Como será o trabalho em 2030? Os robots vão pagar impostos?

Catedráticos, investigadores e advogados de mais de 20 nacionalidades vão discutir o futuro do trabalho. Congresso no Porto começa esta quinta-feira no Porto.

Foto
A robótica, a inteligência artificial e as novas tecnologias são um dos temas fortes do evento FOCKE STRANGMANN/EPA

O cenário é futurista. Estamos em 2030 — e, provavelmente, muito será diferente, apesar de apenas 13 anos nos separarem desse quadro. Teremos, nessa altura, robots como colegas de trabalho? E essas máquinas terão limites de produção ou horário de trabalho? Pagarão impostos? Provocarão uma mudança no funcionamento da Segurança Social? Estas são algumas das perguntas para as quais mais de 150 catedráticos, investigadores e advogados de todo o mundo vão ensaiar respostas no "Congresso Internacional Labour 2030 - Rethinking the Future of Work", que decorre na Alfândega do Porto nesta quinta-feira e sexta-feira.

“As mudanças no trabalho ocorrem hoje muito mais rapidamente do que no passado e, por isso, mais do que estudar o que existe é preciso tentar antecipar os problemas que vão surgir”, resume Eduardo Castro Marques, presidente da Associação de Jovens Juslaboralistas, que organiza este congresso com a Law Academy e a Cielo Laboral. Antecipando, diz, é possível “tentar minorar alguns efeitos nefastos que, por exemplo, a evolução tecnológica possa trazer ao mundo do trabalho”.

A robótica, a inteligência artificial e as novas tecnologias são um dos temas fortes do evento. Ou não percebessem os advogados a dimensão do problema na própria pele: o Ross, primeiro advogado-robot do mundo, é capaz de processar cerca de 500 GB de informação num só segundo — e “já conseguiu fazer com que fossem despedidos centenas de advogados nos Estados Unidos [da América]”. O desafio é premente “sobretudo em profissões com menos formação, dos sectores primário e industrial”. Mas pode alargar-se a muitas outras.

E sobre este fenómeno não há uma linha de pensamento consensual: uns acreditam que se vai assistir a um “robotcalipse”, outros entendem que isto vai “capacitar, aumentar a produtividade e conseguir mais crescimento económico, mais lucro e mais riqueza”.

Apostar mais no teletrabalho?

O “exercício de prognose do futuro do trabalho” vai passear por temas como a relação do trabalho com o meio ambiente (será aconselhável, em nome do nosso planeta, apostar mais no teletrabalho? e como se podem diminuir as emissões de dióxido de carbono em algumas indústrias?); o empreendedorismo tecnológico e as start-ups; ou o trabalho 4.0 e a protecção de dados, numa altura em que o assunto está em cima da mesa, com a aprovação do regulamento geral da protecção de dados (está o trabalhador seguro? e a empresa? que regularização é preciso fazer?).

Apesar de estar focado na questão do direito do trabalho, o congresso conta com as perspectivas de outras academias. Tema premente: o envelhecimento e as doenças oncológicas. “Os dados estatísticos mostram que vamos ter uma população cada vez mais envelhecida. É preciso pensar, por exemplo, “como vai ser inserido o trabalhador sobrevivente de cancro” ou “como é que o empregador o vai receber, se deve ou não ser obrigado a alterar-lhe as funções”, diz Eduardo Castro Marques. “Há uma série de questões que temos de discutir já, para antecipar esse problema.”

Na Alfândega do Porto vão ser apresentados 125 estudos, todos inéditos, de investigadores de 23 países. Esse carácter internacional, diz a organização, é um dos pontos diferenciadores do congresso, que se distingue também por se centrar apenas no futuro e pela componente tecnológica. O público do evento —com inscrições online ainda abertas — poderá votar nas melhores intervenções através de uma aplicação do congresso e um dos debates será moderado pelo jornalista da Forbes Austrália Kavi Guppta a partir do Porto mas com todos os participantes em comunicação via Skype.