. Se não há rio, não há paisagem, não há bosque, não há animais. Não há nada e nós nada podemos proteger. Isto é o que está a fazer o transvase Tejo-Segura. Está a destruir tudo, a nossa essência, a nossa agricultura, o nosso desporto aquático, que aqui é o principal desporto, o nosso turismo, as nossas festas populares que festejam o rio, a nossa cultura e a nossa economia”, salienta.

“O transvase tem de parar já”, afirma, acrescentando que é necessário “um grande pacto pela água”, entre o Estado central e “os municípios afectados pelo transvase, que resolva o problema de maneira territorial e não política”. Garante mesmo que todos os municípios, independentemente da sua cor política, “estão unidos contra o roubo da água”.

Questionada sobre os efeitos que a paragem da transferência de água teria nas populações de Múrcia, Patrícia Moreno diz que há outras soluções para abastecer aquela região, como a dessalinização da água do mar, ou encontrá-la nos aquíferos subterrâneos de Múrcia onde diz estar “provado cientificamente que há muita água”.

“Acabem com as cada vez mais canalizações ilegais de água, em edifícios igualmente ilegais, acabem com os campos de golfe, com cultivo intensivo e cada vez mais extensivo no meio de um deserto. Num deserto não se pode cultivar, por isso não podem continuar a ampliar as zonas de cultivo. Façam isto e têm parte do problema resolvido”, diz, em jeito de recado, aos dirigentes políticos de Múrcia.

Diz saber que Múrcia é “a horta de Espanha” e garante que o seu município e todos os outros afectados pelo Tejo-Segura “sempre foram solidários com Múrcia”. “Quando se se começa a matar tudo, não podemos ficar calados. Aqui há zonas do Tejo que se podem atravessar a pé. Eu sempre digo, o Tejo nasce em Albarracín e desagua em Múrcia.”

Patricia Moreno diz “haver uma guerra da água em Espanha”, entre os municípios afectados pelo transvase e Múrcia. “Uma guerra onde há interesses económicos muito poderosos, com muito dinheiro. Há gente a ganhar muito dinheiro nesta guerra da água, a fazer negócio com ela. Já há casos de corrupção a serem julgados ligados ao negócio da água. Por trás deste transvase há muito dinheiro e muito dinheiro oculto.”

A autarca diz ainda não ter dúvidas que “Portugal também vai sentir os efeitos nefastos do transvase”. “Se é que não está já a sentir.”

Uma “guerra” Espanha-Portugal

Manuel Ganãn, presidente da Assembleia de Defesa do Tejo Aranjuez, assistiu à conversa com a autarca e diz “partilhar a 100 por cento” as preocupações de Patrícia Moreno. “O que se passa é o seguinte: houve um acidente e alguém está a morrer. Tu dás o teu sangue para lhe salvar a vida, mas tiram-te o sangue todo e morres.”

Também ele fala de uma guerra da água, mas vai mais longe. “A guerra hoje é em Espanha, mas não duvides, um dia, quando houver ainda menos água aqui, a guerra vai ser entre Portugal e Espanha. Acreditas que Espanha vai deixar passar para Portugal a água que passa hoje, se precisar urgentemente dela? Só um tolo pensaria tal. Preparem-se, os portugueses também vão sofrer o que nós estamos a sofrer”, acrescenta em jeito de aviso.  

Jarama, mais um grave problema

No lugar de Las Cabezadas, a uma dúzia de quilómetros do centro de Aranjuez, junto a um campo de cultivo e rodeado por floresta, o rio Jarama junta-se ao Tejo. O abraço das águas é visível, com o castanho-claro do Jarama a unir-se ao verde-escuro do Tejo.

Aqui, a juntar ao transvase e à seca, nasce outro problema muito grave: o Tejo já poluído recebe uma nova carga poluente de enormes dimensões. É que o Jarama atravessa Madrid antes de se juntar ao Tejo e com ele traz detritos de 6,5 milhões de pessoas, em que as depurações da água são muitas vezes ineficientes. Daqui para baixo o Tejo vai passar a transportar detritos e “venenos” de muita ordem.

“Venenos” e má gestão

A ponte medieval de San Marti é central entre o vasto monumental património arquitectónico de vários séculos que fazem com que a cidade de Toledo seja há 30 Património da Humanidade da UNESCO.

