Serviço de streaming de séries e filmes da Amazon chegou a Portugal

Amazon Prime Video vai concorrer directamente com o Netflix, que entrou no mercado português há um ano. Série de Woody Allen ou Goliath ficam de fora.

Foto
The Grand Tour DR

A Amazon, o gigante de vendas on-line presidido por Jeff Bezos, tem como uma das suas áreas de negócio em expansão o serviço pago de streaming de filmes e séries, incluindo produções originais como a premiada Transparent ou a adaptação de Philip K. Dick The Man in the High Castle. Há meses que se avançava a possibilidade de o serviço, até agora limitado na Europa a alguns países, se expandir – foi o que aconteceu nesta quarta-feira, com a sua disponibilização para 200 novos países, entre os quais Portugal.

É mais um passo do Amazon Prime Video  para competir com o Netflix, que está em Portugal há um ano e que em 2015 também estendeu o seu raio de acção para mais 130 países. Em Portugal, tal como em vários outros, a plataforma não tinha ainda um concorrente directo, disputando o tempo e o dinheiro dos utilizadores apenas com as ofertas de televisão paga – que, no mercado português, chegam a uma grande fatia da população.

O Amazon Prime Video está disponível para clientes da Amazon com conta pré-existente ou para novos subscritores. Há a possibilidade de um teste gratuito de sete dias, após o qual a tarifa “de apresentação” é de 2,99 euros por mês. Passados seis meses, a subscrição passa a custar 5,99 euros mensais (abaixo dos 7,99 euros que custa a modalidade mais barata do Netflix). O site do Prime Video, bem como as produções nele disponíveis, está em inglês e muitos dos conteúdos surgem legendados.

Embora funcione também como um serviço autónomo, os filmes e séries do Prime Video serão incluídos no leque de conteúdos disponíveis para os utilizadores da Amazon que já sejam clientes da modalidade Prime. Trata-se de um serviço de assinatura que inclui vários benefícios, como o envio mais rápido dos produtos comprados naquela plataforma, livros electrónicos ilimitados e música sem publicidade. O Prime está disponível em vários países (como Bélgica, Canadá, França, Índia, Itália e Espanha), mas não em Portugal.

No país da TV por subscrição

Foi em Outubro do ano passado que a Netflix inaugurou em Portugal o modelo de assinatura online para ver filmes, séries e documentários. A empresa não divulga dados de adesão por país, mas números de um relatório da Anacom, o regulador das comunicações, indicam uma penetração reduzida: no final de Junho, apenas cerca de 3,4% dos indivíduos com dez ou mais anos tinham subscrito um serviço de streaming, o que inclui não apenas o Netflix, mas também ofertas como o NPlay (da Nos) e o Fox Play.

A concorrência da Amazon surge quando o Netflix tem ainda caminho a percorrer nos mercados fora dos EUA. Apesar de uma expansão internacional que abarca boa parte do globo, aquele país continua a ser mais importante para as contas da empresa do que o resto do mundo no seu conjunto: a facturação nos EUA representou, no trimestre passado, quase dois terços dos 2158 milhões de dólares (2025 milhões de euros) de receitas totais. Para além disso, os custos da internacionalização – desde licenciamentos a publicidade – significam que as operações fora do mercado americano continuam deficitárias: deram 69 milhões de dólares de prejuízo no terceiro trimestre e a empresa antecipa que este valor suba para 75 milhões entre Outubro e Dezembro.

Em Setembro, o Netflix registava 87 milhões de subscritores em todo o mundo, o que inclui três milhões de utilizadores não pagantes (por exemplo, por estarem no primeiro mês, que é gratuito). Já a Amazon não divulga números. Em Julho, a consultora Consumer Intelligence Research Partners estimava 63 milhões de assinantes Amazon Prime, sem discriminar quantos deles são consumidores do serviço de streaming de vídeo.

Em Portugal, a Amazon vai encontrar um país que continua a ser um dos principais consumidores de TV por subscrição da Europa, com mais de dois terços dos espectadores servidos pela Nos, a Meo, a Vodafone ou a Nowo. Em Junho, segundo a Anacom, havia 3,6 milhões de assinantes de televisão, uma subida de 4,7% face ao mesmo período de 2015.

Um dos novos títulos do serviço da Amazon é o programa The Grand Tour, com a equipa do sucesso britânico sobre automóveis Top Gear. Além de Transparent, talvez a sua série com mais visibilidade e que até aqui está a ser transmitida no canal por subscrição TVSéries - onde vai continuar a estrear em primeira mão, com o Prime em Portugal a ter apenas as duas primeiras temporadas e só dentro de um ano a poder mostrar a terceira, segundo o canal da Nos - , tem ainda a comédia Mozart  in the Jungle e mais uma mão-cheia de originais, nomeadamente documentários e parcerias com entidades como a revista New Yorker. Além da produção própria, há "centenas de filmes de Hollywood e séries populares", disse em comunicado Tim Leslie, vice-presidente do Prime Video internacional.

Alguns dos seus produtos, porém, ficam de fora para já. De acordo com a nota da empresa, séries como Crisis in Six Scenes, de Woody Allen, ou a nova e elogiada Goliath, com Billy Bob Thornton, são alguns dos títulos que só serão "acrescentados ao serviço no próximo ano". Entre eles estão ainda Sneaky Pete ou American Playboy: The Hugh Hefner Story

Notícia actualizada às 12h37 com dados sobre as operações da Netflix e da Amazon e com informação sobre direitos de exibição da série Transparent