Mishmash
Foto
Mishmash Mishmash

Mishmash: cadernos à antiga com aspecto minimalista

Beatriz Barros e Ricardo Barbosa criaram uma marca de material de escritório minimalista. Projecto inspirado nas papelarias antigas tem uma campanha de crowdfunding no Kickstarter

A infância de Beatriz Barros foi marcada pela papelaria antiga que o seu avô tinha. Cresceu “rodeada pelo cheiro a papel”, numa “história de amor desde as resmas de papel aos envelopes vintage”. A Mishmash — marca de material de escritório minimalista — nasceu desta inspiração familiar e está à procura de financiamento para produzir os primeiros cadernos.

A designer de comunicação de 23 anos e o colega Ricardo Barbosa, da mesma idade, dedicaram-se a tentar “preencher uma falha da exploração de conceitos relacionados com o mundo da papelaria”. “Inovação sem limites num mercado acomodado, sempre à procura de despertar a criatividade existente dentro de todas as mentes” é aquilo que os dois jovens do Porto se propõem fazer.

PÚBLICO -
Foto

Da família Mishmash fazem parte vários cadernos de modelos diferentes, totalmente confeccionados em Portugal com “papéis premium”. O Mishmash é o produto de referência da marca, com folhas de diferentes texturas, cores e peso, voltado “para pessoas versáteis”. Encadernados por uma empresa com mais de 100 anos de experiência, os cadernos têm características fora do vulgar.

Existe um modelo com separadores — semelhantes àqueles usados dos dossiers — e folhas quadriculadas, de linhas e lisas e outro com três tamanhos diferentes de papel. “I am leaning” é um caderno pensado para quem prefere inclinar a folha quando escreve e, por isso, as linhas têm uma inclinação de 30 graus.

PÚBLICO -
Foto

“A Mishmash quer ser uma marca de referência em material de escritório, tendo como base produtos disruptivos que se encontrem um passo à frente do mercado, combatendo assim as barreiras do design editorial”, pode ler-se na página da campanha de crowdfunding no Kickstarter. Até 4 de Setembro, Beatriz e Ricardo esperam conseguir angariar 10.000 euros através da venda dos cadernos (o mais simples começa nos 7 euros). Em Novembro, a Mishmash vai bater à porta dos clientes com as encomendas prontas.