Ex-ministro da Defesa grego condenado a oito anos de prisão por corrupção

Akis Tsochatzpoulos enquanto era ministro da Defesa
Foto
Akis Tsochatzpoulos enquanto era ministro da Defesa Yiorgos Karahalis/Reuters

Akis Tsochatzpoulos, que já foi um poderoso político do Partido Socialista grego (Pasok) e ministro da Defesa do país, foi nesta segunda-feira condenado a uma pena de prisão de oito anos por não ter declarado bens.

Este é o político mais importante condenado nas últimas décadas na Grécia. O tribunal de Atenas que julgou o caso avaliou as declarações fiscais de Tsochatzpoulos nos anos de 2006 até 2009 e descobriu que eram falsas.

Segundo o diário grego Kathimerini, Tsochatzpoulos não declarou 47 mil euros em bens em 2006, 33 mil euros em 2007 e 20 mil euros em 2008.

O político não tinha ainda declarado ao fisco a compra, pela sua mulher, em 2009, de uma casa luxuosa num bairro chique, aos pés da Acrópole. Para além da pena de prisão, esta casa será confiscada e o ex-ministro terá de pagar uma multa de 520 mil euros.

Tsochatzpoulos, que era o responsável pela Defesa quando a Grécia comprou quatro submarinos à Alemanha em 2000, foi um político especialmente relevante na década de 1990, quando quase foi primeiro-ministro.

Estava detido desde Abril, enquanto decorriam as investigações quanto à origem da sua riqueza.

O antigo ministro prometeu recorrer da sentença. “A verdade foi encoberta e este é um falhanço do sistema legal”, declarou. No entanto, segundo o Kathimerini, os juízes decidiram que esta não era passível de recurso.

Tsochatzpoulos enfrenta ainda uma segunda acusação por lavagem de dinheiro e uso de empresas offshore para comprar a casa de Atenas.

As autoridades gregas estão a tentar combater a imagem de uma elite política corrupta e que goza de grande impunidade, quando o país atravessa uma enorme crise, entrando no sexto ano de recessão, com um desemprego de 27%.

Na semana passada, um antigo presidente de câmara de Salónica, a segunda maior cidade grega, foi condenado a prisão perpétua por desvio de 17 milhões de euros.