México despachou a Croácia com uma vitória de que nem precisava

Equipa de Miguel Herrera segue para os oitavos-de-final depois de vencer a Croácia por 3-1.

Foto
Rafa Márquez marcou o primeiro do México Paul Hanna/Reuters

Uma grande exibição na segunda parte garantiu ao México uma vitória por 3-1 sobre a Croácia e a permanência no Mundial. A selecção europeia nunca teve argumentos para contrariar a organização mexicana, que soube dar o golpe na altura certa.

Havia muito em jogo entre Croácia e México no encontro da última jornada do grupo A do Mundial 2014. Com o Brasil virtualmente apurado para os oitavos-de-final, as duas selecções disputavam uma única vaga na fase seguinte. O México, com mais um ponto, precisava apenas de um empate. À Croácia apenas a vitória interessava.

Os primeiros minutos indiciaram isso mesmo. Sentia-se a tensão no ar, nenhuma das equipas queria arriscar em demasia, pois qualquer golo poderia ser decisivo. A Croácia encontrou muitas dificuldades em contornar a bem montada defesa mexicana e Guillermo Ochoa – o herói contra o Brasil – praticamente não foi chamado a intervir.

Na verdade, a melhor oportunidade do primeiro tempo pertenceu ao México. Aos 16’, Herrera fez um belo remate que só parou na barra. A Croácia tinha mais bola, mas não sabia o que havia de lhe fazer. Mandzukic esteve sempre muito solitário no ataque e faltou a criatividade de Modric e de Rakitic. Ao intervalo, a Croácia estava eliminada e parecia não ter ideias de como reverter a situação.

Tudo mudou na segunda parte, mas a favor do México. A equipa de Miguel Herrera imprimiu uma nova rapidez no seu jogo e parecia que eram os mexicanos que precisavam de marcar. A Croácia continuava sem conseguir criar e Niko Kovac tentou mudar o rumo dos acontecimentos a partir do banco. O médio Kovacic e o avançado Rebic foram lançados com o objectivo de dar alguma frescura e juventude ao ataque croata. Herrera respondeu na mesma moeda e, sem se escudar na defesa do resultado, apostou em Chicharito Hernandez.

As mudanças mal tiveram tempo de surtir efeito, quando se deu o primeiro abalo em Recife. Na sequência de um canto, o capitão Rafa Márquez salta mais alto que todos e faz o primeiro golo do México, aos 72’. Pletikosa deixou escapar a bola e ficou mal na fotografia.

Os alarmes soaram entre o conjunto europeu, que pareceu finalmente ter-se apercebido de que estava prestes a fazer as malas. Mas foi precisamente quando se encontrava balanceada para o ataque que a Croácia sofreu o segundo golo, que praticamente sentenciou o seu destino. Uma troca de bola muito rápida entre Hernandez e Peralta conduz os mexicanos até à área croata. Guardado aparece sozinho para receber a bola e faz o 2-0. Em apenas três minutos, os mexicanos asseguravam a continuação no Mundial.

Se já estava mal, a Croácia passou a estar destroçada. Os croatas ainda ensaiaram uma resposta, através de uma boa jogada de Rebic, mas o seu remate foi cortado por Hector Moreno em cima da linha. Não havia volta a dar. O México estava no paraíso e já tinha entrado na fase dos “olés”. Novo canto e novo golo, desta vez por Chicharito. E agora o México já se dava ao luxo de ambicionar o primeiro lugar no grupo. O Brasil vencia os Camarões por 3-1 e mais um golo mexicano permitia evitar a Holanda nos “oitavos”.

Houve mais um golo, sim, mas para a Croácia. Rakitic encontra – com um passe de calcanhar – Perisic na área que não deu hipóteses a Ochoa. Um golo (87’) que serve apenas para os croatas se gabarem de terem sido a primeira equipa a violar as redes mexicanas na competição.

O México segue com toda a justiça para os oitavos-de-final e tem encontro marcado com a Holanda em Fortaleza no próximo domingo, num desafio que não será certamente fácil para a “laranja mecânica”.