Afinal o burro mirandês não é a metáfora do interior, diz jornalista do The New York Times

Desta vez o assunto não é o clima ou a gastronomia que levam o jornal americano a escrever sobre Portugal, é sim a extinção do burro mirandês.

Foto
A capa da edição desta sexta-feira DR

Portugal é primeira página da edição europeia do New York Times num artigo com o título "Em Portugal, um burro de carga vive de subsídios". O burro mirandês, em risco de extinção. O PÚBLICO falou com o jornalista, que explicou não ser sua intenção fazer qualquer comparação com a situação do interior do país que sobrevive de "subsídios europeus".

O artigo da publicação norte-americana começa com uma frase sugestiva: "Hoje não é fácil ser burro." Segue para a descrição da função tradicional do burro mirandês – a de ajudar os agricultores de Miranda – e para a eventual extinção da espécie tipicamente portuguesa, entretanto substituída por maquinaria moderna e tractores no cultivo dos campos.

Não tarda a aparecer a primeira a metáfora: "Depois de décadas de negligência e, dizem alguns, desentendimentos, o destino do burro começa a assemelhar-se ao dos humanos, [por estarem] ameaçados pelo declínio da população e com a sobrevivência dependente, sim, de subsídios da União Europeia."

A aldeia de Paradela no concelho de Miranda do Douro é o cenário escolhido pelo jornalista Raphael Minder para explicar de que forma está a União Europeia a tratar "as suas zonas rurais", mais precisamente os países do Sul da Europa. De acordo com o artigo, a situação que Portugal atravessa é semelhante à extinção do burro mirandês.

“À medida que os jovens continuam a trocar as zonas rurais pelas cidades, os burros estão também ameaçados, porque os agricultores estão a ficar velhos e não podem cuidar deles”, pode ler-se no artigo do The New York Times.

Um interior desertificado, a agricultura abandonada, os cortes dos fundos europeus destinados ao sector primário, os apoios e o resgate financeiro que chegam das instituições da União Europeia são as preocupações do autor, que foram entendidas em Portugal como uma comparação.

Raphael Minder cita o ex-presidente da Junta de Freguesia de Ifanes, Miranda do Douro, Orlando Vaqueiro, para sustentar a ideia de que "hoje não é fácil ser burro" em Portugal: "Precisamos dos subsídios para manter os burros, mas o resultado é que todos se tornam completamente dependentes deles, portanto não há espírito de inovação nem desejo de modernizar ou produzir mais." 

O PÚBLICO contactou o jornalista para perceber se a sua intenção era ou não fazer uma comparação entre a extinção do burro mirandês e o interior do país. De acordo com o Raphael Minder, pensar numa comparação entre a espécie mirandesa e o país "é um absurdo".

"Quero deixar claro que não há nenhuma comparação propositada", declarou o jornalista, correspondente do jornal norte-americano em Portugal e Espanha.

"A única coisa que fiz foi dizer que aquelas regiões estão a passar dificuldades, que também vale a pena pensar nos animais, mesmo naqueles que, como o burro, não são tidos como raças em vias de extinção, como o lince e o lobo", esclarece o jornalista. "E também quis levantar a velha questão de que os subsídios europeus para a agricultura precisam ter um retorno sobre o investimento que o justifiquem", acrescenta. 

O jornalista disse ainda ao PÚBLICO ter recebido diversas mensagens de portugueses descontentes com a situação.