Lisboa aumenta para 52 os contentores de obras para depósito de lixo

Câmara mandou instalar mais 20 grandes contentores no fim-de-semana para tentar conter os efeitos da greve dos cantoneiros.

Os efeitos da greve à recolha do lixo são visíveis em várias zonas da capital
Foto
Autarquia quer instalar ecocentros na cidade e aumentar a recolha porta-a-porta Rui GaudÊncio

A Câmara de Lisboa aumentou para 52 o número de contentores de obras para depósito do lixo, com o objectivo de minimizar o impacto da greve dos cantoneiros que termina no próximo domingo.

Na última sexta-feira, o presidente da câmara da capital, António Costa, mandara instalar 32 grandes contentores para fazer face à acumulação de lixo nas ruas e casas dos lisboetas, aumentando agora em mais 20 o número de contentores instalados em locais estratégicos da cidade.

A lista dos locais onde os contentores foram colocados temporariamente durante o período de greve, em várias ruas e avenidas mas também junto a igrejas e largos, está disponível no site do município

DGS renova apelo
Na última sexta-feira, a Direcção-Geral da Saúde repetiu o apelo para que os lisboetas não coloquem o lixo na rua, enquanto durar a greve dos trabalhadores de limpeza da Câmara Municipal de Lisboa.

Num comunicado assinado pelo director-geral de Saúde, Francisco George, a DGS repete o apelo que já tinha feito e pede que os cidadãos separem o lixo orgânico do reciclável, que fechem bem os sacos (de preferência duplos) e os coloquem em “espaço específico da habitação/prédio, evitando a sua deposição na rua”.

“Não havendo condições de manutenção dos resíduos indiferenciados na habitação/prédio, os sacos devem ser “arrumados” o melhor possível no espaço público, junto aos contentores existentes. Esta medida visa reduzir a ocupação de espaço público e evitar a dispersão dos resíduos pelo vento, pela chuva e pelos animais, bem como a proliferação de vectores, nomeadamente roedores”, lê-se no mesmo comunicado.

Graça Freitas, subdirectora-geral de Saúde, explicou à TSF que a situação não é grave e que a DGS está precisamente a tentar evitar que o lixo se acumule na cidade, deixando a saúde pública em risco.

Não à transferência para as juntas
Os trabalhadores de limpeza de Lisboa estiveram em greve ao trabalho normal desde terça-feira até sábado e continuarão a fazer greve ao trabalho extraordinário até dia 5 de Janeiro. António Costa, presidente da Câmara, já admitiu que a recolha do lixo só estará normalizada a 10 de Janeiro.

Os trabalhadores contestam a “externalização de serviços e de atribuições” decorrente da transferência de competências da câmara para as 24 juntas de freguesia da cidade.

A autarquia pretende transferir 1800 trabalhadores para as juntas, dos quais 870 são afectos aos serviços de higiene urbana. O Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa ainda acredita que pode reverter o processo, uma vez que o assunto terá de ser votado na assembleia municipal.