Associações acusam comentador da TVI de promover racismo

Psicólogo Quintino Aires fez generalizações sobre cidadãos de etnia cigana e Manuel Luís Goucha tratou de rebater.

Quintino Aires: “A maioria [dos ciganos] trafica droga e não trabalha”
Foto
Quintino Aires: “A maioria [dos ciganos] trafica droga e não trabalha” DR

O psicólogo Quintino Aires fez generalizações na TVI sobre os cidadãos de etnia cigana que estão a gerar grande indignação. Catorze associações pedem ao canal que assuma uma posição e exigem à Ordem dos Psicólogos, à Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial e à Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) que actuem.

Tudo aconteceu na quarta-feira de manhã no programa de entretenimento “Você na TV”, apresentado por Cristina Ferreira e Manuel Luís Goucha. No decurso da habitual "Crónica criminal", comentavam uma notícia sobre um grupo que terá danificado um quartel e agredido bombeiros. “A etnia cigana não está integrada em Portugal”, afirmou Quintino Aires. “A etnia cigana não respeita as normas do país onde vive. Invadem as escolas, invadem os hospitais. Não respeitam regra absolutamente nenhuma.”

Manuel Luís Goucha chamou a atenção do comentador: “É importante não generalizar. Há muitos elementos de etnia cigana que estão integradíssimos, até são licenciados, são presidentes de câmara.” E ele contestou: “Raríssimos. Não, não. A maioria vive dos subsídios ou trafica droga e não trabalha. Diga-me a lista dos trabalhos dos ciganos.”

Goucha ainda advertiu: “Acho esse discurso muito perigoso.” E Quintino persistiu: “Não é  perigoso. O perigoso é nós não resolvermos o problema, porque estamos aqui com falinhas mansas a enfrentar as situações.” Goucha tornou: “Não, é que há elementos maus em todas as comunidades.” E Quintino interrompeu-o: “Sim, mas maioritariamente nos ciganos.”

Por momentos, parecia que o discurso de Quintino estava a mudar: “Temos grandes trabalhadores. Temos o Ricardo Quaresma, que gostava de trabalhar.” Goucha entusiasmou-se: “Olhe, belo exemplo.” Só que o psicólogo retomou: “Não é porque meia dúzia trabalha que vamos ter generalização. Chegam à Segurança Social, querem subsídios para todos e ainda batem nas pessoas se não estão lá. Querem a escola, querem a escola à maneira deles. Chegam aos hospitais, invadem, não respeitam as regras.”

Num instante, Manuel Luís Goucha tornou-se numa espécie de herói dos cidadãos de etnia cigana e dos que defendem os seus direitos. E uma petição pública a reclamar o afastamento do comentador juntou já mais de 700 assinaturas. “Quintino Aires proferiu declarações ultrajantes e mentirosas baseadas somente no seu preconceito e ódio”, lê-se. Procurando afastar o argumento da liberdade de expressão, o documento lembra que “racismo não é opinião, é um crime”.

Ao final do dia desta sexta-feira, 14 associações e três eleitos pelas associações ciganas para o Grupo Consultivo para a Integração das Comunidades Ciganas subscreveram um comunicado a dizer que as declarações de Quintino “são inadmissíveis, porquanto reproduzem preconceitos e estereótipos e promovem posições racistas” e que “não aceitam que o espaço mediático possa ser utilizado como veículo de propagação de discursos de ódio”. Solicitam, então, à TVI que tome uma posição pública e à Ordem dos Psicólogos, à Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial e à ERC que actuem.

O PÚBLICO tentou contactar Quintino Aires por telefone, através do seu instituto, e por e-mail, mas até agora não conseguiu obter uma reacção.