Filipe Vieira lamenta ausências de Cavaco e Passos na inauguração do museu do Benfica

Líder benfiquista quer agora construir um centro de apoio às velhas glórias do clube e um espaço dedicado a Eusébio na cidade de Lisboa.

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, inaugura nesta sexta-feira o Museu Cosme Damião, que retrata mais de 100 anos de história do clube, lamentando as ausências de Cavaco Silva e Pedro Passos Coelho.

Em entrevista ao jornal do Benfica, Luís Filipe Vieira diz que a inauguração do museu “merecia a presença dos dois representantes do Estado português”.

“Não sei se é estranho, só posso dizer que o lamento, porque acho que a inauguração deste equipamento cultural (e não desportivo) merecia a presença dos dois representantes do Estado português”, refere o presidente do Benfica sobre as faltas de comparência de Presidente da República e primeiro-ministro.

Luís Filipe Vieira lastima também que nem Cavaco Silva nem Passos Coelho tenham marcado presença, a 15 de Maio, na final da Liga Europa, em Amesterdão, que o Benfica perdeu para o Chelsea (2-1).

“Deve ter sido a primeira vez na história em Portugal que tal sucedeu, mas não me cabe a mim fazer juízos de valor, mas é evidente que o lamento. Recebemos sempre bem quem nos visita e apenas podemos estranhar estas ausências em dois momentos tão significativos da vida do maior clube português”, frisa o líder “encarnado”.

Inaugurado o Museu Cosme Damião, Luís Filipe Vieira pretende agora avançar para mais dois projectos: um centro de apoio às velhas glórias do clube e um espaço dedicado a Eusébio na cidade de Lisboa.

“A vida prega-nos partidas inesperadas e todos aqueles que escreveram a história deste clube merecem ser apoiados quando a necessidade surgir. Quero poder implementar este equipamento no Seixal”, refere o presidente do Benfica sobre o centro de apoio às velhas glórias.

Sobre o espaço a Eusébio, Luís Filipe Vieira deseja que o mesmo seja construído para depois ser inaugurado pelo “Pantera Negra” na capital.

“É uma referência do Benfica, mas é uma referência de Portugal e da cidade que o adoptou. Espero que ainda em vida Eusébio possa inaugurar um espaço permanente na cidade de Lisboa que evoque o seu exemplo e o seu talento”, deseja Luís Filipe Vieira.