PJ apanhou dois dos criminosos mais perigosos da América Latina

Suspeitos de assaltos violentos a bancos em Portugal, os sul-americanos eram procurados por homicídios, sequestros e outros crimes em vários países.

Foto
Quando a PJ se deparou com os suspeitos, não fazia ideia de que tinha em mãos autênticas estrelas do crime, com direito a recompensa das autoridades argentinas. fau fabio augusto

Dois dos dez homens mais procurados na América Latina estão presos em Portugal depois de terem sido apanhados pela Polícia Judiciária, noticiou a SIC.

Procurados no seu país e nos países vizinhos, os argentinos Rodolfo Lohrmann e José Maidana foram detidos em Aveiro já em Novembro, por suspeitas de terem participado juntamente com outros homens a assaltos a quatro bancos, entre 2014 e 2016, que envolveram grande violência – dois em Odivelas, um em Loures e outro em Cascais. Num deles foi agredida uma mulher grávida.

Quando os inspectores da Unidade Nacional de Combate ao Terrorismo depararam com eles não faziam ideia de que tinham em mãos autênticas estrelas do crime, com direito a recompensa das autoridades argentinas e tudo: apresentavam documentos de identificação guatemaltecos falsos, embora de grande qualidade, e as suas fisionomias diferiam muito das divulgadas pelas autoridades latino-americanas, explicou ao PÚBLICO fonte ligada a esta investigação.

No outro lado do Atlântico, Lohrmann e Maidana eram procurados desde2003 pela presumível participação numa série de homicídios, sequestros e outros crimes, não só na Argentina, onde a imprensa os descreve como os criminosos pais procurados do país, como no Uruguai, Brasil e Paraguai – aproveitando-se da porosidade da fronteira tripartida. Neste último país, conta o jornal argentino La Nación, recaem sobre os dois homens a suspeita do envolvimento no rapto e homicídio de Cecilia Cubas, filha do antigo Presidente paraguaio Raúl Cubas.

Na Argentina, entre outros casos, o grupo criminoso presumivelmente liderado por Lohrmann é suspeito do sequestro de Cristian Schaerer, cuja família terá pago mais de 250 mil euros para voltar a ver com vida o estudante universitário de 21 anos. O jovem, filho de um antigo ministro da Saúde da província argentina de Corrientes, nunca apareceu.

O diário argentino Clarín escreve que a vítima poderá ter sido assassinada na mesma noite em que a mãe foi ao Paraguai pagar o resgate. Ao jornal, Pomeya Gómez saudou a captura de Lohrmann: “Nunca perdi a esperança de que fosse capturado. Este homem fez muito mal, é responsável por muitos sequestros”.

“Queremos saber onde está o Cristian. Espero que esteja vivo, mas sei que pode estar morto”, disse ao Clarín.

Uma vez apertado o cerco na América do Sul, os dois homens passaram a actuar na Europa. Seu cúmplice nos assaltos a bancos, outro dos detidos em Aveiro é de nacionalidade portuguesa, tendo fugido a uma condenação de sete anos de cadeia por tráfico de estupefacientes. No grupo também havia um indivíduo de nacionalidade espanhola.

Só na passada sexta-feira as autoridades argentinas confirmaram à Polícia Judiciária que estes homens eram mesmo Rodolfo Lohrmann e José Maidana. Ambos deverão ser julgados em Portugal pelos assaltos às dependências bancárias.

Buenos Aires, no entanto, vai pedir a extradição dos dois homens, como anunciou à rádio Mitre a ministra argentina da Segurança, Patricia Bullrich.

“Teremos que ver se Portugal decide se cumprem a pena pelo crime que cometeram primeiro ali ou se os extraditam pelo mais importante, que é o que aconteceu aqui na Argentina”, disse.

“São criminosos muito violentos e perigosos que cometeram homicídios e todo o tipo de sequestros. Avisámos Portugal para que saibam quem são os que têm detidos”, afirmou.

Sugerir correcção