Iraque: dez anos em números

Um organismo que contabiliza as mortes de civis iraquianos divulga um retrato de dez anos em números. A violência continua a provocar mais de 4 mil mortes por ano no Iraque.

Foto

O Iraq Body Count (IBC), organização de voluntários que desde Março de 2003 contabiliza as vítimas de violência no Iraque, publicou, no dia do aniversário do início do conflito, um retrato do conflito em números.

O IBC documentou entre 112.017 e 122.438 mortes de civis entre 20 de Março de 2003 e 14 de Março de 2013.

O organismo aponta ainda que há um total de 174 mortos documentados, com 39.900 combatentes estrangeiros (incluindo forças da coligação) e mais 11.500 civis (que deverão ser acrescentados depois de retirada informação dos documentos sobre a guerra no Iraque divulgados pela WikiLeaks e que o IBC está ainda a trabalhar).

O IBC só regista feridos em ataques em que também houve mortos. Contabilizou 135.089 civis feridos. Notando que, ao contrário do que acontece com as mortes, os números oficiais iraquianos são mais altos do que os seus. No ano passado as autoridades iraquianas disseram que tinha havido 250.000 feridos desde 2003.

O período mais intenso em termos de vítimas mortais foi o início da guerra. Mais de 6700 pessoas foram mortas nas três semanas da operação "Choque e Pavor", uma média de 320 por dia durante 21 dias.

Após a invasão, o mês mais sangrento foi Junho de 2006, com 3266 mortes violentas. Nos últimos quatro anos, o nível de mortos diminuiu, mas registam-se ainda sempre mais de 4 mil mortos em cada ano. Um número que é semelhante ao total das forças americanas e canadianas mortas (4.804). Ou seja, 25 civis iraquianos mortos por cada morte das forças dos UA e da coligação.

O IBC determinou a profissão de quase 23.600 vítimas, descobrindo à volta de 700 profissões diferentes. Uma grande maioria eram polícias e jornalistas (profissões mais provavelmente mencionadas e assim registadas, nota o organismo).

Nestes dez anos, explosivos mataram 41.636 civis (destes, 13.441 morreram em atentados suicidas), e 5725 em ataques aéreos (normalmente com munições explosivas) e ainda 64.226 a tiro.

Cerca de 48% das mortes (58.252) ocorreram em Bagdad, a cidade com mais população do país.

O IBC nota ainda que das 122.438 mortes de civis documentadas, apenas 7% (8.647) estão identificadas com nome.
 
 

Sugerir correcção