Os Últimos Dias da Humanidade: uma maratona teatral

Encenada por Nuno Carinhas e Nuno M. Cardoso, a peça coloca em palco 21 actores.

Os Últimos Dias da Humanidade Paulo Pimenta
Fotogaleria
Os Últimos Dias da Humanidade Paulo Pimenta

No Teatro Nacional S. João vai viver-se este sábado, dia 19, um momento único na vida teatral do Porto: a apresentação integral da peça Os Últimos Dias da Humanidade, a desmesurada obra-prima de Karl Kraus sobre a I Guerra, numa maratona que se inicia às 15h e só termina oito horas mais tarde, às 23h. Mas não se assuste: há intervalos que darão tempo para ingerir uma sanduíche e tomar um café, embora o génio e o humor de Kraus cheguem e sobrem para manter desperto o mais ensonado dos espectadores.

Encenada por Nuno Carinhas e Nuno M. Cardoso, a peça coloca em palco 21 actores, que se desdobram em quase 200 personagens, o que obriga a um constante rodopio de mudanças de roupa nos bastidores. E quando se sentar para ver estes Últimos Dias da Humanidade, tão actuais hoje como há cem anos, quase não reconhecerá a sala, cuja plateia foi totalmente coberta e transformada (em vários sentidos) num campo de batalha.

<i>Os Últimos Dias da Humanidade</i>
Os Últimos Dias da Humanidade Paulo Pimenta
<i>Os Últimos Dias da Humanidade</i>
Os Últimos Dias da Humanidade Paulo Pimenta
<i>Os Últimos Dias da Humanidade</i>
Os Últimos Dias da Humanidade Paulo Pimenta
<i>Os Últimos Dias da Humanidade</i>
Os Últimos Dias da Humanidade Paulo Pimenta
<i>Os Últimos Dias da Humanidade</i>
Os Últimos Dias da Humanidade Paulo Pimenta
<i>Os Últimos Dias da Humanidade</i>
Os Últimos Dias da Humanidade Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Sugerir correcção