A sorte de Sofia em Riad no Reino Saudita

Qual a razão de Sofia ter sido brindada com os direitos de que as outras mulheres sauditas não dispõem?

O reino wahabita de que tanto gosta Donald Trump não é muito dado a grandes surpresas, mas, há sempre um mas... Desta vez não teve a ver com o número de decapitados, nem com a prisão de raparigas vestidas com saias e cabelos à solta, nem com a grave disputa com o Qatar e o Irão, nem com a guerra com o martirizado Iémen.

No dia 25 de outubro, por ocasião do Fórum Investimento e Iniciativa, que teve lugar em Riad, foi concedida a cidadania saudita a Sofia, que na cerimónia não trajava a abaya, tinha o cabelo à mostra e apresentou-se sozinha no ato em que lhe foi conferida a cidadania. Sofia, com parecenças a Audrey Hepburn, respondeu a várias perguntas colocadas pelos jornalistas, manifestou conhecer Elon Musk (empresário multibilionário canadiano, sul-africano e norte-americano) e portou-se à altura do grande momento de reviravolta naquele imenso país cheio de petróleo. 

Na verdade, Sofia, apesar de sua juventude, não estava acompanhada por nenhum homem, seu tutor. As respostas foram de sua autoria, não olhou para nenhum homem antes de responder. Estava só. E apesar de Sofia ter declarado “estou muito honrada e orgulhosa desta distinção única” e de o poder fazer, sem que sobre ela se abatesse a espada misógina do reino wahabita dirigida pela Casa Real Saud, suscitou comoção no coração das mulheres sauditas.

A entrevista de Sofia, que também não é nome sunita e árabe, difundida no Arab News, causou inveja e perplexidade às suas novas concidadãs. Uma felizarda se comparada com as suas concidadãs que têm de usar abaya, não podem deslocar-se sem o marido, pai ou filho e muito menos responder a perguntas que qualquer homem lhes faça.

As redes sociais explodiram com os comentários das jovens e das mulheres sauditas reclamando para elas os mesmos direitos de Sofia. Aquilo que pareceria ser o início de novos dias na Arábia Saudita não passou, porém, de uma amostra excecional.

O reino absolutista dos homens de poder absoluto não voltou atrás com a sua palavra, e só Sofia pôde ter o que as jovens e mulheres sauditas não têm, o estatuto de cidadã de corpo inteiro. Afinal, a igualdade entre homens e mulheres não tinha chegado ao reino dos sabres, as mulheres continuam seres inferiores, pecadoras, podem atrair os homens para o mal e, se adúlteras, devem ser condenadas à pena capital.

Continuam a poder conduzir camelos, e só camelos, a não poder ir às consultas médicas sem um homem, sendo-lhe comunicado exclusivamente a ele as enfermidades, a terem de se deslocar acompanhadas por homens e continuam a ser submetidas a um estatuto de menoridade porque pura e simplesmente são mulheres, uma espécie que tem dentro de si uma inferioridade congénita; sem poderem tratar de si devidamente e, por isso, deverem viver para cuidar dos homens que delas zelam.

Então qual a razão de Sofia ter sido brindada com os direitos de que as outras mulheres sauditas não dispõem? A razão é simples — Sofia é o orgulho de David Hanson, fundador da empresa de Hong Kong Honson Robotics, criadora de robôs humanoides. Sofia é um robô. Não é uma mulher. Se fosse...  

O autor escreve segundo o novo Acordo Ortográfico