Desastre de Luanda chama a atenção para crescimento da IURD em Angola

Chegado em 1992, grupo religioso fundado pelo brasileiro Edir Macedo reivindica meio milhão de seguidores no país africano.

Foto
Cartaz de promoção do evento que acabou em tragédia DR

O acidente que, no último dia de 2012, provocou a morte de 13 pessoas em Luanda, entre as quais três crianças, com idades entre três e quatro anos, chamou a atenção para o crescimento da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD): entrou em Angola há 20 anos e reclama já meio milhão de seguidores num país onde as confissões religiosas se multiplicam.

Chegada a Angola em 1992, a IURD, criada em 1977 no Brasil, tem conjugado a promoção do seu credo com projectos de carácter social. A sua presença na vida angolana é cada vez mais visível. Articula a componente confessional com projectos em áreas como a alfabetização, o combate à toxicodependência ou a promoção rodoviária. A cerimónia de segunda-feira, que ficou marcada pelo desastre, terá sido a sua acção pública mais participada.

O estádio da Cidadela Desportiva de Luanda, onde, junto a um dos portões de acesso, ocorreu o acidente, tem capacidade para 70 mil pessoas. Os números avançados pelo serviço de protecção civil angolano indicam que terão comparecido à Vigília da Virada – Dia do Fim, entre 250 mil e 280 mil. “Estimamos que estiveram na vigília acima de 250 mil pessoas”, disse também o bispo Felner Batalha, citado pela Rádio Nacional de Angola.

Transportados em autocarros alugados, muitos fiéis estavam no local desde manhã. Testemunhas disseram ao Jornal de Angola que todos os portões do estádio foram abertos e, a certa altura, a multidão concentrada junto a uma das entradas terá querido entrar para o espaço já lotado, causando o acidente.

Os médicos que socorreram os sinistrados disseram, citados pela imprensa angolana, que diversas mortes terão sido provocadas por asfixia. O número de feridos rondou os 120, mas a maior parte teve rapidamente alta.

O director do Complexo da Cidadela, Joaquim Muaxinika, afirmou ao diário angolano que a cerimónia foi autorizada depois de verificadas as condições de segurança. “Eles solicitaram o culto há mais de 20 dias, e, pelos documentos apresentados, estava tudo preparado.” Foi aberto um inquérito para apurar o sucedido.

Luanda já antes assistira a iniciativas da IURD,  fundada pelo brasileiro Edir Macedo, mas nenhuma com tamanha afluência. Em Fevereiro do ano passado, cerca de 20 mil angolanos foram baptizados numa cerimónia colectiva nas praias do município de Belas, em simultâneo com acções semelhantes noutras províncias de Angola.

Segundo um vídeo disponibilizado no YouTube, em 2009 a IURD tinha em construção doze igrejas, quatro em Luanda, oito em províncias. No início de 2012, organizou uma conferência sobre a situação socioeconómica do país e anunciou a construção de uma universidade em Luanda.

O site Clube-K, não alinhado com o poder político angolano, escreveu há poucas semanas que o crescimento patrimonial da IURD em Luanda “é inquestionável”. “Nenhuma instituição angolana, pública, privada ou mista, acumulou tanto património quanto a igreja do bispo Macedo nos últimos anos.”

Angola tem sido terreno fértil para novos grupos religiosos e o site Maka Angola, do activista Rafael Marques, denunciou no ano passado que a “relação promíscua” entre o MPLA, Movimento Popular de Libertação de Angola, partido no poder, e as seitas religiosas “ganhou um cunho mais público” nos últimos anos. 

Presente em numerosos países de vários continentes, a IURD diz ter mais de oito milhões de seguidores em todo o mundo.

Notícia actualizada a 4 de Janeiro: balanço final do número de mortos é de 13 e não 16.