Conselho de Segurança Alimentar reunido após estudo sobre carne de vaca picada

Estudo da Deco revelou irregularidades "graves" em produtos de 26 talhos. ASAE questiona métodos de amostragem da associação.

Foto
Nuno Ferreira Santos

O Ministério da Agricultura confirmou ao PÚBLICO que o conselho, criado após os casos de carne de cavalo encontrada em alguns produtos à venda em Portugal, em 2013, vai reunir-se no seguimento de um pedido apresentado pela Deco junto da Secretaria de Estado da Alimentação e da Investigação Agroalimentar.

No encontro estará representada a associação de defesa do consumidor, bem como a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) e as entidades ligadas à produção, distribuição, comercialização e fiscalização deste tipo de produtos alimentares. Para já, a tutela não avança com medidas possíveis para este caso ou comenta a posição da Deco, que defende a proibição da venda de carne já picada.

Esta terça-feira, a associação revelou que uma análise a amostras de carne de vaca picada vendida em 26 talhos da Grande Lisboa, de Setúbal e do Grande Porto concluiu que todos os estabelecimentos mantinham o produto sob temperaturas acima do previsto por lei e sem as devidas condições de higiene e de conservação.

Dos estabelecimentos, 23 adicionaram sulfitos à carne e 12, que já tinham sido alvo de uma investigação pela Deco em 2013, voltaram a revelar “más práticas” de conservação e comercialização de carne de vaca picada, principalmente a adição de sulfitos. A associação considera que a existência de repetentes em práticas negligentes revela que a fiscalização a estes estabelecimentos por parte das autoridades competentes, neste caso a ASAE, “falha”.

ASAE questiona metodologia da Deco
Numa nota enviada ao PÚBLICO, a ASAE questiona a clareza e cientificidade da metodologia usada pela Deco para a realização do estudo, considerando ainda que a amostra reunida – carne de vaca picada de 26 talhos - foi “claramente insuficiente tendo em conta o universo em causa, condicionando as conclusões divulgadas”.

Na questão dos sulfitos, substâncias que evitam o desenvolvimento de microrganismos e ajudam a manter a cor original dos alimentos, a autoridade explica que se trata de “aditivos alimentares aprovados como conservantes que podem ser utilizados em variadíssimos géneros alimentícios”. Neste caso particular, a ASAE sublinha a necessidade de confirmar se amostras recolhidas pela Deco foram “efectivamente amostras de carne picada” ou se foram colhidas amostras de preparados de carne mas que estariam a ser vendidos como carne picada.

Se a Deco concluiu que 23 dos 26 talhos usavam sulfitos na carne de vaca picada, dez deles localizados na região da Grande Lisboa e Setúbal, a ASAE indica que, em 2014, na região da Grande Lisboa recolheu 42 amostras de carne, “não tendo sido detectado qualquer resultado não conforme”.

A autoridade refere ainda que no ano passado realizou acções de fiscalização a 676 estabelecimentos de comércio a retalho de carne e produtos à base de carne e que instaurou 21 processos-crime e 152 processos de contra-ordenação. As principais infracções encontradas foram ao nível de higiene e de rotulagem dos produtos. Dos cerca de 660 mil euros apreendidos em carne, a ASAE indica que apenas 325 euros se referiam a carne picada, perto de 70 quilos.

"Bom senso" contra "alarmismos"
A Deco avança que nas amostras recolhidas foram encontrados “muitos problemas microbiológicos”. No total, quase metade das amostras continha listeria monocytogenes e, no Grande Porto, 30% salmonela, ambas “bactérias potencialmente patogénicas”, como sublinha a associação.

Mário Durval, presidente da assembleia geral da Associação de Médicos de Saúde Pública, admite a perigosidade destas bactérias nos alimentos e condena a desnecessária adição de sulfitos mas alerta contra alarmismos. O médico afirma ao PÚBLICO que qualquer microorganismo deste género é “indesejável seja qual fora a sua quantidade” mas que é necessário “analisar a quantidade em função de quem a ingere, se tem mais ou menos resistência, se é alérgico, se tem mais anticorpos para alguns desses microorganismos”.  

Mário Durval realça que pode haver negligência por parte de quem produz, distribui e comercializa um produto alimentar mas que cabe também a quem o consome tomar medidas para reduzir ao máximo a possibilidade da existência de microorganismos nocivos. E isso passa por cozinhar bem os alimentos. 

“É quase impossível no limite garantir que não haverá ninguém a revelar algum problema. Haverá sempre alguém que irá ter problemas mesmo com o melhor dos bifes. É preciso bom senso na análise dos valores de microorganismos e de aditivos que são encontrados de uma forma algo arbitrária, sem substrato, sem um grande trabalho de estudo”, argumenta.

O responsável deixa transparecer que não há fórmulas que garantam a absoluta segurança dos alimentos mas que há formas de diminuir a sua nocividade ou mesmo eliminá-la. No caso da carne de vaca picada, e à semelhança do que recomenda a Deco, os médicos de saúde pública aconselham a consumir apenas carne picada na altura da compra.