Os cachecóis e as camisolas que ficaram à chuva

Foto
Patricia Melo Moreira/AFP

A estrutura só não protegia os testemunhos que continuavam a chegar uma semana depois da morte de Eusébio. De todas as cores e destinos. Havia um cachecol do Atlético Clube Bougadense, do Trofense, do Infesta, do Desportivo de Chaves, do Sporting de Braga. E claro, muitos do Benfica, que iam formando um monte junto à porta fechada do memorial. Lá dentro havia desumificadores. Cá fora, só chuva e chão. Também estava à mercê dos elementos uma camisola do Benfica de outros tempos que Aurélio Dias, “sócio 29 mil e tal”, deixou.

A entoação do discurso denuncia as suas origens nortenhas. Porto? “Nem pensar! Odeio essa palavra! Venho da Trofa”, diz Aurélio, insistentemente interrompido por um amigo portista que até era benfiquista mas que, segundo o próprio, “depois viu a luz”. “Se me abrirem o coração, sai de lá Benfica”, diz Aurélio, que foi lá meter a camisola no monte porque era aquilo que o pai queria. A conversa só não durou mais porque o amigo portista o estava a puxar para o estádio, onde o jogo iria começar dali a uma hora e onde estariam protegidos da chuva.

A camisola, essa, ficou lá, por cima de um monte de dezenas de cachecóis e outros objectos, à espera de se juntarem às outras oferendas de homenagem, na companhia dos desumificadores e da estátua de bronze. Através do vidro molhado dava para ler alguns dos tributos.

Não apenas os cachecóis (de origens tão variadas como França, Brasil, Angola, Moçambique, de clubes que iam do Sporting ao Lixa, Sertanense, Tires, Atlético do Cacém, Chelsea e de muitos outros), mas também fotografias com mensagens, desenhos de crianças, cartões de sócio do Benfica antigos, folhas de papel com mensagens a começar com “Querido Eusébio”, “Grande Eusébio”, ou qualquer outra variação semelhante.

Tributos espontâneos de admiração sincera, como este escrito numa cartolina amarela: “Eusébio, não venho aqui para te dizer adeus, mas para dizer obrigado.”