Berlim prepara-se para abrir a primeira coffee shop

Município da capital alemã aprovou construção de estabelecimento para a venda de marijuana. O objectivo é lutar contra o tráfico de droga.

Foto
Um dos argumentos invocados é o de que a “marijuana vendida pelo Estado é de melhor qualidade que a ilegal” Reuters/Enrique Castro-Mendivil

Será no Parque Görlitz, zona muito popular da cidade mas que nos últimos anos se tornou num dos principais locais de tráfico, que será construído o estabelecimento. A presidente do município, Monika Herrmann, eleita pelos Verdes, defende que a medida irá corrigir o falhanço da proibição de marijuana em vigor na Alemanha.

“A situação no Parque Görlitz mostra que a política de proibição das últimas décadas falhou. Chegou o momento de aplicar medidas fora do comum”, observou Herrmann, citada pelo Süddeutsch Zeitung.

A lei alemã proíbe a venda de marijuana, mas o executivo camarário já enviou a proposta para o Instituto Federal de Medicamentos e Dispositivos Médicos, que terá de aprová-la. “É a primeira vez que se faz uma proposta semelhante, portanto não se pode dizer se vai ser aprovada ou chumbada”, afirmou um porta-voz do instituto, citado pelo diário espanhol El País. A esperança do município é de que lhe seja concedida uma excepção baseada no interesse público da medida.

O diploma prevê que os futuros clientes terão de provar que têm mais de 18 anos e que nos locais será assegurada a presença de especialistas, que devem aconselhar sobre os malefícios do consumo de drogas.

O ministro do Interior do Estado de Berlim, Frank Henkel, eleito pelos conservadores da CDU, defende que “a ideia de se criarem coffee shops não é uma solução”. “A banalização de drogas perigosas não soluciona o problema”, acrescentou.

Pelo contrário, a autarca dos Verdes quer ir mais longe e sugere mesmo que a autorização se estenda a toda a capital. “Não se pode esquecer que a marijuana vendida pelo Estado é de melhor qualidade que a ilegal”, notou Herrmann.

A insegurança na zona é o grande argumento dos defensores da venda autorizada de drogas leves. No Parque Görlitz, durante os primeiros nove meses do ano, tiveram lugar 113 rusgas, de acordo com a polícia, sem que com isso o tráfico tenha cessado.