Nuno Baltazar em África no último dia de Verão do Portugal Fashion

Os 20 anos do 37.º Portugal Fashion fecharam a quente e com um orçamento 1,2 milhões de euros para a estação. Em quatro dias, 25 mil pessoas passaram pelo evento.

Fotogaleria
A colecção de Nuno Baltzar inspira-se em África Minha e Karen Blixen DIOGO BAPTISTA
Fotogaleria
Nuno Baltzar e a sua visão da vida de Karen Blixen no Quénia DIOGO BAPTISTA
Fotogaleria
"Quis criar looks tanto europeus como citadinos", disse Baltazar aos jornalistas DIOGO BAPTISTA
Fotogaleria
Baltazar interessou-se pela forma como Blixen marcou "a visão que temos do continente" DIOGO BAPTISTA
Fotogaleria
Nuno Baltazar cumpriu este Outubro um ano de regresso ao Portugal Fashion DIOGO BAPTISTA
Fotogaleria
Detalhe do calçado usado no desfile de Nuno Baltazar DIOGO BAPTISTA
Fotogaleria
A sala encheu-se para ver a colecção para o próximo Verão de Baltazar DIOGO BAPTISTA
Fotogaleria
As cores quentes da colecção de Nuno Baltazar DIOGO BAPTISTA
Fotogaleria
DIOGO BAPTISTA
Fotogaleria
A colecção Club de Luís Buchinho DIOGO BAPTISTA
Fotogaleria
A colecção Club de Luís Buchinho DIOGO BAPTISTA
Fotogaleria
A colecção Club de Luís Buchinho DIOGO BAPTISTA
Fotogaleria
Luís Buchinho no Quartel Serpa Pinto DIOGO BAPTISTA
Fotogaleria
O Portugal Fashion termina este sábado à noite DIOGO BAPTISTA

Uma peça de roupa tem história – remete-nos para uma viagem, um momento especial, um sentimento. A história das peças de Nuno Baltazar é a de Karen Blixen em África Minha e a sua apresentação Primavera/Verão 2016, com cores quentes e vista para o Douro. A 37.ª edição do Portugal Fashion, que termina este sábado no Porto, contou com um orçamento de 450 mil euros, mas no total da estação levar o próximo Verão de criadores portugueses a outras quatro cidades europeias custou 1,2 milhões de euros.

A manhã de sábado chuvoso não assustou o público de Nuno Baltazar, que apresentou o seu tributo ao 30.º aniversário do filme de Sidney Pollack nas antigas oficinas da Alfândega do Porto, junto ao rio. Com a narração da história da escritora dinamarquesa Karen Blixen, que viveu no Quénia entre os anos 1915 e 1931, a ressoar na sala (pequena demais para convidados do criador, imprensa e alguns buyers ), as mulheres de Baltazar desfilaram texturas, cores e detalhes que evocavam a etnia Kikuyu da região dos Grandes Lagos africanos.

De peças branco-pérola mais sofisticadas a jacquards com telas mais pesadas, passando por opções mais casuais em ganga leve - numa paleta quente de laranjas, terracota, amarelo-torrado, ouro e silhuetas justas na cintura, muitas com decotes em V. A complementar, óculos de sol. "Quis criar looks tanto europeus como citadinos que contam histórias, contam a experiência de Karen Blixen, da Dinamarca para o Quénia, e a forma como marcou África e a visão que temos do continente", justificou o designer aos jornalistas no final do desfile.

O financiamento do Portugal Fashion é feito através do Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN) no âmbito do Programa Compete e está garantido até 2020. Com a moda de autor a ganhar protagonismo no Portugal Fashion – e o evento a multiplicar desfiles em cidades como Berlim, Londres, Milão ou Paris – o criador, que tem loja e estrutura na cidade do Porto, tem como objectivo internacionalizar a marca mas admite que isso “depende, também, da organização” do evento. Nuno Baltazar voltou a apresentar-se no Porto em Outubro de 2014, oito anos depois da última presença no Portugal Fashion – período em que mostrava as suas colecções na ModaLisboa.

Já Luís Buchinho, que se apresenta no Portugal Fashion desde 1995, levou uma discoteca (Club é o nome desta colecção) ao Quartel Serpa Pinto – a única mudança de local do dia, fruto da descentralização do local dos desfiles que a organização incentiva há um ano. Tecto, janelas e bancos forrados a vinil preto e inspiração na música The Chauffeur dos Duran Duran e a colecção de Buchinho, já apresentada em Paris, a envolver várias personagens - femme fatales, androginia com base nas primeiras boyband e a excentricidade de grupos musicais como os Culture Club ou Thompson Twins - e uma mistura propositada de materiais que conferem diferentes texturas.

Numa sala cheia, propôs fendas nas mangas dos casacos e das blusas, dos macacões e também fendas laterais ou centrais em calças. O que faz com que silhuetas rígidas, mais associadas ao sexo masculino, se tornem fluidas, mais femininas.

O último dia de apresentações, com alguns atrasos na sequência da mudança de localização, continuou com as propostas de Inês Marques, [UN]T, Mafalda Fonseca e de alunos de três escolas de moda (Modatex, Escola Superior de Artes e Design e Escola de Moda do Porto) na plataforma de novos talentos Bloom. Estes desfiles de jovens designers, abertos ao público – assim como a instalação dos 20 anos do Portugal Fashion, com uma passerelle a fazer de entrada para recortes de artigos de imprensa sobre as edições do evento, retratos dos criadores e dos modelos –, são feitos numa sala da Alfândega do Porto, o “centro nevrálgico” do evento, e dois pisos abaixo da passerelle principal.

A tarde do Portugal Fashion, com um calendário apertado entre desfiles principais e da plataforma Bloom com apresentações quase em simultâneo, continuou com seis marcas de calçado e sete de vestuário - e os desfiles de indústria, parte do ADN do evento (pensado para fazer uma ponte entre o tecido industrial e o design de autor), atraíram o público também pela sua componente espectáculo, com coreografias diferentes dos tradicionais desfiles e figuras conhecidas como o actor Lourenço Ortigão ou o surfista Garrett McNamara. Seguiu-se o designer de calçado Luís Onofre e, à noite, Carlos Gil fecha esta edição com a sua colecção New Sartorial, já apresentada em Milão, num evento paralelo à semana de moda, com o apoio do Portugal Fashion, e há duas semanas na ModaLisboa. 

A jornalista está hospedada a convite do Portugal Fashion