Opinião

Cunhas públicas

Para a história futura é muito relevante saber, por exemplo, quem propôs determinadas medidas na anterior legislatura, o Governo ou a troika?

Primeira cunha: esclarecer-nos sobre as actas e outros documentos relativos às relações do Governo português com a troika
Já não é a primeira vez que falo disto e não será a última: no que diz respeito ao registo e arquivamento de todos os documentos, e-mails, actas, protocolos, relatórios, resumos de telefonemas, relativos aos quatro anos de relações entre o Governo português e a troika ou as suas componentes, está tudo devidamente conservado como é suposto e a lei obriga, aos documentos do Estado? Está? Tudo?

É que se não está, temos um problema de legalidade e mais do que isso, que já não é pouco, temos um problema de escrutínio dos actos do Governo e de transparência. Repare-se que não estou a dizer que tais documentos possam de imediato ser públicos, ou pelo menos parte deles. O que digo é que gostaria de ser esclarecido se eles estão devidamente acautelados. É que para a história futura é muito relevante saber, por exemplo, quem propôs determinadas medidas na anterior legislatura, o Governo ou a troika? Que discussões  existiram sobre a política fiscal, como foram justificados falhanços e elogiados sucessos? O que disse a troika sobre alguns processos de privatizações? É que sabemos muito pouco sobre o nosso processo de “ajustamento”, já sabíamos pouco sobre o que Merkel combinou com Sócrates, como foi feito o memorando, quem disse o quê, quem pediu à troika para incluir esta ou aquela medida, por aí adiante.

Segunda cunha: dar mais nomes portugueses a corpos celestes
Existem regras internacionais e um instituição tutelar (a União Astronómica Internacional) que define as regras da nomenclatura de corpos celestes, assim como das suas crateras, desfiladeiros, oceanos  lagos, vulcões, etc. Há já em vários corpos celestes como a Lua,  nomes portugueses, mas eles continuam a ser muito escassos. Em Portugal, a Sociedade Portuguesa de Astronomia já animou várias iniciativas no sentido de dar nomes portugueses, junto com outras organizações ligadas à astronomia. Em 2015 houve uma proposta para nomear a estrela Mu Arae, bem próximo de nós, de Lusitânia e os planetas recentemente descobertos nesse sistema, de Caravela, Adamastor, Esperança e Saudade. Como estas propostas foram votadas, os espanhóis com nomes de personagens do D. Quixote de Cervantes, “ganharam”. Os nomes portugueses também não eram brilhantes, nem muito originais, com excepção de Adamastor que é um bom nome para um planeta que sabemos existir, mas nunca “vimos”. Nomes de cientistas, navegadores (alguns já lá estão), ou, como no caso espanhol, autores e personagens de ficção. “Velhos do Restelo”, uma das personagens mais interessantes dos Lusíadas, que todos referem sem saber o que Camões  dele diz, é  um bom nome. E não colhe a eventual dificuldade da pronunciação, como se vê com o cometa com o nome amável de 67P/Churyumov-Gerasimenko.

Não é por qualquer razão de nacionalismo barato que meto esta “cunha” de perseverança na nomenclatura portuguesa, mas porque este aspecto simbólico é muito importante para mobilizar a curiosidade e por ela o interesse pela ciência.

Terceira cunha: uma biblioteca para Maria José Moura

No dia em que sair este artigo a Maria José Moura será a mais surpreendida. Nada lhe disse, nem com ela falei desta matéria, mas há casos em que há uma enorme justiça a fazer e eu posso ajudar a que ela seja feita. É uma oportunidade que não posso falhar, nem me interessa falhar porque se deste artigo resultar aquilo que proponho – uma proposta sem custos, sem prejuízo para ninguém, mas uma proposta que nos melhora a todos, - dou por bem gastas estas linhas do PÚBLICO.

Maria José Moura não é conhecida do grande público, como muita gente de mérito em Portugal, mas é uma figura tutelar, familiar, próxima de todos os que trabalham ou trabalharam nas bibliotecas em Portugal. O que lhe devemos é nem mais nem menos do que centenas de bibliotecas por todo o país, a modernização da formação de centenas de bibliotecários, a internacionalização da sua profissão, a dinamização da BAD, e um esforço constante para que todos os portugueses, nos municípios, nas escolas, um pouco por todo o lado, possam aceder aos livros e ler. Todo este trabalho de décadas teve em Maria José Moura o protótipo do que deve ser uma alta funcionária pública, num país que maltrata os seus funcionários públicos, mesmo quando muito lhes deve.

Já varias vezes falei a quem de direito de que haveria uma simples homenagem a Maria José Moura, que certamente a satisfaria: dar o seu nome a uma biblioteca, modesta e pequena que seja. Mas Portugal é um país com muita inércia e muitas cunhas, e não havendo impulso e movimento,  as coisas não avançam. Retomo de novo esta questão porque vi notícias sobre a inauguração de mais uma nova biblioteca, a de Marvila, sem nome. Seja essa, seja outra, o que era importante era dar o nome de Maria José Moura a uma biblioteca, porque todos nós que gostamos de livros entendemos que a leitura é um dos principais instrumentos para dar poder às pessoas numa democracia.