Esta vila ecológica e sustentável pode arrancar em 2015

Rui Vasques criou um modelo de comunidade auto-suficiente, pensado para mudar consciências e poupar recursos. Projecto piloto da “Eco-Village Community” deve arrancar em 2015, na região Centro, com um orçamento “low-cost”

Foto
Live With Earth Live With Earth

Uma comunidade sustentável e ecológica — recorrendo a matérias-primas recicladas e recursos naturais e locais — e voltada para a educação das pessoas e mudança de consciências é o que Rui Vasques ambiciona construir em Portugal. O designer de 26 anos desenhou a “Eco-Village Community”, que está prestes a passar de “modelo conceptual” a realidade.

A ideia surgiu durante o mestrado em Design e Produção Industrial, no Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing (IADE), ainda em 2012. Rui, nascido no Brasil, interessou-se pelos problemas das sociedades globais actuais e decidiu pesquisar formas de integrar “o conhecimento antigo e o design e a tecnologia de hoje” em soluções sustentáveis. A tese de mestrado, intitulada “Eco-Village Community”, foi avaliada em 20 valores.

Em Coja, perto de Arganil, Rui conseguiu um terreno onde vai implementar uma mini eco-vila, sempre com o mote “fazer mais com menos”. Idealmente, a comunidade terá “espaço para campismo e vários ‘bungalows’ singulares”, num modelo de negócio ainda a definir com não mais do que vinte estruturas. Voltado para o turismo, o projecto pode vir também a acolher “um museu ao ar livre e um espaço para terapias e eventos”. Tudo construído em torno de um centro, para onde todos os membros da comunidade devem convergir, e cujo projecto deverá arrancar em 2015. “Um dos melhores barros de Portugal e da Península Ibérica é da região”, refere. As construções, de dimensão reduzida para serem testadas, serão feitas com “várias misturas” deste barro. “A reacção das pessoas tem sido boa, gostam porque se sentem inspiradas pela ligação com a natureza, a evolução e o campo.”

Foto
Rui Vasques tem 26 anos e vive em Carcavelos DR

Há três princípios que, para Rui, são fundamentais: “a construção local, a auto-suficiência energética e a produção local de recursos”. “Claro que há locais em que não é possível ter todos os recursos”, admite, em entrevista ao P3, mas o objectivo é ser o mínimo dependente possível. Esta vila comunitária e sustentável deve “utilizar técnicas de construção ancestral, de terra ou pedra”, idealmente com recursos locais. “O 'super adobe', ou sacos de terra compactados, foi a tipologia de construção que achei mais resistente, barata e inovadora, adaptável para qualquer parte do mundo”, diz.

Foto
Esta casa, construída no Festival Andanças de 2014, não ultrapassou os 300 euros de orçamento Live With Earth

Em termos de produção local, Rui aposta em agricultura biológica e energias renováveis. Tudo para “começar a fechar os ciclos da matéria orgânica”: compostagem, permacultura e hidroponia são algumas das técnicas que podem ser usadas, a par da produção de biomassa, tratamento de águas locais e captação de água das chuvas.

Para conseguir concretizar o projecto, já registado, o jovem quer criar uma organização não-governamental para o desenvolvimento sustentável (ONGD) que consiga estabelecer parcerias e ser bem sucedida no desenvolvimento comunitário. Em Agosto último, juntamente com Ricardo Fernandes, da Associação Green Concentration - Ginjões de Baixo (parceira de Rui no projecto), Rui foi convidado pela organização do Festival Andanças a construir “uma casa natural” [vê vídeo ao lado]. Aproveitaram para testar o modelo e utilizar várias técnicas e materiais, “como pneus, fardos de palha, troncos de madeira e terra, garrafas e pinturas com pigmentos naturais”. No final, o orçamento da “eco-casa” não ultrapassou os 300 euros.

Artigo actualizado às 14h53 do dia 12 de Novembro de 2014.