Porto: banco francês instala serviços no antigo Central Shopping

Natixis vai transferir para Portugal área da informática e criar 600 empregos em três anos.

Em 2010 anunciava-se a reabertura da galeria comercial, o que não chegou a acontecer
Foto
Em 2010 anunciava-se a reabertura da galeria comercial, o que não chegou a acontecer adc adelaide carneiro

O edifício Oporto Center, que albergou o Central Shopping, vai ser reocupado. O imóvel construído pela Soares da Costa na década de 90, e que se encontra devoluto após o falhanço de vários projectos comerciais e a saída da construtora, que ali teve sede durante anos, foi totalmente arrendado a uma multinacional de origem francesa para instalação de serviços da área das tecnologias da informação, revelou a imobiliária que intermediou o negócio.

Pelo que o PÚBLICO conseguiu apurar, o novo inquilino será o banco Natixis, que pretende parquear em Portugal boa parte dos seus serviços informáticos, passando a executar internamente tarefas que, até aqui, tem contratado a entidades externas. A estratégia, que implica a criação, em três anos, de 600 postos de trabalho no novo centro de operações no Porto, foi revelada em Junho do ano passado pelo jornal francês Les Echos, mas desconhecia-se, então, em que espaço seria concretizadda. E isso passa, então, pela ocupação da totalidade do Oporto Center.

Esta será mais uma reencarnação deste edificado, que era, aquando da sua abertura, em 1996, o primeiro shopping com cinemas na Baixa do Porto. A experiência durou menos de uma década, e depois de 2004 várias foram as propostas para a dinamização deste imóvel, central, tanto no nome como na localização — está situado na Rua de Santos Pousada, perto do Campo 24 de Agosto — mas não nas prioridades dos investidores.

Em 2006 chegou a ser aventada a hipótese de os cinemas voltarem a ser explorados pela Cooperativa Cinema Novo, que organiza o Fantasporto, outro projecto falhado. A Soares da Costa, dona do imóvel, ainda instalou ali a sua sede, nesse ano, transformou os antigos cinemas em escritórios e procurou novos ocupantes para a área comercial do edifício. Em 2010, anunciou a reabertura da zona comercial, com um novo conceito e o nome Galeria Central.

O projecto foi no entanto abandonado depois de a Sonae desistir de instalar ali um supermercado Modelo e as lojas Worten e Modalfa. Sete anos depois, e com a Soares da Costa já instalada em Gaia, o futuro destes quase 12 mil metros quadrados passa pela banca francesa, estando neste momento o interior do edifício a ser adaptado às necessidades do novo inquilino que escolheu Portugal, e o Porto, pela proximidade cultural e pelos custos competitivos dos activos imobiliários e dos salários, entre outros motivos explicados ao Les Echos. Com Luísa Pinto