Morreu Mário Soares. Adeus a um português maior

Ex-Presidente da República tinha 92 anos.

Mário Soares tinha 92 anos
Foto
Mário Soares tinha 92 anos Rafael Marchante/Reuters

Lutou como poucos contra a ditadura, foi preso, casou na prisão, teve de deixar o país. Regressou depois do 25 de Abril para ser um pouco de tudo na política (deputado, ministro, primeiro-ministro, Presidente da República e eurodeputado). Mário Soares, o rosto maior da democracia portuguesa, morreu neste sábado aos 92 anos, avançou a Lusa.

Estava internado desde terça-feira, 13 de Dezembro, no Hospital da Cruz Vermelha, onde entrou em situação crítica, depois de uma indisposição. Passou dez dias nos cuidados intensivos, para onde regressou na véspera de Natal, depois de um súbito agravamento do estado de saúde e onde esteve até este sábado.

Quem olhar para os últimos 50 anos da história de Portugal vai encontrar sempre Mário Soares: no ataque à ditadura, na libertação democrática, na resistência ao comunismo, na opção europeia, na solidez democrática. Foi, nos momentos decisivos, o líder de que Portugal precisava – e é por isso que hoje o país lhe deve muito.

As suas exéquias fúnebres decorrem segunda e terça-feira. Na segunda-feira, o corpo estará em câmara-ardente na Sala dos Azulejos do Mosteiro dos Jerónimos, para onde será levado de sua casa, no Campo Grande, com passagem e paragem na Câmara Municipal de Lisboa. Mário Soares era agnóstico e por isso não será velado em nenhuma capela nem haverá missa de corpo presente.<_o3a_p>

Na terça-feira, será levado para o centro do claustro daquele monumento, onde às 13 horas se realiza uma cerimónia com intervenções dos filhos, do Presidente da República e do presidente da Assembleia da República, e com a actuação do coro e orquestra do Teatro Nacional de São Carlos. Dali, o cortejo fúnebre segue para o Cemitério dos Prazeres, passando pelo Palácio de Belém, Fundação Mário Soares, Assembleia da República e Largo do Rato, onde se encontra a sede do PS, partido de que é fundador. Nos Prazeres, as cerimónias fúnebres com honras militares decorrem a partir das 17 horas, em que apenas a primeira parte é aberta ao público.<_o3a_p>

Nascido a 7 de Dezembro de 1924, em Lisboa, Mário Alberto Nobre Lopes Soares era filho de João Lopes Soares, um antigo padre e professor que fundou o Colégio Moderno, e de Elisa Nobre Soares, professora.

Mário Soares destacou-se desde cedo na política. Ainda como estudante universitário (licenciou-se em Ciências Histórico-Filosóficas em 1951 e em Direito em 1957), foi secretário da Comissão Central da Candidatura do General Norton de Matos à Presidência da República, em 1949, e estaria 11 anos depois na Comissão da Candidatura do General Humberto Delgado à Presidência da República.

Fez parte de vários movimentos de oposição à ditadura do Estado Novo, o que lhe valeu ser preso 12 vezes pela PIDE, a polícia política do regime. Cumpriu quase três anos de prisão e foi na cadeia, em 1949, que casou com Maria de Jesus Barroso. Foi deportado para São Tomé em 1968 e dois anos depois obrigado a exilar-se em França.

Foi no exílio que se tornou um dos fundadores do Partido Socialista, em 1973, e assumiu o cargo de secretário-geral dos socialistas durante praticamente 13 anos.

Regressou a Portugal três dias depois da revolução de 25 de Abril de 1974 para uma intensa actividade política, que o levou a ser uma espécie de farol da democracia portuguesa.

“Mário Soares sempre teve visão. Visão ainda no tempo da ditadura, quando conseguiu afirmar a autonomia dos socialistas no quadro da oposição. Teve visão quando, em pleno PREC [Processo Revolucionário em Curso, Verão de 1975], percebeu que a missão fundamental do PS era defender a liberdade e a democracia. Teve visão quando afirmou o desígnio europeu”, disse António Costa, então secretário-geral do PS, num depoimento ao PÚBLICO em 2014, a propósito dos 90 anos de Mário Soares.

