Portugal

“Portugal meteu a escravatura, o colonialismo e o racismo debaixo da cama”

Para a artista Grada Kilomba, nascida em Lisboa mas radicada em Berlim há vários anos, Portugal ainda precisa de atravessar várias fases para conseguir enfrentar seriamente o legado racista do colonialismo português. “Ainda estamos na fase da negação”, defende a artista. Francisco Sousa não tem problemas em admitir que é “um afrobeneficiário”. Ou seja, reconhece a influência que o facto de os seus antepassados terem tido escravos tem na posição social que ocupa actualmente. E considera que mais famílias portuguesas na mesma situação deveriam admitir o mesmo. A história do colonialismo português é uma história de séculos que continua a ser olhada através de um prisma de glória, acredita Francisco. O antropólogo Miguel Vale de Almeida acredita essa narrativa tem a sua origem mais recente no pós-25 de Abril quando, após a descolonização, não se procurou iniciar “um processo de verdade e reconciliação” mas se quis por outro lado valorizar “o lado supostamente bom desta história”, como algo “universalista e de contacto entre culturas”.

No último trabalho da série Racismo à Portuguesa, analisam-se as marcas do longo legado colonial que ainda subsistem na sociedade portuguesa. Esta série, composta por seis reportagens, debruçou-se sobre diversas áreas que dão uma aproximação às desigualdades raciais em Portugal. O objectivo é o leitor ficar com uma ideia do que é o racismo institucional e estrutural na sociedade portuguesa.

Esta é a segunda parte da série Racismo em Português, sobre o colonialismo português em África e centra-se, por isso, no racismo contra os negros. Justiça, habitação, emprego, educação, activismo e as marcas do colonialismo em Portugal são as áreas abordadas.