Edgar Silva diz que Passos confirmou que Marcelo e Cavaco são iguais

Candidato presidencial em campanha no Norte do país.

Foto
guilherme Marques

O candidato presidencial Edgar Silva afirmou nesta quarta-feira que viu confirmada a tese de que o seu adversário Marcelo Rebelo de Sousa não difere política e ideologicamente de Cavaco Silva, referindo-se à entrevista do ex-primeiro-ministro e presidente do PSD, Passos Coelho.

À margem de contactos com trabalhadores da indústria de componentes automóveis, na Maia, o membro do Comité Central do PCP analisou as declarações do anterior Chefe de Governo à Rádio Renascença.

"No essencial, na concepção da Presidência e na natureza das políticas, não se diferenciam - Cavaco e Marcelo Rebelo de Sousa. Dizia Passos Coelho que, sendo personalidades e estilos diferentes, a natureza das políticas e a concepção dos poderes e exercício das funções presidenciais não se diferenciam", disse, criticando "a reserva mental" que aquelas personalidades têm face a "partes da Constituição" da República.

O antigo padre e deputado regional madeirense sublinhou que Rebelo de Sousa e Passos Coelho "quiseram impor uma revisão constitucional [em 2010], que atentava contra direitos dos trabalhadores, como pôr fim ao despedimento só com justa causa".

"O que confirma é que, quer em relação a Rebelo de Sousa, quer a Cavaco Silva, não há qualquer diferenciação de fundo. Ele [Passos Coelho] não só apoiou Cavaco Silva como apoiou agora Rebelo de Sousa", frisou Edgar Silva, salientando a "identidade comum", mas "talvez um mais sorridente que outro".

O candidato aproveitou a rua Cavaco, em Vermoim, arredores da Maia, para valorizar a "força do trabalho" para o progresso do país, junto de fábricas de componentes de automóveis.

"Esta candidatura tem como componente e pilar fundamental a defesa dos trabalhadores e do trabalho", reforçou, destacando o "contacto de proximidade" com os operários com o objectivo de defender "direitos, liberdades e garantias", na valorização da "força do trabalho", algo que considera não ser "uma nota de rodapé", mas um aspecto bem distintivo, por exemplo, da candidatura apoiada por PSD e CDS-PP, de Marcelo Rebelo de Sousa.

 

Sugerir correcção
Comentar