Este gelado brilha no escuro (graças a uma versão sintética de proteína de alforreca)

Esta sobremesa da "Lick Me I'm Delicious" é feita com uma versão sintética de uma proteína de alforreca. À medida que é ingerida, torna-se fluorescente

Foto
DR

Pode um gelado brilhar no escuro? Pode — se for feito com uma versão da proteína de alforreca que, num pH neutro, reage com o cálcio. Por outras palavras, quando a tal proteína extraída da medusa entra em contacto com a temperatura quente da língua, o gelado torna-se fluorescente. Assim é a sobremesa criada Charlie Harry Francis, fundador da empresa “Lick Me I’m Delicious”. 

Descendente de produtores de gelados, Francis teve a ideia após ter lido um estudo sobre alforrecas. Trabalhou em conjunto com um cientista chinês — cujo nome não é mencionado — e, juntos, produziram uma versão sintética da proteína da alforreca.

Embora as alforrecas sejam conhecidas pelo espigão tóxico que possuem, Charlie Francis garante, no seu blogue, que o sorvete fluorescente é seguro para consumo. “É seguro para comer? Bem, eu provei e não me parece que esteja a brilhar, então é um sim, por agora”.

Foto
Este buggy é uma das máquinas usadas para fazer os gelados

Cerca de 170 euros por colher

Para convencer os mais audazes — e os afortunados que estejam dispostos a pagar 167 euros por colher —, a empresa tem disponível uma grande variedade de sabores, como o sorvete de rosbife, rábano, pudim de Yorkshire, cordeiro e hortelã, ou mojito de framboesas.

Para bolsos menos cheios, a empresa criou também um sorvete mais barato, mas este não contém a proteína de alforreca. Esta versão usa o quinino da água tónica para fazer um sorvete com sabor a gin tónico (que brilha debaixo de luz ultra-violeta). Por agora, para provar os gelados é necessário entrar em contacto com a empresa, que tem estado presente em diversos eventos (incluindo casamentos, festas e Bar Mitzvahs).

Através das “engenhocas” que a empresa usa na produção (sistema de injecção de nitrogénio líquido), é possível provar um gelado luminoso. As máquinas utilizadas pela empresa para o fabrico dos gelados são compostas por um sistema de injecção de nitrogénio líquido. Uma (The Nitro Icecream Buggy) é móvel e, de acordo com a empresa, permite fazer gelado para mais de 2000 pessoas. A outra (The Nitro Icecream Parlour) não pode estar presente em todos os eventos porque é menos móvel e necessita de electricidade para trabalhar. Depois da fluorescência, e de já ter criado gelado com um extintor de incêndio (ver vídeo ao lado, o criador está a trabalhar num sorvete invisível.