Como um enforcado mal morto ajudou Portugal a abolir a pena de morte

Exposição no Colégio da Trindade, em Coimbra, percorre o sofrimento humano dos condenados à morte e o progresso intelectual dos pioneiros que defenderam a abolição da pena de morte.

Fotogaleria
Exposição estará até Outubro no Colégio da Trindade, em Coimbra Mário Pereira
Fotogaleria
Exposição estará até Outubro no Colégio da Trindade, em Coimbra Mário Pereira
Fotogaleria
Exposição estará até Outubro no Colégio da Trindade, em Coimbra Mário Pereira
Fotogaleria
Exposição estará até Outubro no Colégio da Trindade, em Coimbra Mário Pereira
Fotogaleria
Exposição estará até Outubro no Colégio da Trindade, em Coimbra Mário Pereira
Fotogaleria
Exposição estará até Outubro no Colégio da Trindade, em Coimbra Mário Pereira
Fotogaleria
Exposição estará até Outubro no Colégio da Trindade, em Coimbra Mário Pereira

Ao princípio, o enforcamento público de José António Domingues decorreu como tantos outros. Pendurado na forca de Tavira a 24 de Novembro de 1845, ficou a estremecer na corda durante 15 minutos — raramente os enforcados morriam em menos do que isso.

Quando finalmente foi dado como morto, o corpo foi retirado do patíbulo e transportado para o cemitério. Muitos em Portugal estavam habituados a ver a agonia prolongada dos enforcados. Mas ninguém em Tavira estava preparado para o que se seguiu.

Já no cemitério, perceberam que Domingues “respirava ainda”, escreveu três meses depois José Joaquim de Mattos na Revista Universal Lisbonense. “Deu-se parte à autoridade judicial e, enquanto se resolvia o que convinha fazer naquela delicada conjuntura, houve tempo de verificar pela observação de imensa gente que o justiçado estava vivo, porque continuava cada vez a respirar melhor, forcejava por desprender-se da corda que lhe atava os braços, conservava todo o brilho natural dos olhos e até fazia esforços para responder quando o chamavam pelo nome”, escreve o antigo juiz.

Condenado pelo assassinato de três pessoas (uma mulher idosa, a sua criada de 18 anos e um rapaz de 12), José António Domingues, que teria 22 anos, acabou por ser executado duas vezes.

“Passado por todo o bárbaro processo do suplício, o que levou um bom quarto de hora”, a seguir Domingues esteve “quase duas horas” a “lutar desesperadamente”, conta Mattos. “Até que um tiro mandado dar por mão do carrasco lhe cortou para sempre a vida!!” O juiz imagina três possíveis causas para esta insólita aberração: a incompetência ou a inexperiência do carrasco ou a “extrema e superabundante vitalidade do executado”. O caso chegou a Lisboa. Três semanas depois, o Procurador Geral da Coroa escreveu ao ministro dos Negócios da Justiça sugerindo que o ministro mandasse "advertir que em casos melindrosos” o juiz deve “preferir sempre” aplicar a lei e não “o próprio arbítrio”, e que “quando lhe ocorram dúvidas consulte o Ministério Público”. O tiro fora uma decisão de boa-fé, mas ilegal.

Sofrimento físico

Portugal estava ainda a 22 anos de ver abolida a pena de morte para crimes civis (para crimes políticos foi abolida mais cedo) — e assim ser pioneiro internacional — mas já havia claros sinais de mudança entre académicos e políticos. Além disso, o sofrimento humano dos executados causava horror nas populações. Nos 13 anos anteriores ao caso de Tavira, foram condenados 99 réus e executados 32 em Portugal. “Há relatos de multidões que fogem espavoridas”, conta Carlos de Sousa Mendes, secretário-geral do Ministério da Justiça e um dos comissários da exposição Condenados à pena última – 150 Anos da abolição da pena de morte, que foi inaugurada esta quarta-feira à noite no Colégio da Trindade, em Coimbra.

O magistrado-comissário dá o exemplo de Domingos Batista, um sapateiro com 21/22 anos condenado pela morte de José dos Santos na serra de Manhouce, em Vouzela, e enforcado no campo da Cordoaria, no Porto, a 23 de Julho de 1838. Depois da execução, ao ser lançado à terra, os relatos contam que “ele se movera, abrira os olhos e dava outros sinais de vida”, tendo sido levado para o hospital da Misericórdia, onde acabou por morrer. “Os enforcados morriam sobretudo por asfixia, não porque a coluna partia. Por ser uma morte lenta, o carrasco pendurava-se no condenado para fazer peso”, conta Sousa Mendes.