Soares foi ministro dos Negócios Estrangeiros no I, II e III Governos provisórios, ficando com o polémico dossier da descolonização, e ministro sem pasta no IV Governo, do qual se demitiu na sequência do caso República. Graças à vitória do PS nas eleições de 1976, torna-se primeiro-ministro, liderando o I Governo Constitucional (entre 1976 e 1977) e o II (1978). Voltaria a chefiar o Governo, pela terceira vez entre 1983 e 1985, no chamado Bloco Central com o PSD – nestas passagens pelo Governo, conduziu Portugal à adesão à então Comunidade Económica Europeia.

Depois de Cavaco Silva ter assumido a liderança do PSD e vencido as eleições de 1985 frente ao socialista Almeida Santos, Mário Soares lançou-se na corrida às eleições presidenciais de 1986. Zangou-se com o amigo Salgado Zenha, mas chegou à segunda volta, em que a esquerda (PCP incluído) se uniu para ajudar Soares a derrotar Freitas do Amaral.

Foi Presidente entre 1986 e 1996, depois de em 1991 ter sido reeleito com 70% dos votos. Destacou-se como um Presidente interventivo, especialmente no seu segundo mandato, em que criou as famosas presidências abertas, percorrendo o país.

Depois de deixar Belém ainda foi eurodeputado (entre 1999 e 2004) e tentou o regresso à Presidência em 2006, para tentar travar Cavaco Silva. Só que com a esquerda dividida (Manuel Alegre também se candidatou), Cavaco ganhou à primeira volta e Soares ficou em terceiro, atrás de Alegre, com quem se zangou e só faria as pazes anos mais tarde.

Mesmo afastado dos cargos políticos activos, Soares manteve a sua influência no PS e uma voz activa na sociedade portuguesa, tendo sido particularmente contundente no período do Governo de Passos Coelho, em que Portugal esteve sob um programa de assistência financeira.

Um guia para saber quem foi Mário Soares?

A morte de Mário Soares é aproveitada para recordar os anos democráticos de Portugal, e por isso é que se justifica esta imensa biografia histórica que dedicamos ao ex-Presidente da República, juntamente com uma cronologia digital do percurso de uma vida única, uma fotogaleria que recupera imagens que são de todos nós, outra galeria com cartazes que fizeram história e uma mapa com alguns dos lugares marcantes da vida de Soares. Acima de tudo, não deixe de ver os vídeos da colecção Soares e Eu, em que 27 personalidades recordam a relação que viveram com esta carismática figura da vida política portuguesa.

O homem que gostava de ser amado mas nunca se preocupou em ser consensual deixa um legado histórico à sua medida. Mário Soares cruzou a segunda metade do século XX e com ela todas as grandes derivas históricas: o fim do colonialismo, a construção europeia, a queda do muro de Berlim, o fim da guerra fria e a primeira guerra do Iraque. Em todas, Soares esteve do lado certo da história, tendo sido personagem importante em alguns desses momentos. Carlos Gaspar conta aqui como foi o mundo que Soares conheceu.

E com nove pequenas histórias começamos a olhar para o outro lado da vida do homem que ajudou a fazer Portugal o que o país é hoje. Teresa de Sousa recorda como Mário Soares amava a liberdade: “É essa a sua herança nestes tempos conturbados que vivemos”. E com ele, há uma geração de políticos que se despede, como aqui recorda São José Almeida.

Soares não era imune a polémicas e por isso nunca as temeu. Foi a face de uma descolonização atabalhoada que o país absorveu de forma notável, envolveu-se em histórias sujas em Macau e ganhou inimigos e perdeu amigos em eleições disputadas até ao tutano. Luciano Alvarez recorda aqui as principais polémicas de uma vida cheia.

Várias personalidades (Miguel Esteves Cardoso, Vicente Jorge Silva, Rui Tavares, Joaquim Vieira, Francisco Louçã, António Valdemar) deixaram aqui a opinião sobre Mário Soares, o líder político que ganhou dez milhões de votos ao longo de uma vida política com onze corridas eleitorais. Temos ainda um editorial de David Dinis a dizer “Dr. Soares, obrigado”. E como queremos também saber o que pensa desta personagem incontornável da história portuguesa moderna, abrimos as nossas páginas à sua opinião: aproveite para deixar aqui algumas palavras sobre Mário Soares.