No final da tarde da passada quarta-feira, muitos turistas passeavam ainda pela ponte. No ar há um cheiro intenso a lixívia. Olhando para o caudal do Tejo que ali corre percebe-se que o cheiro vem das muitas manchas da espuma branca que navega sobre o rio.

“Aquilo é fosfato e muitas outras porcarias que o Tejo transporta desde que se lhe juntou o Jarama”, explica Alejandro Cano, presidente da Plataforma de Defesa do Tejo.

Cano, 61 anos, dedica-se, desde que se viu obrigado a uma “reforma antecipada forçada”, há cerca de dez anos, a estudar os problemas do rio. Fala do Tejo com paixão.

“O Tejo está em permanente agonia. É um rio morto, não tem o caudal adequado, está sujo, muito sujo, não tem a plantação nativa, nem os seus peixes característicos, porque, excepto o barbo, todos desapareceram. Nem as aves que o sobrevoam são as nativas do rio. O Tejo está morto”, afirma.

Sob a ponte estariam a passar naquele momento 35 metros cúbicos de água por segundo. “Só seis ou sete são do Tejo, o resto são águas residuais de Madrid”, salienta.

A culpa, acrescenta, é “da má gestão do rio que é feita pela hidroeléctricas” e “pelos poluidores que lançam todo o tipo de porcaria para o rio e a quem compensa mais pagar as multas do que tratar do lixo”.

207 represas só em Espanha

Cano diz mesmo para que não nos deixemos “impressionar pelas fotos que mostram o rio vazio culpando a seca”. “Claro que a seca é um problema, mas a Península Ibérica está habituada aos períodos de seca. Sempre as houve. Mas não é a seca que tira a água do rio, é a má gestão. Está-se a jogar com a seca para esconder tudo o resto, a contaminação do rio, e a má gestão, em que as hidroeléctricas gerem o ritmo das águas do rio de acordo com os seus interesses e desrespeitando o seu ritmo normal.”

Só na demarcação espanhola da bacia do Tejo existem 207 barragens, com capacidade total de mais de 11.000 hm3. São usadas para produção eléctrica e irrigação.

Uma gestão que, diz, faz com que o Tejo “não seja um rio vivo e tenha um caudal fraco”, que “não respeita as suas dinâmicas”, que o “transforma”. “Os interesses económicos sobrepõem-se aos interesses do rio e, como tal, aos interesses das pessoas.”

“O Tejo hoje já não é um rio, é uma ria, em alguns locais não passa mesmo de um riacho”, acrescenta.

Desde 1972 que, em boa parte do troço do rio naquela região é proibido nadar e pescar. Alejandro Cano faz uma pergunta: “Viram algum cartaz, algum aviso, a revelar a proibição?” E dá a resposta pronta: “Não, porque não os há. É mau para o turismo. É mais uma vez os interesses económicos a sobreporem-se aos das pessoas.”

Este activista de defesa do Tejo levou-nos pelas margens do rio Toledo, “há uns anos cheias de vida e hoje abandonadas de gente”, onde “o caudal baixou de forma significativa o rio perdeu força e alma”. Mostrou-nos, desde o cimo da serra, a albufeira da barragem de Castregon, em Cuenca, a primeira a receber as águas depois de o Tejo e o Jarama se juntarem. Ali o Tejo corre entre enormes ilhas castanhas, “montanhas de matéria orgânica, lixo e gases nocivos à saúde".

A ponte romana de San Martin de Montalbán, com os seus 20 arcos, tem 200 metros de comprimento, que era a largura do caudal na altura da construção. Hoje, o leito está entupido de lixo e o caudal não tem mais de 1,5 metros de largura. Ao lado da ponte há um enorme matadouro e no que resta do rio são encontrados “com frequência, vísceras de diversos animais”.

“Claro que esta poluição chega a Portugal, não assim como a vemos aqui, porque a água vai passando por várias barragens, mas quando chega a Portugal claro que vai contaminada. O veneno está lá. Em Portugal, como em Espanha, são as hidroeléctricas que fazem a gestão do rio. Se isto não mudar no Tejo, tudo vai morrer, tudo”, diz Cano.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações