Paulo Varela Gomes distinguido com Grande Prémio de Romance e Novela

Escritor morreu em Abril, aos 63 anos.

Paulo Varela Gomes, em 2013
Foto
Paulo Varela Gomes, em 2013 Miguel Manso

O escritor e historiador Paulo Varela Gomes foi distinguido, a título póstumo, com o Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores (APE), pela obra Era uma vez em Goa, foi anunciado nesta segunda-feira.

O júri decidiu atribuir o prémio por unanimidade, ao final da quarta reunião.

Paulo Varela Gomes morreu em Abril passado, aos 63 anos, mas a organização aceitou a admissão do romance a concurso, por ter sido editado ainda em vida do autor.

Eram finalistas a este prémio, no valor de 15 mil euros, as obras Flores, de Afonso Cruz, As Claras Madrugadas, de Amadeu Lopes Sabino, Os Timorenses (1973-1980), de Joana Ruas, e O Sonho Português, de Paulo Castilho.

O júri da 34.ª edição do Grande Prémio de Romance e Novela foi constituído por José Correia Tavares, Dionísio Vila Maior, Fernando Pinto do Amaral, Isabel Cristina Rodrigues, José Manuel de Vasconcelos e Paula Mendes Coelho.

Nascido em 1952, Paulo Varela Gomes licenciou-se em História, fez o mestrado em História da Arte e doutorou-se em História da Arquitectura, tendo sido professor da Universidade de Coimbra, onde deu a última aula em Dezembro de 2012, sob o título de Do sublime em arquitectura.

Morreu a 30 de Abril passado, aos 63 anos, quatro anos depois de lhe ter sido diagnosticado um cancro.

O processo de descoberta e consequente vivência com o cancro foi relatado pelo autor no texto Morrer é mais difícil do que parece, incluído em 2015 na revista Granta, e amplamente divulgado na Internet.

Entre o diagnóstico e o momento da escrita do texto na Granta, Varela Gomes publicou três romances (entre os quais Hotel, com o qual venceu o prémio PEN Narrativa em 2015), uma colectânea de colunas para jornais e terminou mais um romance e um livro de contos.

Paulo Varela Gomes foi representante da Fundação Oriente em Goa, de 1996 a 1998 e, mais tarde, entre 2007 e 2009.

Era uma vez em Goa, publicado em Fevereiro de 2015 pela Tinta-da-China, é "um divertimento: uma ficção construída a partir de fragmentos de muitas coisas que o Paulo Varela Gomes sabe sobre a Índia, e de algumas outras que preferiu não saber, para poder imaginar", lê-se no prefácio de Ivan Nunes a este romance.

Intempestivo, pessimista, sempre radical