Na exposição, reproduz-se o relato do padre José Adão dos Santos Álvares, que assistiu ao enforcamento de José Begueiro, em Montalegre, em 1844. Ele estava lá, mas fechou os olhos. "A execução não a vi. Mas um choro geral e extraordinários alaridos dos espectadores anunciaram que tudo estava consumado. O cadáver foi pela Irmandade da Misericórdia conduzido ao cemitério da Matriz, acompanhado de quase todos os espectadores [mais de 5000] que em seus sombrios semblantes indicavam o terror."

Não faltam descrições do sofrimento físico e desumano causado pelas execuções. “O laço comprimindo obliquamente o colo do padecente não lho aperta logo a ponto de subitamente lhe fazer cessar a respiração”, escreve José Joaquim de Mattos em 1846. "O peso do padecente e do seu verdugo é que vai estreitando o nó, impedindo a comunicação do ar. E para isso mesmo mais pronto se conseguir, é preciso que repetidos esforços do executor, caindo e recaindo por muitas vezes sobre os ombros do justiçado, consumem a estrangulação e lhe acabem de todo a vida." O juiz Mattos é eloquente, mas está longe de ser original.

PÚBLICO -
Foto
"Discurso sobre a Pena de Morte e Reflexões sobre Alguns Crimes", de António Ribeiro dos Santos, publicado no "Jornal de Coimbra" em 1815 Mário Pereira

O progresso intelectual

Trinta anos antes, já o jurista António Ribeiro dos Santos (1745 -1818), considerado o primeiro abolicionista português, defendera publicamente que a pena de morte é “ir além dos limites da necessidade do remédio, é exceder a moderação e violar a Lei Sagrada, que nos manda não fazer maior mal do que o que nos é absolutamente necessário para a nossa conservação, para a defesa da nossa vida”.

Muito influenciado pelo italiano Cesare Bonesana, marquês de Beccaria — que em 1764, aos 26 anos, escrevera Dos delitos e das penas a defender a abolição da pena de morte ­— António Ribeiro dos Santos repete a ideia aí defendida de que a pena capital “não é nem útil nem necessária”. “Este livro foi decisivo para a mudança de mentalidades na Europa e foi um sucesso enorme de vendas. Teve 80 edições em pouco mais de 30 anos”, diz Carlos de Sousa Mendes. O tema era tão delicado que a primeira edição é anónima e não tem indicação do local de edição. Em Portugal há um único exemplar (na Biblioteca Joanina) e está exposto no Colégio da Trindade. É uma 2.ª edição de 1764, ainda não tem indicação do autor e inclui a menção (falsa) do local da edição (Mónaco, quando na verdade foi editada em Livorno).

Argumentos actuais

“É interessante ver que os argumentos usados hoje para combater a pena de morte são os mesmos que eram usados há 150 anos”, nota Inês Horta Pinto, co-comissária da exposição (tal como a professora de Direito Penal da Universidade de Coimbra Maria João Antunes e a designer Luísa Castelo dos Reis). “É um tratamento desumano e é inútil, não reduz a criminalidade. No Canadá, a diminuição dos homicídios coincidiu com a abolição da pena de morte. E há muitos outros exemplos.” Além disso, continua a haver execuções em que tudo corre mal, como vemos nos EUA, onde é possível assistir-se às execuções. Há hoje 90 países que ainda têm pena de morte na sua legislação — e 104 que a aboliram.

A exposição no Colégio da Trindade inclui vários documentos e objectos que contam parte da história da pena de morte em Portugal, sobretudo nos 50 anos que antecederam a abolição. Três exemplos: uma “bandeira dos condenados” (o estandarte que abria o cortejo a caminho da forca) e uma "campainha dos condenados" do século XVI. “Muitas vezes, o condenado ia para a forca numa cadeirinha, amarrado, com um irmão da Santa Casa da Misericórdia a tocar, outro a segurar o estandarte e outro a pedir esmolas”, nota Sousa Mendes. E inclui também a cabeça perservada em formol de um dos últimos enforcados em Portugal (Diogo Alves, executado em 1841, conhecido como o assassino do Aqueduto das Águas Livres), que nunca tinha saído de Lisboa.

"O que quisemos fazer foi homenagear 'o progresso intelectual' de que fala Alexandre Herculano, e dos que defenderam o fim 'dessa selvajaria chamada pena de morte', como disse no Parlamento o deputado António Ayres de Gouveia em 1863", diz o comissário. "Sabia que no século XIX se dizia 'morte natural'?! Os juízes escreviam 'condenado por morte natural'."

PÚBLICO -
Foto
Mnistra da Justiça, Francisca Van Dunem, durante a inauguração da exposição sobre os 150 anos da abolição da pena de morte em Portugal, no Colégio da Trindade, Coimbra PAULO NOVAIS/LUSA

A exposição, inaugurada esta quarta-feira à noite pelo Presidente da República e pela ministra da Justiça, fica no Colégio da Trindade, em Coimbra, até Outubro. A seguir fará uma itinerância nacional.