Foguetes anticarro, diverso material explosivo e detonadores entre o material roubado em Tancos

Roubo de material de guerra nos paióis nacionais foi maior que ao inicialmente revelado. Exército não divulga quantidades.

DR
Foto
DR

O material roubado nos Paióis Nacionais de Tancos (PNT) foi maior do que ao inicialmente divulgado pelo Exército na quinta-feira. Além das granadas de mão ofensivas e das munições de 9 milímetros, foram também detectadas as faltas de “granadas foguete anticarro, granadas de mão de gás lacrimogéneo, explosivos e material diverso de sapadores como bobines de arame, disparadores [gatilho mecânico para detonar explosivos] e iniciadores” [explosivo detonador de cargas explosivas mais fortes[, explicou aquela força militar, num comunicado divulgado nesta sexta-feira.

Embora o Exército não confirme, a Rádio Renascença assegura que foram ainda roubados 44 lança-granadas, 120 granadas ofensivas e 1500 munições.

Este caso levou já, segundo a SIC Notícias, a embaixada dos Estados Unidos a aumentar o nível de segurança até pelo menos ao dia 4 de Julho, dia em que se celebra o feriado nacional norte-americano.

Os militares já concluíram o inventário do material roubado, dizem ter apurado “as quantidades exactas”, mas não as revelam “para não prejudicar as investigações em curso”. “Esclarece-se que os trabalhos de contagem de materiais foram elaborados pelo Exército na presença da Polícia Judiciária Militar [PJM], sendo, portanto, do conhecimento das autoridades competentes e da tutela”, acrescenta a nota.

Já sobre o facto de a área dos PNT não estar totalmente coberta por videovigilância, o Exército confirma que na “área onde estariam os materiais mais relevantes, encontra-se inoperacional”.

“Os PNT estão também contemplados no plano de implementação de vigilância e controlo de acesso electrónico que nos últimos anos tem sido implementado no Exército. No caso concreto dos PNT, a Lei de Programação Militar [LPM] previa a disponibilização de verbas em 2018”, é afirmado.

Esta força militar diz também que vai fazer obras nas redes que circundam os paióis e que “os procedimentos legais para a adjudicação da obra, de forma faseada e com verbas da LPM”, já foram iniciados.

Também nesta sexta-feira foi publicado em Diário da República (DR) um despacho que autoriza uma despesa de 316 mil euros para a reconstrução da vedação dos Paióis Nacionais de Tancos. Apesar de ter sido publicado nesta sexta-feira, o despacho tem a data de 5 de Junho.

No despacho, é manifestada a "prévia concordância" do ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, à autorização do lançamento daquela empreitada que visa a "reconstrução da vedação periférica exterior no perímetro Norte, Sul e Este dos PNT".

Fonte oficial do Ministério da Defesa revelou ao PÚBLICO o despacho foi para o DR a 5 de Junho e que só agora foi publicado por decisão deste organismo. “Habitualmente os documentos vão para o DR e só são publicados uma a duas semanas depois de serem enviados. Só foi publicado agora por decisão do DR”, explicou. 

Já o PSD anunciou o desejo de ouvir no Parlamento o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, e o chefe do Estado-Maior do Exército, general Rovisco Duarte, sobre o desaparecimento de material de guerra de dois paióis em Tancos, em audições à porta fechada.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, por sua vez, ainda não ser tempo de se pronunciar sobre o roubo de material de guerra de dois paióis. "Tenho estado a receber informação sobre isso, acho que não é ainda o tempo para me pronunciar", referiu.