Aumentou a produção de cocaína e de heroína e isso notou-se no mercado nacional

Segundo o Relatório Mundial das Drogas 2017, estima-se que actuem no espaço comunitário cinco mil grupos de crime organizado e que mais de um terço estejam implicados no tráfico de droga. Negócio estará a beneficiar terrorismo.

Foto
Paulo Pimenta

A produção de heroína e de cocaína voltou a aumentar, indica o Relatório Mundial das Drogas 2017, divulgado nesta quinta-feira. E isso teve consequências concretas no mercado europeu. Em 2015, a quantidade de cocaína apreendida pelas autoridades portuguesas subiu pelo segundo ano consecutivo. 

Conforme o relatório agora divulgado, Portugal apreendeu em 2015 seis toneladas de cocaína, o que representa 0,7% do total confiscado em todo o mundo, ocupando o país a 20.ª posição. E 2,4 toneladas de resina de cannabis, o que significa 0,2% do total, ficando neste caso na 18.ª posição.

cannabis continua a ser a droga mais produzida no mundo. Pelo menos 135 países, incluindo Portugal, detectaram algum cultivo entre 2010 e 2015. Muito mais do que o número de países implicados na produção de ópio (49, quase todos na Ásia) ou de coca (oito, todos nas Américas).

O relatório do Gabinete das Nações Unidas contra as Drogas e o Crime indica um aumento mundial do cultivo de ópio na ordem dos 30% em 2015, face a 2014, depois de anos em queda, o que será um reflexo da retoma da capacidade produtiva no Afeganistão. A subida na transformação de ópio em heroína notou-se logo em 2016.

PÚBLICO -
Aumentar

A produção de coca também cresceu 30% mas entre 2013 e 2015, sobretudo, por causa da produção na Colômbia. A transformação de coca em cocaína acompanhou a curva ascendente. E isso notou-se no produto que chegou aos dois principais mercados: o norte-americano e o europeu (o asiático está a crescer, mas ainda é pequeno).

Os opiáceos sintéticos preocupam

Como adiantou o Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência no início deste mês, Portugal permanece uma das maiores portas de entrada de cocaína no velho continente. “Embora a Espanha (22 toneladas) continue a ser o país que apreende mais cocaína, a Bélgica (17 toneladas) e a França (11 toneladas) apreenderam quantidades muito grandes”, lia-se ainda no Relatório Europeu sobre Drogas 2017. Também “foram comunicados aumentos consideráveis nos volumes apreendidos na Bélgica, na Alemanha e em Portugal”. 

PÚBLICO -
Aumentar

De vez em quando há notícia de "correios" detectados nos aeroportos, mas com quantidades diminutas. A via marítima é mais utilizada para o transporte de elevadas quantidades. Em 2015, segundo dados já antes avançados pela Polícia Judiciária, oito apreensões de cocaína traficada com recurso a embarcações representaram 90,1% do total confiscado em Portugal.

A reboque das novas tecnologias de comunicação, amiúde tudo se altera – rotas, modus operandi, métodos. A panóplia de substâncias psicoactivas consumidas também tem estado a diversificar-se. Embora as velhas drogas mantenham a liderança, cada vez mais se pode observar a combinação com novas drogas. E os opiáceos sintéticos estão a gerar particular preocupação.  

PÚBLICO -
Aumentar

“Os grupos organizados ampliaram a variedade de actividades ilícitas”, refere o relatório, disponível no sítio electrónico da Organização das Nações Unidas. “Surgiram outros sectores criminais. Cada vez menos grupos se dedicam, em exclusivo, ao narcotráfico”, prossegue. Citando a Europol, adianta que “quase dois terços dos grupos de narcotráfico organizado que actuam nos países da União Europeia estão envolvidos em mais de um sector”. Tendem a misturar tráfico de droga com “falsificação de mercadorias, tráfico de pessoas, tráfico de migrantes e tráfico de armas”.

Estima-se que, por esta altura, actuem no espaço comunitário uns cinco mil grupos de crime organizado. Mais de um terço destes estará implicado no tráfico de droga. Caracterizam-se por “uma forte estrutura hierárquica, como os do México e do Japão e, em certa medida, como os da Federação Russa”. Há, todavia, um número crescente de redes mais horizontais e menos estruturadas a ganhar força.  

A Internet e o tráfico de droga

O Gabinete das Nações Unidas contra as Drogas e o Crime destaca o papel da Internet. Apenas 4% do que está na rede pode ser visto por todos. Na chamada rede profunda, mais conhecida pela designação inglesa Deep Web, fica 96% do conteúdo. Esta zona “é usada para todo o tipo de actividades, incluindo ilícitas, em particular o tráfico de droga”.

 “A curto prazo, a afluência de dinheiro obtido com as drogas pode impulsionar o investimento e aumentar o Produto Interno Bruto”, admite. Com o tempo, porém, os efeitos tornam-se negativos. Quando tem um peso considerável numa economia nacional, “pode influenciar o preço dos bens de primeira necessidade, distorcer os dados das exportações, criar condições de concorrência desleal, acentuar a desigualdade na distribuição de rendimentos e agravar a corrupção”.

Há indícios de que o tráfico está a financiar grupos considerados terroristas. A participação dos talibã está ultra documentada. Impuseram o pagamento de contribuições a quem se dedica ao cultivo e ao tráfico de ópio. Estima-se que só em 2016 tenham arrecadado cerca de 150 milhões de dólares no Afeganistão.

O Gabinete das Nações Unidas contra as Drogas e o Crime menciona também o papel das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC). “Em diversas ocasiões, deram protecção aos cultivos de coca, impuseram tributos à introdução de percursores [substâncias quimicas] e ao uso de pistas, venderam pasta de coca e envolveram-se no tráfico inter-regional de cocaína”, acusa. No ano passado, no quadro do acordo de paz, “as FARC aceitaram interromper a sua participação no negócio das drogas”.

Agora, de acordo com o relatório, há indícios de que o Daesh, e outros grupos armados que actuam na Síria produzam e consumam Captagon, uma anfetamina que normalmente se mistura com cafeína. Também se suspeita que o Boko Haram auxilie traficantes na África Ocidental.